sábado, 3 de junho de 2017

HULDA, A MULHER QUE ESTAVA NO LUGAR CERTO

Quem era a profetiza Hulda?
Hulda foi uma profetisa, mulher de Salum, filho de Ticvá e neto de Harás. Apesar de não ser tão conhecida entre os cristãos como Débora, Miriã e algumas outras mulheres citadas na Bíblia, Hulda teve uma importante participação em determina ocasião durante o reinado do rei Josias. Neste texto, conheceremos mais sobre quem foi Hulda.
A história da profetisa Hulda
A profetisa Hulda é mencionada em dois livros do Antigo Testamento que relatam o reinado do rei Josias, 2Reis 22:14 e 2 Crônicas 34:22. Como já dissemos, Hulda era esposa de Salum, um homem ilustre e de família nobre, responsável pela guarda das roupas, ou do Templo (manutenção das vestes sacerdotais) ou da corte de Josias (alfaiate das vestes reais). Não é possível determinar com exatidão qual das duas opções é a correta.
Nada se sabe sobre a biografia de Hulda além do que é mencionado muito brevemente nessas passagens. Somos informados ainda que ela morava na cidade baixa de Jerusalém. A localização exata desse lugar é incerta, porém é bem provável que seja o segundo quadrante de Jerusalém (cf. Sf 1:10; Ne 11:9), isto é, a segunda fileira de edifícios a partir do palácio real.
Hulda desempenhou um papel importante na história de Israel, apesar de aparecer apenas uma vez no palco da história dessa nação durante um tempo de deserção religiosa.
I Reis 22:14: ”Então, o sacerdote Hilquias, Aicão, Acbor, Safã e Asaías foram ter com a profetisa Hulda, mulher de Salum, o guarda-roupa, filho de Ticva, filho de Harás, e lhe falaram. Ela habitava na cidade baixa de Jerusalém”.
Por causa de uma grande reforma, proporcionado em Jerusalém. E, nesta mudança, da parte do rei Josias, fez com que o sacerdote Hilquias, encontrasse um livro dentro da casa de Deus, que estava perdido.
E, este livro que foi encontrado, não era um livro comum. Mas quando o Sacerdote entregou o livro para Safã, o escrivão ,e , que ele o leu. Safã correu para o rei Josias e, também o leu para ele.
II Reis 22:11 - 13 “Tendo o rei ouvido as palavras do Livro da Lei, rasgou as suas vestes. Ordenou o rei a Hilquias, o sacerdote, a Aicão, filho de Safã, a Acbor, filho de Micaías, a Safã, o escrivão, e a Asaías, servo do rei, dizendo:
Ide e consultai o SENHOR por mim, pelo povo e por todo o Judá, acerca das palavras deste livro que se achou; porque grande é o furor do SENHOR que se acendeu contra nós, porquanto nossos pais não deram ouvidos às palavras deste livro, para fazerem segundo tudo quanto de nós está escrito”.
E, através desta leitura, feita por Safã, o escrivão , o rei rasgas as suas vestes, temendo as palavras do livro, e ordena a Hilquias, ir em busca de uma confirmação, relacionada a está leitura, que tinha acabada de ser lida.
Hulda é consultada como uma mulher de Deus
Em lugar de Jeremias ou de Sofonias, ambos profetas ativos durante essa época, o rei escolheu consultar uma mulher, a profetisa Hulda. É importante observar que, com o número de profetas que viviam em Jerusalém na época, o sacerdote Hilquias e o resto dos conselheiros do rei voltaram-se para uma mulher em busca de uma Palavra de Deus.
Hulda tinha uma autoridade tão grande no Senhor, que foi escolhida pelo sacerdote para buscar ao Senhor pelo rei. E ela sabia da responsabilidade que tinha para com o serviço do Rei dos Reis. Mesmo num tempo em que tudo parecia escuro, contrário, Deus ainda falava. E por meio de uma mulher, Ele ressuscitou a vida espiritual de Israel.
