sábado, 28 de janeiro de 2017

Não julgueis.

Mais uma vez e para não contrariar a turma do "NÃO JULGUEIS", não vou emitir nenhum comentário ou julgamento a respeito dos que produzem as obras abaixo descritas, mas vou deixar aqui o que o apóstolo Paulo escreveu a respeito deles. 2 Timóteo 3:1-17.

Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos.
Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos,
Sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons,
Traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus,
Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te.
Porque deste número são os que se introduzem pelas casas, e levam cativas mulheres néscias carregadas de pecados, levadas de várias concupiscências;
Que aprendem sempre, e nunca podem chegar ao conhecimento da verdade.
E, como Janes e Jambres resistiram a Moisés, assim também estes resistem à verdade, sendo homens corruptos de entendimento e réprobos quanto à fé.
Não irão, porém, avante; porque a todos será manifesto o seu desvario, como também o foi o daqueles.
Tu, porém, tens seguido a minha doutrina, modo de viver, intenção, fé, longanimidade, amor, paciência,
Perseguições e aflições tais quais me aconteceram em Antioquia, em Icônio, e em Listra; quantas perseguições sofri, e o Senhor de todas me livrou;
E também todos os que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguições.
Mas os homens maus e enganadores irão de mal para pior, enganando e sendo enganados.
Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido,
E que desde a tua meninice sabes as sagradas Escrituras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus.
Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça;
Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra. 2 Timóteo 3:1-17

Que a Palavra de Deus julgue.

     Há um forte clamor nas redes sociais para não realizarmos julgamentos quanto as atitudes de pessoas que não tem compromisso com o Evangelho de Cristo, é a turma do "não julgueis". Pois bem, então não vou julgar, vou deixar que Judas o servo de Cristo e que fala da parte de Cristo julgue.  Não vou contrariar a turma do não julgueis e espero que também não julguem o julgamento de Judas apóstolo do Senhor. 

Texto básico: Judas 1:1-25

Judas, servo de Jesus Cristo, e irmão de Tiago, aos chamados, santificados em Deus Pai, e conservados por Jesus Cristo:

Misericórdia, e paz, e amor vos sejam multiplicados.
Amados, procurando eu escrever-vos com toda a diligência acerca da salvação comum, tive por necessidade escrever-vos, e exortar-vos a batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos.
Porque se introduziram alguns, que já antes estavam escritos para este mesmo juízo, homens ímpios, que convertem em dissolução a graça de Deus, e negam a Deus, único dominador e Senhor nosso, Jesus Cristo.
Mas quero lembrar-vos, como a quem já uma vez soube isto, que, havendo o Senhor salvo um povo, tirando-o da terra do Egito, destruiu depois os que não creram;
E aos anjos que não guardaram o seu principado, mas deixaram a sua própria habitação, reservou na escuridão e em prisões eternas até ao juízo daquele grande dia;
Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se entregue à fornicação como aqueles, e ido após outra carne, foram postas por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno.
E, contudo, também estes, semelhantemente adormecidos, contaminam a sua carne, e rejeitam a dominação, e vituperam as dignidades.
Mas o arcanjo Miguel, quando contendia com o diabo, e disputava a respeito do corpo de Moisés, não ousou pronunciar juízo de maldição contra ele; mas disse: O Senhor te repreenda.
Estes, porém, dizem mal do que não sabem; e, naquilo que naturalmente conhecem, como animais irracionais se corrompem.
Ai deles! porque entraram pelo caminho de Caim, e foram levados pelo engano do prêmio de Balaão, e pereceram na contradição de Coré.
Estes são manchas em vossas festas de amor, banqueteando-se convosco, e apascentando-se a si mesmos sem temor; são nuvens sem água, levadas pelos ventos de uma para outra parte; são como árvores murchas, infrutíferas, duas vezes mortas, desarraigadas;
Ondas impetuosas do mar, que escumam as suas mesmas abominações; estrelas errantes, para os quais está eternamente reservada a negrura das trevas.
E destes profetizou também Enoque, o sétimo depois de Adão, dizendo: Eis que é vindo o Senhor com milhares de seus santos;
Para fazer juízo contra todos e condenar dentre eles todos os ímpios, por todas as suas obras de impiedade, que impiamente cometeram, e por todas as duras palavras que ímpios pecadores disseram contra ele.
Estes são murmuradores, queixosos da sua sorte, andando segundo as suas concupiscências, e cuja boca diz coisas mui arrogantes, admirando as pessoas por causa do interesse.
Mas vós, amados, lembrai-vos das palavras que vos foram preditas pelos apóstolos de nosso Senhor Jesus Cristo;
Os quais vos diziam que nos últimos tempos haveria escarnecedores que andariam segundo as suas ímpias concupiscências.
Estes são os que a si mesmos se separam, sensuais, que não têm o Espírito.
Mas vós, amados, edificando-vos a vós mesmos sobre a vossa santíssima fé, orando no Espírito Santo,
Conservai-vos a vós mesmos no amor de Deus, esperando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo para a vida eterna.
E apiedai-vos de alguns, usando de discernimento;
E salvai alguns com temor, arrebatando-os do fogo, odiando até a túnica manchada da carne.
Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeçar, e apresentar-vos irrepreensíveis, com alegria, perante a sua glória,
Ao único Deus sábio, Salvador nosso, seja glória e majestade, domínio e poder, agora, e para todo o sempre. Amém. Judas 1:1-25.

