terça-feira, 30 de agosto de 2016

"A CEGUEIRA ESPIRITUAL"

Por: C. D. Cole
"Mas, se ainda o nosso evangelho está encoberto, para os que se perdem está encoberto. Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que não lhes resplandeça a Luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus. Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus, o Senhor; nós mesmos somos vossos servos por amor de Jesus. Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a Luz, é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo". 2 Cor. 4:3-6.

De todos os sentidos físicos, suponho que concordamos que o da visão é o de maior valor e o mais precioso. Se tivéssemos que ficar sem um dos cinco sentidos, e pudéssemos escolher sem o qual ficaríamos, desistiríamos de qualquer um dos outros, antes de perdermos a visão. Uma pessoa cega é uma figura patética, andando às apalpadelas, num mundo iluminado de modo tão brilhante pelo sol. O cego encontra-se numa escuridão física e não pode ver os objetos, por mais brilhante que esteja o sol e a despeito de quão claramente estes mesmos objetos possam ser descritos. Ele é a escuridão habitando na luz.

Mas há outro tipo de cegueira que é pior que a física ou corporal. Os versículos acima nos falam da cegueira espiritual, a cegueira da mente, ou incapacidade de ver as coisas espirituais. A visão é normalmente usada na linguagem, tão bem como na Bíblia, como uma metáfora para a mente ou entendimento. Explicamos algo a uma pessoa e depois exclamamos: "Está vendo?" Com isto queremos dizer: "Entende?"

A cegueira espiritual é muito pior em natureza e extensão, do que a física. É triste para o homem não poder ver as belezas naturais, mas é muito mais triste não poder ver as glórias da graça. É ruim não ter olhos para ver o campo com flores e frutos; ou o mar com suas ondas inspiradoras e sem descanso; ou a criação animal com a sua variedade enorme de tamanho, forma e cor; mas é muito pior ser cego ao Evangelho glorioso de Cristo, que é "o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê". A cegueira espiritual é muito mais predominante do que a física. Só alguns poucos habitantes da terra são fisicamente cegos, enquanto que cada homem, em seu estado natural, é cego ao Evangelho de Cristo e as outras verdades espirituais. Spurgeon disse que todos nós, em nosso estado natural, somos tão cegos às verdades divinas quanto morcegos. Paulo disse em Rom. 3:11. "Não há ninguém que entende; não há ninguém que busque a Deus".

A escuridão é um símbolo bíblico para a ignorância e o homem, em sua condição natural, é ignorante das coisas do Espírito Santo de Deus. O Senhor Jesus disse: "Aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus", João 3:3. Ele não pode entender as coisas do reino. O Evangelho pregado por Paulo estava escondido para o perdido, isto é; ele não podia entender nem apreciá-lo. O Evangelho de Cristo é uma luz grande e gloriosa; e a luz da salvação. Ela mostra como o homem pode se tornar justo; aponta o caminho para o céu; mas o perdido não entende. Paulo pregou o Evangelho a todas as classes, para o judeu foi considerado um escândalo (uma história vergonhosa), e para o grego uma loucura. Nenhuma das duas classes o entendeu. Estava escondido porque a mente deles era cega. Paulo orou pela salvação de seus irmãos na carne. Eles tinham zelo de Deus, mas eram ignorantes em como se tornar justos pela fé em Cristo, e tentavam estabelecer sua própria justiça (Rom. 10.1-3). Esta é a condição de todos os que tentam ser salvos por suas próprias obras. Eles estão perdidos! O Evangelho está escondido para eles. São cegos!

SATANÁS É O AUTOR DA CEGUEIRA ESPIRITUAL

No Jardim do Éden, Satanás prometeu a nossos primeiros pais abrir os olhos deles, se fizessem o que dizia. Adão e Eva obedeceram, e seus olhos se abriram ao fato do pecado, mas a mente deles ficou cega em como cobrí-lo. Na ignorância, pensaram que podiam arranjar algo para cobrir sua condição de pecado e vergonha. Pensaram que podiam dar um jeito por terem caído. Falharam e então Deus os vestiu. O homem ainda está tentando consertar, remendar, cobrir e trabalhar, a fim de que Deus se agrade nele e o aceite. O homem natural ainda pensa que pode se vestir com as roupas que ele mesmo faz. Fica dependendo de seus próprios feitos para ser aceito por Deus. Ou então sua mente pode se tornar tão obscurecida que ele pensa que não há Deus a quem irá dar contas. E Satanás, o deus deste século, está por trás de tal pensamento.