A consideração pela integridade de Hulda e por sua autoridade como mulher de Deus fez com que sua confirmação do recém-descoberto Livro da Lei fosse à palavra necessária para uma ação imediata da parte do rei. A mensagem não procedia dela mesma, mas, sim, do Senhor. O fato de a frase “Assim diz o Senhor” ser repetida quatro vezes em sua profecia curta enfatiza que Hulda compreendia sua responsabilidade e oportunidade de ser um canal através do qual Deus transmitiria sua Palavra (2 Rs 22. 15- 17, 19. Todas as reformas apresentadas pelo rei Josias basearam-se na Palavra de Deus recebida por meio dessa mulher. Ao que parece, Hulda era tão conhecida como mulher de Deus e tão plenamente digna de confiança em sua compreensão da Lei do Senhor, que, por sua influência, durante algum tempo, houve um reavivamento da consciência e das práticas religiosas de sua nação na fidelidade a Deus.
É JUSTAMENTE NESTE MOMENTO EM QUE A PROFETIZA HULDA, E A CIDADE BAIXA, É O ALVO CENTRAL DA COMITIVA REAL, COM O SACERDOTE HILQUIAS:
II Reis 22:13 “Ide e consultai o SENHOR por mim, pelo povo e por todo o Judá, acerca das palavras deste livro que se achou; porque grande é o furor do SENHOR que se acendeu contra nós, porquanto nossos pais não deram ouvidos às palavras deste livro, para fazerem segundo tudo quanto de nós está escrito”.
II Reis 22:14-17: “Então, o sacerdote Hilquias, Aicão, Acbor, Safã e Asaías foram ter com a profetisa Hulda, mulher de Salum, o guarda-roupa, filho de Ticva, filho de Harás, e lhe falaram. Ela habitava na cidade baixa de Jerusalém. Ela lhes disse: Assim diz o SENHOR, o Deus de Israel: Dizei ao homem que vos enviou a mim: Assim diz o SENHOR: Eis que trarei males sobre este lugar e sobre os seus moradores, a saber, todas as palavras do livro que leu o rei de Judá. Visto que me deixaram e queimaram incenso a outros deuses, para me provocarem à ira com todas as obras das suas mãos, o meu furor se acendeu contra este lugar e não se apagará”.
O rei Josias ficou perplexo, ele decidiu consultar um profeta porque havia aterrorizantes consequências descritas da Lei para aqueles que falhassem em obedecê-la.
Receber a orientação de Deus
A ordem de consultar o Senhor, naquele contexto significava pedir um parecer profético sobre aquela situação. Josias decidiu consultar um profeta, pois sabia que a nação merecia ser acometida por maldições divinas, porém ele não sabia exatamente como essas maldições se aplicavam naquela situação especifica. Para que pudesse entender perfeitamente a situação, ele precisava de um oráculo profético.
É nesse contexto que Hulda é consultada. Perceba que tal como Débora, Hulda foi procurada por aqueles homens, na ocasião, enviados por Josias. Isso significa que, diferente dos homens ordenados por Deus como profetas diante do povo no Antigo Testamento, não há registro bíblico dessas mulheres profetizando publicamente perante a nação, isto é, reunindo o povo para dizer: “Assim diz o Senhor”. Essas mulheres proclamaram a mensagem divina em particular, de modo que as pessoas foram até elas.
Sabemos que poucas foram as mulheres escolhidas pelo Senhor para serem profetisas. E, dentre tantas mulheres que viviam naquela época, Ele escolheu exatamente Hulda para servi-Lo. Ele a conhecia. Ele conhecia a sua coragem, capacidade de aconselhar, fé e muitos outros atributos que O levaram a esta decisão. Foi Hulda quem teve o privilégio de ser a mensageira do nosso Deus.
Hulda já sabia do conceito de Deus, pois ela era profetiza, ela não se tornou profetiza quando o sacerdote chegou lá, ela já era antes de qualquer reforma do rei.
Agora, imagine Hulda falando para os do seu convívio social, sobre o intento de Deus, pois o mal já iria acontecer, pois a palavra estava denunciando a iniquidade do povo.
Hulda era profetiza, e ouvia a voz de Deus.
Creio que muitos nem valorizavam as palavras de Hulda, mas quando alguém quer fazer a diferença, esta pessoa, sempre terá a participação especial da parte de Deus. E, assim foi com Hulda, chegou o momento de Deus; confirmar as palavras, e o ministério da vida de Hulda. E, isto foi perante os reis, e sua comitiva e os plebeus.