O mesmo texto, na NTLH.
Saudação
1Eu, Judas, servo de Jesus Cristo e irmão de Tiago , escrevo esta carta aos que foram chamados, isto é, aqueles a quem Deus, o Pai, ama e a quem Jesus Cristo protege.
2Que vocês tenham mais e mais a misericórdia, a paz e o amor de Deus!
Os falsos mestres
2Pedro 2.1-22
3Meus queridos amigos, eu estava fazendo todo o possível para escrever a vocês a respeito da salvação que temos em comum. Então senti que era necessário escrever agora para animá-los a combater a favor da fé que, uma vez por todas, Deus deu ao seu povo. 4Pois alguns homens que não temem a Deus entraram no meio da nossa gente sem serem notados. Eles torcem a mensagem a respeito da graça do nosso Deus a fim de arranjar uma desculpa para a sua vida imoral. E também rejeitam Jesus Cristo, o nosso único Mestre e Senhor. Há muito tempo que as Escrituras Sagradas anunciaram a condenação que eles já receberam.
5Embora vocês conheçam tudo isso, quero lembrar que o Senhor salvou o povo de Israel, tirando-o da terra do Egito, mas depois destruiu aqueles que não creram. 6Lembrem dos anjos que não ficaram dentro dos limites da sua própria autoridade, mas abandonaram o lugar onde moravam. Eles estão amarrados com correntes eternas, lá embaixo na escuridão, onde Deus os está guardando para aquele grande dia em que serão condenados. 7Lembrem dos moradores de Sodoma, de Gomorra e das cidades vizinhas, que agiram como aqueles anjos e cometeram imoralidades e pecados sexuais. Eles sofreram o castigo do fogo eterno, o que é um aviso claro para todos.
8Do mesmo modo esses homens têm visões que os fazem pecar contra o próprio corpo deles. Desprezam a autoridade de Deus e insultam os gloriosos seres celestiais . 9Nem mesmo o arcanjo Miguel fez isso. Na discussão que teve com o Diabo, para decidir quem ia ficar com o corpo de Moisés, Miguel não se atreveu a condenar o Diabo com insultos, mas apenas disse: “Que o Senhor repreenda você!” 10Mas esses homens xingam aquilo que não entendem. E as coisas que eles conhecem por instinto, como os animais selvagens, são estas que os destroem. 11Ai deles! Seguem o mesmo caminho de Caim. Por causa de dinheiro, eles se entregam ao mesmo erro de Balaão. E, como Corá se revoltou e foi destruído, eles também se revoltam e serão destruídos. 12Com as suas vergonhosas bebedeiras, eles são como manchas de sujeira nas refeições de amizade que vocês realizam. Eles cuidam somente de si mesmos. São como nuvens levadas pelo vento, que não trazem nenhuma chuva; são como árvores que, mesmo no outono, não produzem nenhuma fruta; são como árvores que foram arrancadas pela raiz e estão completamente mortas. 13Eles são como as ondas bravas do mar, jogando para cima a espuma das suas ações vergonhosas; são como estrelas sem rumo, para as quais Deus reservou, para sempre, um lugar na mais profunda escuridão.
14Foi Enoque, da sétima geração a partir de Adão, quem há muito tempo profetizou isto a respeito deles: “Olhem! O Senhor virá com muitos milhares dos seus anjos 15para julgar todos. Ele virá a fim de condenar todos os que não querem saber de Deus, por causa de todas as más ações que praticaram e por causa de todas as palavras terríveis que esses pecadores incrédulos disseram contra Deus!”
16Esses homens estão sempre resmungando e acusando os outros. Eles seguem os seus próprios maus desejos, vivem se gabando e bajulam os outros porque são interesseiros.
Avisos e conselhos
17Mas vocês, meus amigos, lembrem do que foi profetizado pelos apóstolos do nosso Senhor Jesus Cristo. 18Eles disseram a vocês: “Quando chegarem os últimos tempos, aparecerão pessoas que vão zombar de vocês, pessoas que não querem saber de Deus e seguem os seus próprios desejos.” 19São essas pessoas que causam divisões, pois são dominadas pelos seus desejos naturais e não têm o Espírito de Deus. 20Porém vocês, meus amigos, continuem a progredir na sua fé, que é a fé mais sagrada que existe. Orem guiados pelo Espírito Santo. 21E continuem vivendo no amor de Deus, esperando que o nosso Senhor Jesus Cristo, na sua misericórdia, dê a vocês a vida eterna.
22Tenham misericórdia dos que têm dúvidas; 23salvem outros, tirando-os do fogo; e para com outros mostrem misericórdia com medo, odiando até as roupas deles, manchadas pelos seus desejos pecaminosos.
Oração de louvor

24Deus pode evitar que vocês caiam e pode apresentá-los sem defeito e cheios de alegria na sua gloriosa presença. 25Por meio de Jesus Cristo, o nosso Senhor, louvemos o único Deus, o nosso Salvador, a quem pertencem a glória, a grandeza, o poder e a autoridade, desde todos os tempos, agora e para sempre! Amém!

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

PAZ DE DEUS ANTÍDOTO CONTRA AS INIMIZADES


O QUE É PAZ?
Comecemos definindo o que é paz. No Antigo Testamento, o termo ‘shalom’ se refere à ideia de ausência de conflito (1Cr 22.9; Pv 17.1), entretanto, por toda a Bíblia, o termo tem uma extensão de significado bem mais ampla. Pode significar bem-estar do indivíduo, de grupos, de nações, prosperidade física e material (Sl 4.8; Lm 3.17; 1Sm 20.42; Ml 2.5; Êx 18.23; Gn 15.15; Zc 8.19).

A paz é o desejo mais profundo do ser humano. Não por acaso, ela é uma promessa de Deus aos seus filhos. Desde muito cedo, os homens de bem se cumprimentavam assim: “Paz seja convosco” (Gn 43.23). Os anjos de Deus apresentavam-se do mesmo modo: “Paz seja contigo” (Jz 6.23). O Antigo Testamento nos ensina a abençoar assim: “o Senhor sobre ti levante o rosto e te dê a paz” (Nm 6.26).

No Novo Testamento, a palavra paz tem seu sentido ampliado para a ideia de satisfação da ira de Deus por meio da morte de Cristo na cruz. Cristo veio para estabelecer a paz (Lc 2.14,29; 19.42), ele ensinou a necessidade de paz (Mt 5.9; Jo 14.27), e a trouxe por meio de sua morte e ressurreição (Rm 15.33ss).

Outro sentido percebido é o de paz interior que, embora não se caracterize pela ausência de lutas ou adversidades circunstanciais, mostra-se suficiente para trazer discernimento e controle emocional diante de momentos de angústia, dúvida e terror (Rm 15.13; Gl 5.22; 2Tm 2.22; Jo 16.33; Hb 12.11; 2Co 4.7ss).

A PAZ DE DEUS E A PAZ DOS HOMENS
As Escrituras fazem diferença entre paz e paz. Sim! Para Deus uma é a paz do homem e outra é a paz do céu.

Foi por isto que Jesus disse “a minha paz vos deixo, a minha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o mundo”.

Afinal, uma é a paz dos homens e outra a paz de Deus.
A paz dos homens tem a ver com conforto, equilíbrio de poderes, controle, domínio, bens, seguranças, sucessos, liberdade de expressão, determinações afetivas, reconhecimento, tranquilidade, autodeterminação, boas sensações, etc.

Ora, tire-se qualquer dessas coisas de um homem e ele perderá toda paz que supostamente possua.

A paz de Deus, no entanto, não é assim. Pois se a paz dos homens decorre de muitas bênçãos e prosperidades, a paz de Deus, no entanto, decorre de Deus apenas, e não de circunstancias favoráveis.