A mente do pecador é a fortaleza de Satanás, através da qual ele planeja manter o pecador em sua possessão. Enquanto Satanás tiver a mente do pecador, também terá sua alma. Por que há pecadores não salvos? Será que são maus demais? NÃO, mil vezes NÃO! Cristo morreu pelo injusto, e alguns dos piores homens do mundo já foram salvos. Paulo lembra aos Coríntios que alguns deles tinham sido idólatras, adúlteras, beberrões, ladrões, etc. "Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis; nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteras, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus. E é o que alguns tem sido, mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados, mas haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito do nosso Deus", 1 Coríntios 6:9-11. Nenhum homem é tão mau, que não possa ser salvo. Não há um só pecado em todo catálogo de iniquidade que seja grande demais para que alguém não seja salvo. Também não há pecador velho demais para ser salvo. Nem jovem demais. Qualquer pecador, seja qual for a idade ou cor pode ser salvo. Basta vir a Cristo! Cristo não virará as costas a ninguém que O busque para ser salvo. Então por que as pecadores, nesta terra do Evangelho, ainda estão perdidos? É porque o Evangelho está escondido para eles. Não entendem nem apreciam o Evangelho de um Cristo crucificado e ressuscitado.

A mente humana tem que ser tomada por Deus. O raciocínio do homem bloqueia sua salvação, porque se opõe à verdade de Deus. O pecador tem que se arrepender, isto é; tem que mudar de opinião a respeito do pecado e de como ser salvo dele. Seu raciocínio natural sobre o pecado e a salvação é errado e tem que ser destruído se quiser ser salvo. Paulo foi comissionado para ir aos gentios, "para lhes abrir os olhos e convertê-los das trevas para a luz e da potestade de Satanás para Deus, a fim de que recebam eles a remissão de pecados e herança entre os que são santificados pela fé em mim (Cristo)", Atos 26:18. Em 2 Cor. 10:4 Paulo diz que suas armas não são carnais, mas sim "poderosas em Deus, para destruição das fortalezas". É isto o que significa "Destruindo os conselhos (raciocínios), e toda a altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo o entendimento à obediência de Cristo".

Paulo não empregava métodos mundanos nem carnais em seu ministério. Nem usava truques psicológicos. Ele pregava o que sabia ser ofensivo ao homem natural e dependia do Espírito de Deus para fazer o pecador mudar sua mente, entender o Evangelho e crer nele. É por isto que ele diz que as suas armas eram "poderosas em Deus". Se não fosse pela obra do Espírito Santo em mudar os pensamentos do pecador, o Evangelho nunca seria nem entendido nem crido. O Evangelho oferece a salvação gratuita, mas o homem natural quer trabalhar para ganhá-la. Ele raciocina que deve merecê-la, isto é; que deve se fazer aceitável a Deus; que algo que fizer trará o favor de Deus sobre si mesmo. Todas estas idéias devem ser deixadas de lado, porque são as fortalezas de Satanás, a fim de manter o pecador em seu poder. Tais idéias revelam uma mente distorcida, uma mente que é ignorante da justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo.

O ESPÍRITO SANTO É AUTOR DA VISÃO ESPIRITUAL

O pecador está num estado de trevas, mas há Alguém que pode dar-lhe luz. O pastor não precisa se desesperar por não haver decisões; porque o Evangelho está escondido para o perdido; há Alguém que pode fazê-lo entender. Paulo disse: "Porque Deus, que disse que das trevas repreendesse a luz, e quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo", 2 Cor. 4:6. E aos Efésios ele falou: "Porque noutro tempo éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor; andai como filhos da luz", Ef. 5:8. As pessoas que trabalham nas minas carregam uma lâmpada no capacete; o crente tem uma lâmpada no coração.

A parte do texto agora diante de nós, nos leva de volta a Gênesis 1 onde Deus disse: "Haja luz". A história antiga desta terra corresponde à história espiritual do crente em Cristo. A Bíblia diz que a terra era sem forma e vazia, com trevas pairando sobre a face do abismo. Isto se repetiu na queda do homem. Adão não permaneceu em seu estado de santidade. Como a terra antes dele, o homem tornou-se perdido, uma ruína. Seu entendimento foi obscurecido, e ele foi alienado da vida de Deus.