Aqueles homens foram ter com Hulda, a profetisa, mulher de Salum (filho de Tocate e neto de Hasra). Salum era o responsável pelo guarda-roupa real e morava no segundo bairro de Jerusalém. Quando lhe disseram a causa da perturbação do rei, respondeu: “Assim diz o Senhor Deus de Israel: Digam ao homem que vos enviou: ‘Sim, o Senhor destruirá esta cidade e este povo. Todas as maldições escritas no rolo se concretizarão. Porque o meu povo me abandonou e se pôs a prestar culto a deuses pagãos. Estou extremamente indignado com os pecados deles. Por isso, o meu furor se derramará inevitavelmente sobre este lugar.’
26/32 Mas o Senhor diz também o seguinte ao rei de Judá, que vos mandou consultar-me: Digam-lhe então o que lhe é transmitido pelo Senhor Deus de Israel: ‘Visto que te entristeceste e te humilhaste diante de Deus quando ouviste as minhas palavras contra esta cidade e o seu povo, rasgando a tua túnica em desespero, e chorando perante mim — por isso te ouvi, diz o Senhor, e só mandarei o mal que prometi sobre esta cidade e o seu povo após a tua morte.’”
Foi então esta a mensagem do Senhor que eles trouxeram de volta ao rei. Este reuniu todos os anciãos de Judá e de Jerusalém, assim como os sacerdotes e levitas, juntamente com todo o povo, tanto grandes como pequenos, e fez-se acompanhar por todos eles até ao templo.
As reformas de Josias
Apesar da advertência de juízo, Josias ainda estava determinado a fazer o que era “reto perante o Senhor” (2Rs 22:2). Talvez o desastre não pudesse ser evitado, “mas ao anunciar os juízos retributivos do Céu, o Senhor não reteve a oportunidade para arrependimento e reforma; e Josias, discernindo nisso uma boa disposição da parte de Deus para temperar Seus juízos com misericórdia, decidiu fazer tudo que estivesse em seu poder para executar decididas reformas”.
2 Reis 23:1-28. Qual foi a essência da reforma que o rei procurou fazer em sua nação corrompida? Até que ponto as coisas tinham ficado ruins?
Josias reuniu todo o povo em Jerusalém para renovar a aliança com Deus. O recém-achado livro da lei foi lido, e então eles fizeram o voto de seguir ao Deus de Israel.
O rei não executou essa obra sozinho, mas pediu aos que tinham responsabilidades espirituais que fizessem o que fosse necessário. Por exemplo, ao longo dos séculos haviam sido colocados no templo diferentes objetos, como estátuas e símbolos que popularizaram o culto estrangeiro em Israel. Por vezes, esses objetos haviam sido colocados ali como parte das condições de paz impostas à nação; outras vezes, reis os haviam posto em exposição para demonstrar sua pacificação, como sinal de submissão. Não importando quais tenham sido as razões, o lugar deles não era ali, e Josias ordenou que fossem removidos e destruídos.
Além disso, a celebração da Páscoa durante a reforma de Josias não ocorreu nos lares, como tinha sido o costume anteriormente, mas dessa vez toda a nação a celebrou em conjunto. A mensagem simbólica dessa iniciativa foi que eles haviam deixado para trás a antiga era, e que estavam entrando em um novo tempo, no qual assumiam o voto de servir ao Deus verdadeiro, que os havia tirado do Egito, que havia providenciado um lar para as tribos, como tinha prometido, e que estava com eles em sua vida diária.
33 Josias retirou totalmente os ídolos das áreas habitadas por judeus, e requereu que todos adorassem Jeová, o seu Deus. Durante o resto da vida de Josias, o povo continuou servindo o Senhor, o Deus dos seus pais. //
Pr. Adaylton Conceição de Almeida (Th.B.;Th.M.;Th.D.)
Ass. de Deus em Santos (Ministério do Belém) - São Paulo.
Email: adayl.alm@hotmail.com
Facebook: adayl manancial

BIBLIOGRAFIA
Leilane Gabriela - Hulda, a profetisa que mudou uma nação
Valdenira Nunes de Menezes Silva – Hulda: A mensageira de Deus
Thassia Izabel – Hulda
Daniel Conegero - Quem Foi a Profetisa Hulda na Bíblia?



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço e será um prazer receber seu comentário que depois de aprovado será publicado.