A paz do homem é sempre emocional. A paz de Deus, entretanto, é ultra-circunstancial, visto ser um estado que transcende a tudo.

Jesus deixou claro que uma é a paz da terra e outra a do céu.
“A minha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o mundo”.

Ele é a própria paz, não existe paz sem Ele, a falta dEle é falta de paz, uma paz tal que não precisa de ausência de guerras para estar estabelecida, pois é paz interior, que frutifica de dentro para fora, que é permanente e só pode ser adquirida mediante um compromisso de fidelidade entre nós e Deus. A Bíblia está recheada de promessas de Deus falando em conceder esta paz, mas todas estão condicionadas a este relacionamento de fidelidade com Ele.

A paz autêntica
A paz autêntica tem dois pressupostos: um elemento negativo, a ausência de agitação, que é precisamente o oposto da paz; e um elemento positivo, o descanso da vontade na posse estável do bem desejado. Ora, esse é precisamente o estado em que se encontra a alma inteiramente entregue à ação do Espírito Santo.

A paz que as pessoas ao nosso redor imaginam é aquela sensação que traz calma, tranquili-dade, bem-estar, algum tipo de contentamento, no dia a dia. Acontece que esse tipo de paz pode ter diversas origens. O uso de algumas substâncias entorpecentes, por exemplo, po-dem dar à pessoa a sensação de calmaria, autocontrole, submissão. É o caso de bebidas alcoólicas para alguns, de cigarros para outros, ou até mesmo outros tipos de droga. Música também pode ser um excelente recurso para fazer com que alguém fique calmo. Uma boa prosa com amigos, um passeio contemplando a natureza. Várias são as formas de encontrar bem-estar. Mas, certamente, não é desse tipo de paz que a Bíblia fala.

A paz que as Escrituras apresentam é de um tipo bem diferente. É a paz gerada pelo consolo absoluto do Espírito Santo no coração crente. Foi essa a paz que Davi evocou (Sl 4.8, NTLH) e que só pode ser sentida por aqueles que tiveram o coração transformado pela graça soberana do Senhor, pois experimentam a “boa, agradável e perfeita vontade de Deus” (Rm 12.2). Sem essa experiência vital de transformação, é impossível viver a paz genuína. A certeza da fé é que dá ao coração crente a segurança de enfrentar quaisquer situações.

Paulo afirmou: “O próprio Senhor da paz lhes dê a paz…”. A primeira característica da paz genuína é que ela é originada no próprio Deus, sendo um dos aspectos do fruto do Espírito.

A NATUREZA DA PAZ
Entre os gregos, ‘eirene’, que é a palavra que o apóstolo Paulo usa, era empregada para significar o estado ou a condição de ausência de guerra. Na verdade, para os gregos a paz era um interlúdio entre as guerras. Os romanos a traduziram por “pax”, significando um relacionamento de reciprocidade entre duas partes, mesmo que provocada pelo predomínio de uma parte sobre a outra.

Como os gregos e os romanos, temos pensado a paz como ausência de guerra, mas esta é uma visão limitada do conceito bíblico.

"Justificados, pois, mediante a fé, tenhamos paz com Deus, por meio de Nosso Senhor Jesus Cristo". (Romanos 5:1)

Quando o homem reconhece essa verdade e se arrepende de todo o mal cometido contra o seu criador, vem sobre ele o perdão de Deus fazendo-o reconciliar-se com o seu Reino de glória. Tudo, por meio de Jesus Cristo. Ele é o único mediador.

"Portanto há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem, o qual a si mesmo se deu em resgate por todos..."  (1Timóteo 2:5,6a)

Muitos procuram a paz e não a encontram. Não são poucas as vezes que vejo noticiários em que pessoas envolvidas em tragédias, desastres, desavenças dizem: "Eu só quero paz".

A verdadeira paz só pode vir através da reconciliação do homem com o seu criador. Não há outro meio.

Gozo e paz
Gozo e paz estão intimamente ligados (Romanos 14:17 e 15:13). Satanás conseguirá certamente roubar nosso gozo se ele tirar nossa paz. Creio que Deus nos deu Jó para que no meio de nossas calamidades possamos lembrar que houve um homem que enfrentou problemas muito piores… e triunfou. Como? Quando ele passou a conhecer a Deus. Em Jó 42:5, Jó diz: “Com os ouvidos eu ouvira falar de ti, mas agora te veem os meus olhos”. Note que Jó encontrou paz em Deus antes de ser curado e ter sua vida restaurada… e Deus sequer lhe havia prometido isto. Mas o conhecimento de Deus trouxe a Jó a paz que ele tanto queria, mesmo no meio de suas terríveis circunstâncias.

SENTINDO A PAZ DE DEUS
Como posso sentir a paz de Deus inundando todo o meu ser quanto tenho ao meu redor pi-lhas de roupas para lavar, compras para fazer, trabalhos para terminar e, o que é pior, um resultado de exame para receber?

As preocupações nos rodeiam, o medo vive, diariamente, ao nosso lado e a ansiedade toma conta de nós. Mas, como filhas de Deus e templo do Espírito Santo, temos um meio para driblarmos estas preocupações, este medo e esta ansiedade. Este meio é a perfeita paz de Deus que não espera por momentos perfeitos e certinhos para fazer morada em nosso coração.

É maravilhoso sabermos que, como filhas de Deus, podemos ter esta paz mesmo vivendo em um mundo de guerras, desemprego, doenças, drogas, futuro incerto para nós e para nossos filhos...

Quando nestes momentos de tristeza decidimos repousar nos braços do Senhor, não só sentimos a Sua paz mas sentimos também o Seu amor.

Devemos promover a paz
Jesus nos conclama a sermos promotores da paz, ou pacificadores (Mt 5.9). 

Promover a paz é promover a reconciliação do homem com Deus, de que é exemplo o apóstolo Paulo. Ele escreveu: “Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo” (Rm 5.1), porque ele é a nossa paz (Ef 2.14). Isaías lembra que seu sobrenome é Príncipe da Paz (Is 9.6) e o autor de Hebreus o chama de rei da paz (Hb 7.2).

Nosso compromisso é apresentar aos homens este Jesus Cristo reconciliador. Sem a ação deste Reconciliador, não haverá reconciliação, não haverá paz. Nosso prazer é anunciar este Evangelho. Afinal, “quão formosos são sobre os montes os pés do que anuncia as boas-novas, que faz ouvir a paz, que anuncia coisas boas, que faz ouvir a salvação, que diz a Sião: O teu Deus reina!” (Is 52.7). Quando Deus reinar, haverá paz.