Lemos também em Gênesis 1:2-3 que "O Espírito de Deus se moveu sobre a face das águas. E disse Deus: Haja luz. E houve luz". Houve primeiro a ação do Espírito e depois a Palavra falada. O mesmo é verdadeiro na conversão humana, que é a obra da nova criação. A luz veio ao pecador através da Palavra aplicada pelo Espírito Santo. O pecado tem obscurecido a mente do homem; todo seu raciocínio com referência às coisas de Deus, sobre Deus, sobre o pecado e salvação. Precisa, portanto, de luz em todas estas coisas. E esta luz que vem do Espírito Santo opera na mente do pecador, fazendo com que ele pense diferente do que antes. Esta mundana de pensamento é muito marcante em minha experiência pessoal. Minhas opiniões presentes sobre o pecado e a salvação são tão diferentes das minhas opiniões anteriores, como o dia é diferente da noite. E esta mudança é o resultado de Deus ter iluminado meu coração com a luz do conhecimento do Evangelho. Para Pedro, quando confessou sua fé em Cristo, foi dito: "Porque não foi carne e sangue quem to revelou, mas meu Pai que está nos céus", Mt. 16.17.

Paulo disse a Timóteo que o servo não deve brigar com aqueles que se opõe a sua mensagem, mas pregar em esperança de que um dia Deus faça com que se arrependem (mudem a mente), levando-os ao conhecimento da verdade para que possam se libertar da armadilha de Satanás. Satanás arruina a mente humana, mas Deus pode restaurá-la. Satanás traz escuridão à alma humana, mas Deus pode brilhar nela e acabar com as trevas.

O homem espiritualmente cego não sabe que está assim. Ele acha que seus pensamentos a respeito do pecado e da salvação são certos. O homem fisicamente cego sente-se feliz em ter um guia, alguém que oleve de um lugar para outro. Mas o cego espiritual zomba de um guia. É por isto que muitos pecadores discutirão ferozmente sobre a questão da salvação, opondo-se à Palavra de Deus. É por isto que os homens argumentarão que devem trabalhar, a fim de ganharem a salvação. No entanto a Palavra de Deus diz que a salvação não é pelas obras. "Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie", Ef. 2:8-9.

Que Deus possa brilhar em alguma alma que se achar em trevas hoje, a fim de que possa ver o caminho de salvação do Evangelho.

"Também vos notifico, irmãos, o Evangelho que já vos tenho anunciado o qual também recebestes, e no qual também permaneceis. Pelo qual também sois salvos se o retiverdes tal como vo-lo tenho anunciado, se não é que crestes em vão. Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras. E que foi sepultado e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras", 1 Cor. 15:1-4.

ESTE É QUE É O EVANGELHO GLORIOSO E VERDADEIRO

Fonte:http://www.palavraprudente.com.br/batistacatanduva/colecegueiraespiritual.html