AS OBRAS DA CARNE 
É comum ouvir por aí o quanto a vida é uma guerra. E já que toda guerra é formada por batalhas, podemos dizer que a maior delas é a que se passa dentro de cada um de nós.

“Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque são opostos entre si (...)” Gálatas 5.17 

O Espírito a que o apostolo Paulo se refere é Deus em nós. Mas o que seria essa tal de “carne”? A carne aqui são as atitudes que causam a separação entre nós e Deus; uma mente focada em seus próprios impulsos e desejos e não em praticar o que a Palavra de Deus orienta. Quando a mente não está focada em fazer a vontade de Deus, obviamente ela estará suscetível a pensar em tudo o que é contrário às coisas Divinas, e todos os pensa-mentos que nutrimos, mais cedo ou mais tarde, irão transformar-se em ações (quer você queira ou não). E é aí, com pensamentos totalmente distantes de Deus, que as obras da carne irão manifestar-se.

INIMIZADES 
Do latim vulgar ‘inimicìtas’ - Sentimento duradouro de hostilidade; ódio, aversão, malquerença. É o sentimento que, uma vez estabelecido no coração de alguém, contra outrem, não lhe permite desejar o bem do outro, não lhe permite se alegrar em hipótese alguma com a vitória do outro, faz com que o outro sempre lhe pareça rival, mesmo que não seja... É, também, o sentimento que faz com que a pessoa procure sempre andar na contramão do que a outra pessoa gosta. A Bíblia diz que a amizade com o mundo é inimizade com Deus - Rm 8:7 e Tg 4:4 . Ou seja, quem ama os prazeres mundanos está andando na contramão da vontade de Deus. A inimizade, como sentimento, retratado por Paulo em suas epístolas, parece tratar-se de uma antipatia gratuita, sem causa aparente, desinteligência, falta de compreensão, um mal-entendido. Por exemplo, uma falta de cumprimento pode ser suficiente para desencadear um processo de inimizade. Observe-se que não é que as pessoas se tornam nossas inimigas, na maioria das vezes não temos nenhum inimigo, é a nossa mente quem cria situações que não existem e nós, gratuitamente, elegemos inimigos.

O cristão e a inimizade
Assim que, conforme a definição acima, inimizade significa: Aversão, antipatia, desafeição, sentimento de não gostar de alguém, não amar!

Inimigo é aquele que tem inimizade; é contrário, adversário, oponente.

Ainda podemos dizer que a inimizade, é o sentimento de não gostar de alguém, não amar; ser contrário. Trazendo para o contexto, é não amar, é ser contrário ao próprio irmão!

Infelizmente muitas vezes ouvimos certos irmãos dizerem o seguinte: “Não vou com a cara daquele irmão” ou “Não gosto daquele irmãozinho”.

Quando não gostamos de alguém, sentimos aversão por este alguém e isto é sentimento de inimizade!

Como cristão, fica difícil imaginar não amar aquele pelo qual o nosso Senhor deu a sua vida também!

O nosso inimigo não é o homem, como está escrito em Efésios 6:12 – "A nossa luta não é contra a carne e o sangue !"

"Aquele que diz que está na luz, e odeia a seu irmão, até agora está em trevas.

Aquele que ama a seu irmão está na luz, e nele não há escândalo" (I João 2:9-10).

"- Ah !! mas aquele irmão é muito chato !!!!"

Concordo, sei que existem pessoas que nós não “achamos legais” e que fazem coisas com as quais nós não concordamos, mas amar é uma decisão !! Precisamos decidir amar as pessoas, independente se nós a julgamos merecedoras ou não . O Senhor nos aceita e nos ama mesmo com as nossas falhas e imperfeições, se queremos parecer com Cristo, precisamos decidir amar a todos, pois as inimizades causam muitos problemas ao Corpo de Cristo.

"Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor."

O apóstolo Paulo nos orienta dizendo: “Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento. O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, isso praticai; e o Deus da paz será convosco.” Filipenses 4.8,9

Quando se está em Espírito, rapidamente é detectado qualquer pensamento contrário, que se neutraliza com o uso da fé, sacrificando os desejos que só levam ao sofrimento de uma vida distante de Deus – ainda que em um primeiro momento eles pareçam bons e interessantes. Só assim você irá garantir a permanência no Reino de Deus e futura entrada no Reino dos Céus.//

Pr. Adaylton Conceição de Almeida (Th.B.;Th.M.;Th.D.) 
Ass. de Deus em Santos (Ministério do Belém) - São Paulo.
Email: adayl.alm@hotmail.com
Facebook: adayl manancial
BIBLIOGRAFIA
Adeilson Salles - A paz do mundo e a paz de Deus
Israel Belo de Azevedo A paz como dom do Espírito
Núbia Onara - As ações que lhe deixam fora do Reino de Deu
Sandoval Juliano - Inimizades, Porfias, Emulações e Pelejas
Silvia Alice Botelho – Terceira qualidade do fruto do Espírito: Paz
Valdenira Nunes de Menezes Silva – Sentindo a paz de Deus

sábado, 21 de janeiro de 2017

O CARNAVAL E O PREPARO NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS.