sábado, 27 de agosto de 2016

O PODER DA EVANGELIZAÇÃO NA FAMILIA

Não existe nada melhor na vida de uma pessoa do que ela entregar sua vida a Jesus e experimentar os efeitos de uma vida regenerada, sendo transformado pelo poder do Espírito Santo. O desejo de que outras pessoas façam o mesmo com suas vidas, deve ser algo permanente em nós. Lembrando que, “evangelizar é anunciar Jesus, deixando os resultados com o Espírito Santo”.
A Igreja ensina que os primeiros mestres são os pais. É com eles que toda criança deve aprender a conhecer a Deus, aprender a orar e dar os primeiros passos na fé; conhecer a Palavra de Deus.
Os pais são educadores naturais, e os filhos assimilam seus ensinamentos sem restrições. É muito mais difícil levar alguém para Deus se isso não for feito, em primeiro lugar, pelos pais. É com o pai e a mãe que a criança tem de ouvir em primeiro lugar o nome de Jesus Cristo, Sua vida, Seus milagres, Seu amor por nós, Sua divindade, Sua doutrina.
Quando fala aos pais sobre a educação dos filhos, São Paulo recomenda: “E vós, pais, não provoqueis à ira os vossos filhos, mas educai-os na disciplina e nas instruções do Senhor” (Ef. 6, 4).
A tarefa dos pais de evangelizar e serem os responsáveis por apresentar aos filhos a fé cristã é uma verdadeira missão, um trabalho árduo, que Deus lhes confia.
Os pais e sua responsabilidade com a evangelização dos filhos
Os pais, os filhos e a educação religiosa. Não é raro observarmos nos dias de hoje pais que dão de tudo que pedem os seus filhos, compram quase tudo o que eles querem. As crianças ficam com excesso de compromissos, fazem aulas de tudo que se pode imaginar, como línguas, pintura, natação, ballet, sapateado etc. Muitas, desde bebês, possuem babás, motoristas, etc. Estudam nas melhores escolas do bairro. Então seus pais levam seus filhos à igreja, na Escola Dominical e pensam: “Ufa! Estou fazendo de tudo por meu filho! A Educação que ele tem na escola é boa, assim como a Educação Religiosa, pois tenho levado ele à igreja. A minha parte eu faço”. Não é bem assim! Não se pode transferir para a escola, para a babá, para o professor da escola ou da Escola Dominical a total responsabilidade da educação de seu filho. É importantíssimo levar os filhos à igreja, mas os pais devem se lembrar que eles são os responsáveis pela educação moral e espiritual dos filhos (Provérbios 22.6).
É fundamental que a orientação espiritual ocorra quando ainda é bebê, embora este não tenha ainda a capacidade de entender de forma plena o que é dito, os sentimentos de seus pais poderão ser passados a ela. A criança que está ouvindo os louvores na igreja, mesmo que não esteja entendendo nada, mas percebe através de seus pais o lado espiritual e a importância do louvor e da adoração a Deus. A criança pequena não aprende valores com discursos, mas com exemplos. Como diz Winnicott: “Tudo começa em casa”. A criança precisa ser levada para a igreja, mas o seu primeiro aprendizado se dá na sua casa, quando se ora para dormir e acordar e nas refeições, quando a sua família fala das bênçãos alcançadas, quando se fala do amor de Deus, quando há culto doméstico.
As famílias são chamadas a ser um lugar privilegiado de encontro com Cristo, dentro dos seus próprios lares: vivendo em comunhão com seus familiares, no amor, no diálogo e na misericórdia divina.
A importância do Culto Doméstico
Através deste princípio bíblico, os pais podem transmitir aos filhos os preceitos divinos a fim de que eles jamais os esqueçam. Em Dt 6.6-7 o Senhor intimou os israelitas a repassar aos seus filhos, com toda a diligência, os princípios da Palavra de Deus: “E estas palavras que hoje te ordeno estarão no teu coração; E as intimarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te”. Observe que a orientação divina é que a Palavra de Deus deve ser ensinada primeiramente “em casa”.
Na Bíblia encontramos vários exemplos de pais que colocaram em prática esta exortação, tais como: Adão que certamente ensinou seus filhos a oferecerem sacrifícios ao Senhor (Gn 4.3,4), Abraão (Gn 18.19), Os pais de Moisés (Hb 11.24-27), Os pais de Gideão (Jz 6.13), Eunice e Lóide (2 Tm 3.15) entre outros que influenciaram na vida espiritual de seus filhos. O que poderia ser melhor do que adorar a Deus e estudar a sua Palavra? Fazer isso em família! O culto doméstico é imprescindível à estabilidade espiritual desta instituição porque é o momento em que todos se reúnem para juntos louvar ao Criador da família e aprender como servi-lo.
LEVANDO O FILHO À IGREJA.
"Alegrei-me quando me disseram: Vamos à casa do Senhor" (Salmo 122:1).
Desde cedo, devemos transmitir a nossos filhos a alegria de irmos à casa de Deus. Assim como o rei Davi disse ... "Alegrei-me quando me disseram: Vamos à casa do Senhor", do mesmo modo devo demonstrar alegria a meus filhos quando eu estiver indo à igreja louvar, glorificar ao Senhor e aprender dEle.
Um testemunho de vida fala mais alto do que mil palavras. Não que as palavras usadas sabiamente não sejam importantes, mas se eu fico feliz quando vou à igreja e o meu filho, desde pequenino, vê isto em minha vida, com certeza ele crescerá gostando de ir á casa do Senhor.
Leve seu filho para a igreja porque é lá onde ele aprenderá o caminho que o levará ao céu. Invista nele! Coloque-o em clubes bíblicos. Anime-o para ir para os acampamentos de jovens, churrascos com os irmãos da igreja, jogos, encontros na praia ... Não seja um empecilho no caminho do crescimento espiritual de seu filho! Seja uma incentivadora e você verá que seu filho seguirá o Senhor com alegria em seu coração! Seja fiel levando-o à igreja e você verá seu filho conhecendo e aceitando o Senhor Jesus em sua vida.
COMO FAZER SE UM DOS CONJUGUES É INCRÉDULO?
Ser casado com um incrédulo pode ser um dos desafios mais difíceis na vida de um Cristão. O casamento é um contrato sagrado que une duas pessoas em uma só carne (Mateus 19:5). Pode ser muito difícil que um cristão e seu cônjuge incrédulo vivam em harmonia (2 Coríntios 6:14-15). Se uma pessoa se torna um Cristão depois do casamento, as dificuldades inerentes que surgem por viver sob duas autoridades diferentes se tornam bem aparentes.
Como ganhar o seu marido para Jesus?
Como lemos em II Co 6.14, sabemos que Deus não aprova o jugo desigual, mas isso se aplica a casais que ainda estão se conhecendo e, muitas vezes, uma pessoa se converte depois do casamento. Então o que fazer? Ai você se pergunta se deve se separar, afinal de contas seu esposo não é cristão não compartilha a mesma crença que você, ai vem os problemas: você quer ir a igreja e ele acha que você vai a igreja demais e está o deixando de lado. É normal o homem pensar isso, porque antes o seu tempo era totalmente dedicado a ele. Mesmo você sendo uma maravilhosa esposa, ele sempre vai ter um pouco de ciúmes. Não desanimes, (e a menos que ele seja um marido violento ou tenha práticas intoleráveis por Deus) não se separe, porque I Co 7.13-14 diz: "E se alguma mulher tem marido incrédulo, e este consente em viver com ela, não se divorcie dele. Porque o marido incrédulo é santificado por causa da mulher, e a mulher incrédula é santificada por causa do marido crente. De outro modo, os vossos filhos seriam impuros; mas agora são santos."
Vocês são uma só carne, sem falar que você tem forte influencia sobre o seu cônjuge. Ou seja, você é santa, portanto seu marido e seus filhos são santificados através da sua vida.
Então como ganha-lo pra Jesus?
A resposta para essa pergunta está na Bíblia. Em I Pe 3.1-2, diz: "Mulheres, do mesmo modo, cada uma de vós seja submissa ao marido, para que também, se algum deles não obedecerem a palavra, sejam ganhos sem palavra alguma pela conduta de sua mulher, ao observarem vossa conduta pura em temor."
A Bíblia diz que a mulher sábia ganha o marido pelo bom comportamento, sem palavras (I Pe 3.1). Não importa como é o seu marido, a mulher sábia tem uma atitude que atrai o seu marido, que desperta a sua curiosidade. Ela não age apoiada em seu temperamento nem retribui segundo a ofensa. A mulher sábia entrega ao Senhor todos os seus sentimentos e assim pode agir com aquele amor sacrificial, o mesmo amor com que fomos amadas pelo nosso Senhor Jesus. Não há mensagem evangelística mais poderosa que esta! A mensagem na prática. Aquele amor “não fingido que aborrece o mal e apega-se ao bem”, ensinado pelo apóstolo Paulo em Romanos 12.9.
PARA EVANGELIZAR SEUS PARENTES
Ore intensamente e regularmente por eles – Tiago 5:16ª - “As pessoas podem resistir nossas palavras, mas são totalmente vulneráveis às nossas orações”. Clame pela misericórdia de Deus para com esta vida, peça para que Deus preserve esta vida, que pessoas comprometidas com Deus sejam estrategicamente colocadas em seu caminho e usadas com sabedoria em sua vida, peça para que Deus quebre as resistências emocionais e espirituais neste coração.
DÊ UM BOM TESTEMUNHO – Mateus 5:13
A maior parte dos filhos de cristãos que hoje estão afastados de igrejas, é em virtude da contradição entre o que seus pais criam e o que eles viviam em suas casas. Na igreja um santo, em casa um demônio. Às vezes não é necessário abrir a boca (I Pedro 3:1,2) sua vida terá dito o suficiente para que sua família queira conhecer o Deus a quem você serve.
APROVEITE AS OPORTUNIDADES COM SABEDORIA – Tiago 1:5
Na medida do possível tenha uma boa convivência com seus familiares, convide-os para visitar sua casa, visite a casa deles. Faça algumas programações juntos, jogue bola, vá ao cinema, etc.
Sempre haverá momentos em nossa família em que uma palavra dita a seu tempo e uma atitude amorosa farão muita diferença (Provérbios 12:18). Há momentos na vida em que as pessoas estão mais abertas, sensíveis, com menos resistências. Se disponha a ser uma benção nas mãos de Deus em favor de sua família. Nestas horas, faça-se presente, para orar com eles, simplesmente abraçá-los, ajudá-los a verem o amor de Jesus através de sua vida, Jesus disse certa vez: “Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus”. (Mateus 5:16). ///
Pr. Adaylton Conceição de Almeida (Th.B.;Th.M.;Th.D.)