Pode uma festa profana ensinar algo de bom?
Não há duvida alguma que carnaval é uma festa profana, pois segundo a mídia, logo que termina essa festa são publicados fatos desastrosos e lamentáveis. Esses festejos já fazem parte da cultura de muitas nações, pesquisei um pouco para saber a origem dessa festa que perante a Bíblia é uma festa profana sem duvida alguma. Pesquisando encontrei o seguinte: Suas raízes remotas sugiram no dia do deus Dionísio na Grécia Antiga, seguindo para Roma e outras nações. Em Roma e provavelmente nas outras nações comemoravam como dias de Baco (a esmo, libertinagem carnal) Eram mulheres que comemoravam esse tipo de festa, e elas viram que nesses dias tinham uma oportunidade de escaparem da vigilância de seus maridos e assim elas entravam na folia com seus rostos cobertos de pó e assim elas e ficavam a vontade. Porém, não tardou muito para os homens também entrassem nessa folia.
Essa comemoração chegou ao Brasil no século 17, trazida pelos portugueses.  Esses festejos profanos que hoje fazem partes da cultura de diversas nações e com muito mais vulto do que no inicio, eram realizados na pré-festa pelos os que se diziam cristãos realizavam anualmente, hoje ela tomou força e continua sendo realizada na pré-comemoração religiosa, como seja; antes da quaresma comemorada pela igreja Católica Romana.
Não é segredo para ninguém que a libertinagem aumentou e muito nesses festejos e até fora deles, havendo como anuncia a mídia; mortes, traições, brigas, inimizades, profanações sexuais, desastres com vitimas e outros, passando esses dias só restam muitas tristezas, arrependimentos tardios, separações e etc.
Os cristãos tementes a Deus jamais participarão de tal festa. Existem alguns que formam até blocos com o nome de evangélicos apresentando uma desculpa amarela e esfarrapada, dizem eles que vão lá para evangelizar, passaram um ano sem falar de Jesus nem pelo ao menos a uma pessoa, agora nos dias carnavalescos se transformam em evangelistas. Nesses dias de folia quem dará atenção para assuntos religiosos? A meu ver eles querem é sentir o gostinho da libertinagem!
O que levou a escrever esta mensagem foi o seguinte: Estando eu e minha esposa em uma Clinica médica na cidade de Jundiaí, em nossa frente estava uma televisão ligada onde contemplamos pessoas que com todo prazer e com muito esforços estavam entrevistando e preparando um bloco infantil com fantasias e danças para participarem desses dias carnavalescos, essas crianças tinham a meu ver de 4 a 9 anos de idade, e esse trabalho os “professores” faziam com grande entusiasmo. Não duvido que até alguns pais evangélicos dêem a seus filhos fantasias carnavalescas para ficarem “bonitinhos” e tirarem fotos dessa contradição com a fé cristã, ou deixem que os pequenos assistam essas festas que a meu ver são profanas e prejudiciais a vida espiritual de todos, mas principalmente dos pequeninos.
Não nos esqueçamos da advertência deixada por João em 1 João 2:15  “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele”.
UM ALERTA
 Aos pais digo; cuidem bem e ensinem seus santinhos na doutrina bíblica para não se arrependerem mais tarde porque a educação e a formação da personalidade dos pequenos devem iniciar em seus próprios lares. Eles devem ser ensinados a terem um comportamento sadio e estarem reverente durante reuniões familiares e outras, principalmente nas igrejas durante os cultos, esse ensinos devem começar nos lares sabendo que crianças sempre dão trabalho, mas se faz necessário ensiná-las sempre, porque a igreja começa nos lares, primeiro de tudo os pais deverão ensiná-los com exemplo, com amor, nunca querer responsabilizar a igreja ela educação dos pequenos, por isso aconselho-os a não permitirem sob pretexto algum que os pequenos participem de tais festejos nem por brincadeira e ainda mais, não comprem brinquedos que venham a incitá-los a violência o que infelizmente já vemos e muito em nossos meios, pois tem muitos pais acham que isso não tem nada a ver ou (haver) até um dia se arrependerem, mas aí será muito tarde. Comprem brinquedos inofensivos e que tragam até instruções que venham ajudá-los nos períodos escolares. As crianças precisam de hora de lazer e é muito bom se tiverem brinquedos apropriados para o bem estar, Sejam sábios examinem o que a Bíblia diz em Provérbios 22:6 “Instrui o menino no caminho em que deve andar, e, até quando envelhecer, não se desviará dele”. Certos brinquedos podem mais tarde impedir-los de se firmarem em Cristo enveredando por caminhos indesejáveis e veja o que Jesus disse em Lucas 18:16  “Mas Jesus, chamando-as para si, disse: Deixai vir a mim os pequeninos e não os impeçais, porque dos tais é o Reino de Deus”.
No preparo do bloco infantil carnavalesco eles não medem esforços no preparo dos pequeninos levando-os pelo caminho dessa festa mundana. Tomem muito cuidados, pois todo cuidado é pouco por isso sejam prudentes, pois a Bíblia diz que os filhos das trevas são mais prudentes, Lucas 16:8 “E louvou aquele senhor o injusto mordomo por haver procedido prudentemente, porque os filhos deste mundo são mais prudentes na sua geração do que os filhos da luz”.
Se você acha que isso não é nada eu te digo é uma pequena brecha, então medite  em  I Pedro 5:8 “Sede sóbrios, vigiai, porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar”.
Ao pastores e a todos aqueles que trabalham com as crianças na igreja fica também esse alerta; façam tudo para ensinarem as crianças se aproximarem mais e mais de Jesus, pois os versículos acima são um alerta do SENHOR para todos nós.
E o que podemos aprender com essa festa indesejável? Podemos aprender que o mundo batalha denodadamente e com muitos esforços para conduzir os pequenos pelos seus caminhos que não são dos ensinos bíblicos, e os que seguem a doutrina de Cristo devem se esforçar o quanto possível no preparo e na formação, principalmente das crianças, porque os filhos do mundo não perdem tempo não.
Eles se esforçam para prepararem as crianças para essa festa ilusória, o carnaval. Os cristãos devem ensinar e preparar as crianças para se firmarem nos ensinos bíblicos e a firmá-los na fé cristã que será para uma benção para todos, para a própria igreja e principalmente para eles mesmos.
Espero que esta mensagem não seja como um Oasis e possa despertar mais e mais no bom caminho que é um alto caminho como diz em Provérbios 16:17 “O alto caminho dos retos é desviar-se do mal; o que guarda o seu caminho preserva a sua alma”.
Ceia em Cristo e leia a Bíblia. Pr. Ismar V. Malta.
http://pastorismarmalta.com.br/pagina.asp?codigo=292

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

ALEGRIA, FRUTO DO ESPIRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA

Pr. Adaylton de Almeida Conceição
A ALEGRIA NO CRISTÃO

ALEGRIA ou GOZO. (Gr. chara); sensação de alegria baseada no amor, na graça, nas bênçãos, nas promessas e na presença de Deus.

Alegria é uma expressão de contentamento, satisfação.
A alegria do cristão, porém, é muito mais que uma simples sensação, é uma virtude caracterizada pelo bem-estar espiritual. Ela, na verdade, é uma consequência de um reto relacionamento com Deus.

Aquele que recebe as boas novas em seu coração, o evangelho de Cristo, tem em sua alma uma constante alegria, pois tem a certeza de sua salvação, sabe que Jesus está presente em quaisquer circunstâncias da vida, e que é mais do que vencedor em Cristo Jesus porque se Jesus venceu todo o mal, nós com Ele venceremos também todas as batalhas desse mundo.