Ass. de Deus em Santos (Ministério do Belém) - São Paulo.
Email: adayl.alm@hotmail.com
Facebook: adayl manancial

BIBLIOGRAFIA
José Dos Reis – A escola dominical e a responsabilidade dos pais
Jasiel Marques – O culto domestico
Valdenira Nunes de Menezes Silva – Alegrei-me quando me dissera vamos à casa do Senhor.
Fausto Brasil - Como evangelizar seus familiares.
Stephanie da Silva C. Ferreira - Como ganhar o seu marido para Jesus?
Vanessa Fonseca - Intenção pela Evangelização: Os pais de família
Adriana Fonte - Marido não crente

Valquíria Salinas Goulart - Os pais, os filhos e a educação religiosa

sábado, 20 de agosto de 2016

A EVANGELIZAÇAO DAS CRIANÇAS

Salmo 78.1-8 nos mostra a importância de compartilhar à nova geração os feitos do Senhor. “O que temos ouvido e aprendido, e nossos pais nos têm contado não os encobriremos aos seus filhos, contaremos às gerações vindouras sobre os louvores do Senhor, seu poder e as maravilhas que tem feito. Porque ele estabeleceu um testemunho em Jacó e instituiu uma lei em Israel, ordenando aos nossos pais que os ensinassem a seus filhos; para que a futura geração os conhecesse, para que os filhos que nasceriam se levantassem e os contassem a seus filhos, a fim de que pusessem sua confiança em Deus e não se esquecessem das suas obras, mas guardassem seus mandamentos; e que não fossem como seus pais, geração teimosa e rebelde, geração inconstante, cujo espírito não foi fiel para com Deus.”
Negligenciar essa verdade é um grande perigo ao evangelho, pois basta que uma geração deixe de anunciar aos mais novos as verdades bíblicas para que toda uma geração se perca longe de Cristo. Somos responsáveis por anunciar Jesus a todas as crianças brasileiras. O foco da evangelização é anunciar Jesus às crianças onde elas estão, seja nos lares, escolas, instituições sociais, hospitais, zonas rurais ou urbanas, regiões ribeirinhas, tribos indígenas, regiões assoladas pelo crack, levando-as a um aprofundamento bíblico por meio de um relacionamento intencional, agregando-as ao Corpo de Cristo e caminhando com ela constantemente, ensinando a guardar todas as coisas que o Senhor mandou. A continuidade deste processo levará cada criança alcançada a um aperfeiçoamento cristão. Geralmente, quando se ouve falar em evangelização, a primeira coisa que nos ocorre é ganhar a mocidade e os adultos para Cristo. As vezes as crianças ficam esquecidas.
A CRIANÇA É PECADORA E PODE PERDER-SE
A Bíblia manda evangelizar as crianças
"Ide... pregai o evangelho a toda criatura. (Marcos 16:15). A criança, também é uma criatura.. "Deixai vir a mim os pequeninos" disse Jesus. (Marcos 10:14). "Apascenta os meus cordeiros". (João 21:15). Não é da vontade de Deus que uma criança se perca. (Mateus 18:14). a) A Bíblia manda ensinar as doutrinas fundamentais às crianças. As crianças do Velho Testamento deveriam conhecer o significado da Páscoa (Êxodo 12:26,27). b) "Desde o menor" deve ouvir os mandamentos de Deus (II Reis 23:2; II Crônicas 20:13; Deut. 6:7; 31:12,13; Efésios 6:4). Tanto em casa com os pais, como na congregação do povo de Deus, as criança devem ser doutrinadas na lei de Deus. c) As crianças estiveram presentes em sessões de arrependimento em Israel (Esdras 10:1)d) A nova geração deve receber o pleno conhecimento do poder e das obras maravilhosas do Senhor, para que não se torne uma geração dura e rebelde ( Salmo 78:1-8).
BASE BÍBLICA PARA EVANGELIZAÇÃO DAS CRIANÇAS
  1. TODO SER HUMANO é alvo do amor de Deus “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho Único para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” João 3.16.
  2. O SER HUMANO É PECADOR, INCLUSIVE AS CRIANÇAS “Eis que eu nasci em iniquidade...” (Sl 51.5) “Porque todos pecaram...” (Romanos 3.23).
  3. O SER HUMANO É PECADOR, INCLUSIVE AS CRIANÇAS “Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porquanto todos pecaram.” (Romanos 5.12).
  4. TODOS PRECISAM SABER DO PLANO DE SALVAÇÃO “Ide e pregai o evangelho a TODA criatura.” Marcos 16.15 AS CRIANÇAS ESTÃO INCLUÍDAS!