ALEGRIA COMO IMAGEM E SEMELHANÇA DE DEUS
A narrativa da criação do mundo (Gênesis 1) contém uma frase que se repete ao termino de cada dia: Viu Deus que isso era bom.
A criação do mundo, parte por parte, deu prazer a Deus. No primeiro dia, Ele não olhou para o que restava e se lamentou. Antes, Ele se alegrou no que já tinha feito. Sua atitude é diferente de muitos de nós, pessimistas profissionais, sempre a lamentar o que falta ser feito, como um peso incarregável.
Deus é alegre. Ao relembrar a promessa divina ao seu povo, prestes a entrar na terra prometida, Moisés afirmou: "O Senhor teu Deus te fará prosperar grandemente em todas as obras das tuas mãos, no fruto do teu ventre e no fruto dos teus animais e no fruto do teu solo, porquanto o Senhor tornará a alegrar-se em ti para te fazer bem, como se alegrou em teus pais" (Deuteronômio 30.9).
Onde Deus está, há "honra e majestade", mas também "força e alegria" (1Crônicas 16.27). Na presença dEle, há plenitude de alegria (Salmo 16).
Jesus disse que no céu há alegria quando um pecador se arrepende (Lucas 15.7). O mesmo Jesus informou a motivação a sua pregação: para que seus discípulos (os ontem e os de hoje) "tenham a "minha alegria completa" em si mesmos" (João 17.13).
Essa alegria, é fruto de uma total e firme confiança no Espírito de Deus, é fruto do evangelho de Jesus Cristo dentro de nós que nos faz viver voltados para o que Ele nos ensina em todo o tempo sem permitir que nada e ninguém venha penetrar nesse relacionamento de forma contrária.
Devemos crer em TUDO que a bíblia, a palavra de Deus nos revela para termos um espírito vivo, e permanentemente alegre dentro de nós.

A alegria possui uma fonte em resposta a uma promessa. É companheira da Salvação da pessoa e do corpo de Cristo. Também podemos experimentá-la mesmo em grandes tribulações, vejamos:

1º) A alegria provem de Deus: “o qual, nas gerações passadas, permitiu que todos os povos andassem nos seus próprios caminhos; contudo, não se deixou ficar sem tes-temunho de si mesmo, fazendo o bem, dando-vos do céu chuvas e estações frutíferas, enchendo o vosso coração de fartura e de alegria.” (At 14.16,17)

Há alegria quando estamos na presença de Deus: “Tu me farás ver os caminhos da vida; na tua presença há plenitude de alegria, na tua destra, delícias perpetuamente.” (Sl 16.11)

A alegria é uma promessa de Deus: “Assim também agora vós tendes tristeza; mas outra vez vos verei; o vosso coração se alegrará, e a vossa alegria ninguém poderá tirar.” (Jo 16.22)

A alegria pode ser experimentada mesmo na tribulação:

Amados, não estranheis o fogo ardente que surge no meio de vós, destinados a provar-vos, como se alguma coisa extraordinária vos estivesse acontecendo; pelo contrário, alegrai-vos na medida em que sois co-participantes dos sofrimentos de Cristo, para que também, na revê-lação de sua glória, vos alegreis exultando”(1 Pe 4.12,13).

Vale lembrar que a epístola aos Filipenses, conhecida como epístola da alegria, foi escrita em grande tribulação da parte do apóstolo Paulo que encontrava-se encarcerado em uma prisão. Mesmo assim não vemos um homem desanimado, triste ou decepcionado, muito pelo contrário. O ápice da carta está no capítulo quatro: "Alegrai-vos, sempre, no Senhor; outra vez vos digo alegrai-vos."(Fp 4.4).

INDEPENDE DAS CIRCUNSTANCIAS = SEMPRE;
A alegria é independente das circunstâncias – “Alegrai-vos sempre”. Paulo não está falando de alegria como um teórico. Ele não está hospedado num hotel cinco estrelas em Roma. Ele está preso, algemado, acuado, trazendo no corpo as marcas de Cristo. Ele já havia passado por lutas tremendas, por perseguições atrozes, por açoites humilhantes, por injustiças inumanas, mas a alegria do seu coração estava tremulando no mastro da sua vida.
Ser cristão não é viver numa redoma de vidro. Ser cristão não é ser poupado dos problemas. O que nos diferencia do ímpio não são as circunstâncias, mas o fundamento sobre o qual construímos nossa vida. Jesus falou que a diferença entre o salvo e o perdido não é aparência da casa que cada um constrói, mas o alicerce. Sobre ambas as casas, cai a chuva, sopram os ventos e batem os rios.
A que foi construída sobre a rocha fica firme, a que foi edificada sobre a areia desmorona. Ser cristão é edificar a vida sobre a rocha que é Cristo. Os problemas vêm, mas a alegria não vai embora, porque ela é ultracircunstancial.
QUEM ESTÁ EM CRISTO VIVE ALEGRE
Sim, quem está em Cristo vive alegre. Por quê? A resposta está em Salmos 16.11: “Far-me-ás ver a vereda da vida; na tua presença há fartura de alegrias; à tua mão direita há delícias perpetuamente”. O apóstolo Paulo, quando escrevia a sua magistral carta aos filipenses, certamente estava examinando o pergaminho com essa passagem do livro de Salmos, o que o levou a uma palavra imperativa da parte de Deus: “Regozijai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, regozijai-vos” (Fp 4.4). Nós fomos comprados e remidos pelo sangue de Cristo, não pagamos mais tributos, impostos a Satanás, conforme fazem todos aqueles que estão no mundo acorrentados pelo pecado.
SIGNIFICADO DA INVEJA
Quando vi que tudo ia bem para os orgulhosos e os maus, quase perdi a confiança em Deus porque fiquei com inveja deles” (Sl 73.2-3).

O que é Inveja:
Inveja é o desejo de possuir um bem que pertence ao outro. É um sentimento de inferioridade e de desgosto diante da felicidade do outro. É um sentimento de cobiça da riqueza, do brilho e da prosperidade alheia.
A inveja é o desejo constante que algumas pessoas sentem ao almejar a todo custo as conquis-tas da vida alheia, é desejar o que o outro possui ou realiza.
A inveja está intimamente ligada ao ciúme, no momento que produz desgosto ou tormento ao indivíduo que almeja possuir algo que pertence a outro indivíduo.
Ter inveja indica que não estamos satisfeitos com o que Deus tem nos dado. A Bíblia nos diz que devemos estar satisfeitos com o que temos, pois Deus nunca vai nos deixar ou abandonar (Hebreus 13:5). Para combater o sentimento de inveja, precisamos nos tornar mais como Jesus e menos como nós mesmos. Podemos fazer isso ao estabelecer um relacionamento pessoal com Deus. Podemos conhecê-lO mais através de estudos bíblicos, oração e de ir à igreja. À medida que aprendemos a servir a outras pessoas ao invés de nós mesmos, nossos corações começam a mudar. “Não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus” (Romanos 12:2).

Onde há inveja não há amor. I Coríntios 13:4.

Jesus ensinou que a lei se cumpre em sua totalidade, se amarmos o Senhor nosso Deus com todo nosso coração, toda a nossa força, e toda nossa mente. E amar ao nosso próximo como amamos a nós mesmos (Lucas 10:27). A Bíblia também diz que o amor não inveja. Como eu posso chamar a mim mesmo de filho de Deus, se eu invejo o meu próximo?

A inveja não é passiva; não cruza os braços; não fica parada em momento algum. Ela é ativa, dinâmica e incontrolável. Se não for barrada na nascente, leva o invejoso automaticamente ao crime.
Não foi a inveja de Caim que provocou o primeiro assassinato da história (Gn 4.8)? O livro de Gênesis conta que “Isaque tinha tantas ovelhas e cabras, tanto gado e tantos empregados, que os filisteus acabaram ficando com inveja dele”. A inveja dos vizinhos levou-os a entupir todos os poços dos quais o patriarca se servia para matar a sede do gado e regar a lavoura (Gn 26.14-15). Foi por inveja que os irmãos de José o venderam para ser escravo no Egito (At 7.9).
A diferença entre ciúme e inveja é que o primeiro nos faz ter medo de perder aquilo que possuímos enquanto que a inveja nos provoca tristeza pelo fato de os outros possuírem aquilo que não temos
Por inveja mataram Jesus Mt 27:8.
A inveja faz com que desejemos ter o que não temos, sem fazer o que os outros fizeram para conseguir. Os fariseus queriam o status de Jesus, mas não se dispunham a renunciar suas con-dições de vida. Se admiramos alguém – é diferente de invejarmos- procuremos seguir seu exemplo. Não estou falando de perder a identidade para se tornar o outro, mas procurar agir da melhor maneira, para ser o melhor no que se submeter a fazer. Foi isso que Jesus transmi-tiu aos seus discípulos: “Se alguém quer vir após mim, tome sua cruz e siga-me” . Querem ser meus discípulos? Então façam o que eu lhes digo e o que eu faço.
Por que a inveja surge
A inveja pode ter muitas origens, mas quem mais influencia nesse sentimento negativo para com os demais, é a própria pessoa e sua forma de ver a vida. Geralmente, esta emoção surge devido as frustrações pessoais, a baixa autoestima, ou a dificuldade em alcançar objetivos planejados para a vida. Este sentimento aparece quando as pessoas que estão ao nosso redor têm uma condição de vida um pouco melhor, e essa situação não é bem aceita. A insegurança é outro fator que torna possível o aparecimento deste ressentimento.
A inveja é um sentimento negativo, composta por outros estados emocionais como o rancor, avareza ódio, frustração. Ela nunca poderá ser classificada como um sentimento positivo ou saudável. 

A INVEJA E SUA CONSEQUÊNCIA
Sendo a inveja um ressentimento aninha­do no coração do homem, conclui-se que o invejoso vive em torturas da sua alma, tendo em si a destruição de alguns bons princípios de vida (SI 73.2,3). A condição de vida do invejoso é marcada por reclamações, por expressões de revoltas visíveis no próprio rosto (Gn 4.5; I Rs. 21.4-7).
 É a batalha interna do coração, por não ver seus intentos realizados. A luta continua e outros atos maus vão sendo levados a efeito, até que se consiga o proposto. Os meios usados, sejam quais forem, se justificam pelos fins propostos.
A Bíblia nos apresenta inúmeros exem­plos das consequências causadas pela inveja e os seus integrantes. Eis alguns: a) Abel é assassinado pelo próprio irmão, Caim, que, possuído de inveja, irou-se e, dolosamente, mesmo advertido por Deus (Gn 4.5-8), praticou um crime, tornando-se exem­plo negativo para todas as gerações (Hb 11.4; I Jo 3.12 e Jd 11).
b) Isaque é expulso de Gerar por ter se enriquecido (Gn 26.12-17);
A inveja conduz o ser humano a um miserável estado de vítima, impedindo-o de repa­rar suas próprias deficiências, corrigindo-as e se tornando capaz de conseguir, por meios lícitos, as mesmas condições de vida. O invejoso é governado por diretrizes por ele elaboradas, e não sob as normas divinas, pois de Deus está alienado. Da sua lingua­gem e modo de vida, a prá-tica da Lei Áurea estabelecida por Deus, registrada em Deuteronômio 6.5, Levítico 19.18 e Mateus 22.37-39, não faz parte, pois para ele Deus e o próximo não existem. Mas a pior con-seqüência é a eterna, pois Paulo afirma: "São passíveis de morte os que tais coisas praticam" (v. 32).
CONCLUSÃO: Uma pessoa cheia do Espírito é uma pessoa alegre. A alegria é uma das consequências mais visíveis da plenitude do Espírito Santo em nós. Quem está em Cristo, nova criatura é; assim tudo o relacionado com a velha natureza foi sepultado com a velha vida, incluindo a inveja.///
Pr. Adaylton Conceição de Almeida (Th.B.;Th.M.;Th.D.)
Ass. de Deus em Santos (Ministério do Belém) - São Paulo.
Email: adayl.alm@hotmail.com
Facebook: adayl manancial

BIBLIOGRAFIA
Isabel Belo de Azevedo – Alegria no Espírito
Aldenir Araujo - O que a Bíblia diz sobre a inveja?
Ana Almeida - O fruto do Espírito Santo (alegria)
Isaias Silva de Jesus – A inveja, um grave pecado
Pastor Edson – O fruto do Espírito (Alegria)


ONDE?