Assim, sendo é necessário e urgente que cada igreja entenda que precisa evangelizar também as crianças 85% dos cristãos receberam a Cristo entre os 4 e os 14 anos de idade
Da mesma forma que o adulto acriança tem necessidades espirituais. A motivação para a evangelização da criança deve ser o nosso amor a Deus e a nossa visão de que a criança é um ser especial.
AS CRIANÇAS DO BRASIL
As estatísticas indicam que a maior parte da população do Brasil é constituída de jovens e crianças. As estatísticas também mostram que a maior parte dos marginais tem menos de 25 anos.
Tais informações devem chamar a nossa atenção. Alguma coisa está deixando de ser feita. Certamente, a maior parte desses jovens não teve a felicidade de encontrar alguém que os orientasse a respeito do verdadeiro Deus e da importância de temer a Ele quando ainda crianças. Hoje estão entregues a toda sorte de maus costumes, vícios, etc., causando sérios problemas à sociedade e até mesmo às au­toridades, que veem o número de dependentes químicos aumentarem dia a dia, paralelamente ao aumento do tráfico de drogas.
Eis aí um vasto campo para o ganhador de almas. Que a sua preocupação não fique voltada tão-somente para os adultos. O valor das almas é o mesmo, tanto para os adultos como para as crianças.
QUANDO COMEÇAR A EVANGELIZAR A CRIANÇA?
Evangelizadores, pais, cuidadores, normalmente apresentam dificuldades relacionadas à idade correta de iniciar a evangelização. Para Hyde Flávia, coordenadora Nacional do Ministério para Crianças, Querigma, não existe uma idade correta para começar a evangelização. Ao dizer o sim, o casal diz sim ao plano de Amor de Deus, um reino de paz, alegria, fidelidade, e bondade. Momento em que oramos por esta família, pedindo a Deus que manifeste seu Amor “livrando-nos de todos os males” e que “venha a nós o vosso Reino”, assim sendo, estamos preparando um terreno fértil onde Deus poderá plantar muito amor.
Para evangelizar a criança é preciso levar em conta seu desenvolvimento. “O Desenvolvimento Emocional e Espiritual da Criança”. De um modo geral, para todas as fases é preciso amor nas atitudes, paciência para acompanhar o desenvolvimento, aceitação da criança e compreensão de sua posição frente ao evangelizador e aos demais, a si mesma e a Deus. A criança precisa do amor e da verdade que Deus ensina a você evangelizador. Este recurso é fundamental para que não as empeçais de chegar a Ele.
Claramente a Bíblia nos mostra que uma criança pode se salvar
Crianças foram incluídas entre os "santos" de Éfeso (Ef. 1:1 com 6:1)2. Jesus falou "destes pequeninos que creem em mim" (Mateus 18:6) (O menino que Jesus pôs no meio dos discípulos foi uma criança pequena, (Marcos 9:36), onde lemos que Jesus tomou-a em seus braços. Até que idade normalmente uma criança é tomada nos braços? ) 3. O adulto precisa se tornar como uma criança para se salvar tornando evidente que acriança está na idade ideal para tomar sua decisão ao lado de Cristo. (Mateus 18:3)
A Bíblia prova que uma criança é pecadora e pode se perder
Todos nascem no pecado e são possuidores de uma natureza pecaminosa (Salmo51:5; Romanos 5:12)2. O coração do homem é mau desde a meninice (Salmo 58:3)3. O fato de Jesus declarar que não é da vontade do Pai que uma criança se perca indica que ela está em perigo, (Mateus 18:14)
COMO EVANGELIZAR AS CRIANÇAS
Evangelização de crianças na Escola Dominical
Através da escola dominical a criança tem mais condições de aprender a Palavra de Deus.
Desde os dias de Moisés, lemos a respeito de reuniões nas quais o povo, inclusive as crianças, devia comparecer para ou­vir os ensinamentos sagrados (Dt 31,12,13; Ne 8.1-13; 12.43).
Ensinar crianças é uma das tarefas mais gratificantes porque elas: não têm malícia (1Co 14.20); ouvem com atenção os ensinos ministrados; têm uma simplicidade incomum; são humildes; jamais esquecem os ensinos; são curiosas e aprendem fazendo perguntas; aprendem imitando. E uma das características das crian­ças. Portanto, bons exemplos serão imitados; “saltarão de prazer” na presença de Deus (Lc 1.41).