 ONDE ESTÀ A VERDADEIRA IGREJA DO SENHOR JESUS CRISTO?
Estamos em um mundo cheio de religiões, como podemos saber onde estará a igreja fiel, a santa noiva de Cristo que está aguardando a vinda gloriosa do Senhor. Hoje existem igrejas para todo gosto, formando assim uma confusão religiosa?  É claro que existem exceções, pois ainda tem muitos que zelam com fidelidade a obra de Deus. Não vamos julgar ninguém, pois não temos esse atributo, vamos somente examinar tudo na luz da Bíblia Sagrada. No final ficaremos sabendo onde está a NOIVA DE CRISTO.
Hoje tem igrejas que se transformaram em um verdadeiro comercio, vendem em seus templos em quase todos os dias de cultos as mais variadas coisas, vejamos, algumas vendem lanches, doces, frango assado, roupas e sapatos usados e talvez até novos, fazendo um verdadeiro brechó. Outras vendem rosas  “ungidas”  óleo para  “unção”  toalhinhas e travesseirinhos milagrosos, água que dizem ser do Rio Jordão e me parece que já tem até sabonete para  “aumentar a espiritualidade” afirmando que geram milagres. Outras ainda forçam os seus adeptos a contribuírem com dízimos e  “tridizimos”  e outros  “izimos” , e ainda dizem quanto mais vocês contribuírem mais bênçãos vocês receberão.(querendo fazer trocas trocas com Deus). Ainda dizem se você estiver pensando em comprar algo não compre, contribua com esse valor na obra e quando você for ao banco você verá que seu saldo bancário aumentou o dobro. Que absurdo! É muito certo que temos que contribuir para a obra de Deus, seja como dízimos, coletas ou votos, mas tem que ser voluntários e não forçados com essas falcatruas. Para curas querem tomar por base o que está escrito em Atos 19:12  “De sorte que até os lenços e aventais se levavam do seu corpo aos enfermos, e as enfermidades fugiam deles, e os espíritos malignos saíam”. Mas será que esses tais vivem ou querem viver como Paulo viveu? Vejam como foi a vida de Paulo, Atos 9:24 e 25 “Mas as suas ciladas vieram ao conhecimento de Saulo; e, como eles guardavam as portas, tanto de dia como de noite, para poderem tirar-lhe a vida, tomando-o de noite os discípulos, o desceram, dentro de um cesto, pelo muro”. Observem agora como vivia Paulo, Filipenses 4:12 “Sei estar abatido e sei também ter abundância; em toda a maneira e em todas as coisas, estou instruído, tanto a ter fartura como a ter fome, tanto a ter abundância como a padecer necessidade”. II Cor. 11, 24 e 27 “Recebi dos judeus cinco quarentenas de açoites menos um; três vezes fui açoitado com varas, uma vez fui apedrejado, três vezes sofri naufrágio, uma noite e um dia passei no abismo; em trabalhos e fadiga, em vigílias, muitas vezes, em fome e sede, em jejum, muitas vezes, em frio e nudez. (Dá para comparar) E o pior é que eles marcam dias e horas para o povo virem buscar seus milagres, mandam até colocarem Deus, na parede como se Jesus fosse subordinado a eles. Isso é o maior dos absurdos.
Vejamos perante a Bíblia diz sobre as igrejas e os milagres, vou deixar que a Bíblia fale e não os pensamentos de homens; Marcos 16:15 a 17 “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado. E estes sinais seguirão aos que crerem: em meu nome, expulsarão demônios; falarão novas línguas”. (neste texto está claro que ao pregar o evangelho os sinais seguirão, mas estão invertendo, pois estão pregando sinais e não o santo evangelho para a salvação do pecador somente bênçãos terrestre e é isso que o povo quer ouvir).
Vejamos a ação de Jesus como diz em Mateus 21:12  “E entrou Jesus no templo de Deus, e expulsou todos os que vendiam e compravam no templo, e derribou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas”. (Jesus não aceitou comercio no templo)
Quanto às vendas dentro dos templos para mim é uma falta de temor de Deus, dizem que é para ajudar a obra, mas se esquecem que Deus é o dono da prata e do ouro e Ele suprirá todas as necessidades sem precisar de comercio, examine o seguinte versículo; Filipenses 4:19 “O meu Deus, segundo as suas riquezas, suprirá todas as vossas necessidades em glória, por Cristo Jesus”. E Ele cumpri Sua Palavra, Jeremias 1:12 “E disse-me o SENHOR: Viste bem; porque eu velo sobre a minha palavra para a cumprir”.
Quanto às vendas das demais coisas não passa de uma imitação de venda de indulgências que se faziam no passado pela idolatria. E elas não passam de heresias, vejam o que diz em 1 Coríntios 11:19 “E até importa que haja entre vós heresias, para que os que são sinceros se manifestem entre vós”. E ainda em 2 Pedro 2:1 “E também houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição”. E hoje está se cumprindo como está escrito em 2 Timóteo 4:3 “Porque virá tempo em que não sofrerão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências”.
Diante dessa miscelânea toda que os homens fazem como saber onde está a Noiva de Cristo a Igreja do Senhor? A Igreja Santa, pura e verdadeira é invisível aos olhos humano e só o SENHOR sabe, porém ela está no meio disso tudo, sofrendo calada orando, suplicando a Deus, examinemos mais alguns versículos, Mateus 24:13 “Mas aquele que perseverar até ao fim será salvo”. (Perseverar onde e como? Perseverar fiel como luz no meio dessas trevas espirituais não se misturando com tais coisas)
E um dia ela a Igreja fiel será revelada, mas para muitos será tarde de mais, Malaquias 3:18  Então, vereis outra vez a diferença entre o justo e o ímpio; entre o que serve a Deus e o que não o serve.
Alegam que digno é o obreiro do seu salário, como diz em 2 “Coríntios 11:8 “Outras igrejas despojei eu para vos servir, recebendo delas salário; e, quando estava presente convosco e tinha necessidade, a ninguém fui pesado”. E ainda em 1 Timóteo 5:18  “Porque diz a Escritura: Não ligarás a boca ao boi que debulha. E: Digno é o obreiro do seu salário”. De fato Paulo diz essas coisas, sim, mas exploração não é salário, faça uma comparação da vida de Paulo com as desses “obreiros”. Que riqueza tinha Paulo, estava preso em casa alugada em Roma, não tinha mansões, carros do ano nem aviões.
Veja o que acontecerá com aqueles que forem exploradores da fé dos incautos, Mateus 7: 21 a 23 “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no Reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele Dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E, em teu nome, não expulsamos demônios? E, em teu nome, não fizemos muitas maravilhas? E, então, lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade.
Verdadeiramente será tarde de mais, mas os fiéis estarão como SENHOR para sempre, Salmos 101:6 “Os meus olhos procurarão os fiéis da terra, para que estejam comigo; o que anda num caminho reto, esse me servirá”.
Em tempo; dirigi igrejas desde 1959 até 2009, sempre trabalhando na mecânica e comercio para a manutenção da família, até me aposentar no INPS por tempo de serviço, nada tenho neste mundo a não ser uma simples casa e um carro VW Gol ano 2009, não sou e nunca fui perfeito, mas estou caminhando no caminho da perfeição e tenho minha consciência tranqüila diante de Deus.
Pr. Ismar Vieira Malta

http://pastorismarmalta.com.br/pagina.asp?codigo=284