Como falar com as crianças
Use uma linguagem acessível a suas mentes.
Utilize figuras bíblicas para obter melhores resultados no ensino.
Desperte o interesse delas pela aula através das histórias bíblicas.
Faça perguntas com o objetivo de enfatizar o ensino.
O ensino deve ser “regado” com oração e preparo bíblico.

Como levar crianças à escola dominical
As crianças salvas e frequentadoras assíduas da escola dominical poderão fazer um grande trabalho nesse sentido, convidando as crianças não-crentes a virem à igreja também.
Os pais devem esforçar-se para trazê-las à igreja (Dt 6.6,7). O templo é o lugar do ensino e da bênção. Jesus, ainda pequeno, foi levado por seus pais ao Templo (Lc 2.27), para com Ele procederem de acordo com a Lei. Quando menino, também foi levado ao Templo nos dias da Festa da Páscoa (Lc 2.42).

Como podemos discipular as crianças?
É necessário que nós preparemos as crianças para a vida cristã. O discipulado não é um processo imediato, instantâneo. Ele exige dedicação, exige tempo. E, para isto, nós precisamos de alvos muito claros em nossa tarefa. Nós não podemos realizar alguma coisa se não sabemos o queremos realizar. Podemos destacar alguns alvos amplos nesta área:
Ensinar o conhecimento geral da Bíblia. Precisamos treinar as crianças a terem um conhecimento geral das Escrituras, tal como, saber os livros da Bíblia na ordem em que eles se encontram; ser capazes de encontrar os textos principais das Escrituras, como o Salmo do Bom Pastor, o relato da criação e do dilúvio, os dez mandamentos, onde está o relato de Jesus falando com Nicodemos, ou onde encontrar o fruto do Espírito, e o capítulo do amor. Isto pode ser parte do culto familiar e/ou do currículo da igreja.
Ensinar as doutrinas básicas às nossas crianças, através de perguntas e resposta. É interessante notar que Dt 6.20-25 destaca este método de ensino.
CONCLUSÃO
Nosso trabalho, então, tem como principal tarefa empregar métodos que venham a nutrir a fé pessoal da criança, a fim de que ela compreenda sua realidade diante de Deus, seja confrontada com a seriedade do pecado e entenda a necessidade de entregar a vida a Jesus, respondendo positivamente a Ele. Isso vai além do que cotidianamente temos visto no trabalho eclesiástico com crianças.
Se queremos um país diferente, se almejamos ter uma igreja relevante daqui a 10 anos, precisamos considerar seriamente a evangelização de crianças. Mais do que nunca necessitamos de pessoas que entendam que é tempo de levantar uma nova geração que ame a Jesus e esteja comprometida em transformar o Brasil e o mundo testemunhando d'Ele.//
Pr. Adaylton Conceição de Almeida (Th.B.;Th.M.;Th.D.)
Ass. de Deus em Santos (Ministério do Belém) - São Paulo.
Email: adayl.alm@hotmail.com
Facebook: adayl manancial


BIBLIOGRAFIA