sábado, 23 de janeiro de 2016

ESTEJA ALERTA E VIGILANTE, JESUS VOLTARÁ

A PROMESSA DA SUA VINDA
Cristo virá, esse é um dos pilares da fé cristã, mas sua volta precisa ser compreendida em dois contextos distintos. Ele virá para arrebatar Sua igreja, como prometeu em Jo. 14.1. O ensino do arrebatamento foi revelado mais precisamente a Paulo que instruiu a igreja a esse respeito (I Co. 15.52; I Ts. 4.13-17). Ao longo dos evangelhos, Jesus fala de seu retorno, mas, a maioria das passagens, se refere à Sua volta gloriosa, quando virá para Israel, estabelecer Seu trono (Mt. 24). O texto de At. 1.11 tem essa duplicidade, pois permite, ao mesmo tempo, que a igreja considere a volta de Cristo, para arrebatá-la, e, também, o estabelecimento do reino milenial de Cristo (Ap. 19.11-21).
(...) Varões galileus, por que estais olhando para o Céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no Céu, há de vir assim como para o Céu o vistes ir”(At 1:11).
A Ascensão visível de Cristo ao Céu é um fato, e é evidência de sua volta no futuro (At 1:10,11). No Evangelho segundo escreveu Lucas é descrito esse fato da seguinte forma: "Então, os levou para Betânia e, erguendo as mãos, os abençoou. Aconteceu que, enquanto os abençoava, ia-se retirando deles, sendo elevado para o Céu" (Lc 24:50-51 ARA). O Livro de Atos o descreve da seguinte forma: “Ditas estas palavras, foi Jesus elevado às alturas, à vista deles, e uma nuvem o encobriu dos seus olhos. E, estando eles com os olhos fitos no céu, enquanto Jesus subia, eis que dois varões vestidos de branco se puseram ao lado deles e lhes disseram: Varões galileus, por que estais olhando para as alturas? Esse Jesus que dentre vós foi assunto ao céu virá do modo como o vistes subir" (Atos 1:9-11 ARA). Aqui, o elemento novo é a afirmação sobre a volta visível de Jesus em glória.
Em relação a igreja, esse retorno de Cristo é denominada de bendita ou boa esperança (I Ts. 2.16; Tt. 2.13). A esperança do arrebatamento sempre foi uma doutrina ensinada nos púlpitos das nossas igrejas, mas passado o ano 2000, e agora, uma década depois, alguns cristãos não mais falam a respeito. A secularização da igreja também tem contribuído significativamente para que essa doutrina deixe de ser exposta. Alguns estão demasiadamente conformados com este século, deixaram de orar “Maranatah”, ora vem Senhor Jesus, há quem prefira que ele demore, não querem perder as oportunidades que a temporalidade oferece.
O que a Palavra de Deus tem a nos dizer nessa questão?
O apóstolo Paulo escreveu em 1 Tessalonicenses 4.13-5.4: “Não queremos, porém, irmãos, que sejais ignorantes com respeito aos que dormem, para não vos entristecerdes como os demais, que não têm esperança. Pois, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também Deus, mediante Jesus, trará, em sua companhia, os que dormem. Ora, ainda vos declaramos, por palavra do Senhor, isto: nós, os vi-vos, os que ficarmos até à vinda do Senhor, de modo algum precederemos os que dormem. Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor. Consolai-vos, pois, uns aos outros com estas palavras. Irmãos, relativamente aos tempos e às épocas, não há necessidade de que eu vos escreva; pois vós mesmos estais inteirados com precisão de que o Dia do Senhor vem como ladrão de noite. Quando andarem dizendo: Paz e segurança, eis que lhes sobrevirá repentina destruição, como vêm as dores de parto à que está para dar à luz; e de nenhum modo escaparão. Mas vós, irmãos, não estais em trevas, para que esse Dia como ladrão vos apanhe de surpresa”.
A VINDA DE JESUS SERÁ REPENTINA
Dizem que a rainha da Inglaterra fez uma visita de surpresa a uma escola e encontrou a professora e os alunos em desordem... Ao final, disse: “voltarei!”
É tão certa como foi a sua primeira vinda (as profecias bíblicas sobre o nascimento, morte, ressurreição e ascensão de Jesus se cumpriram literalmente no tempo determinado por Deus).
A Bíblia é a inerrante, e a infalível Palavra do Deus que não pode mentir, e ela certifica que Jesus vai voltar. Nela está registrado essas palavras de Jesus:
(...) pois vou preparar-vos lugar. E, se eu for e vos preparar lugar, virei outra vez e vos levarei para mim mesmo, para que, onde eu estiver estejais vós também" (João 14:1-3). Ele também disse:"Certamente cedo venho." (Apoc. 22:20).
Bíblia diz que será numa época em que as pessoas estarão duvidando da segunda vinda (será como nos dias de Noé, as pessoas não acreditaram que viria o dilúvio e continuaram co-mendo, bebendo, casando e nem se importaram com o aviso de Deus)
Perguntaram para João Wesley: “O que você gostaria de estar fazendo quando Cristo voltar? Ele respondeu: O que faço todos os dias”.
O dia do Senhor não deveria ser um dia de pavor para os seguidores de Jesus. Nosso Rei voltará para acertar todas as coisas e para governar eternamente. Esperamos por este mo-mento com grande expectativa. Esta é nossa “bendita esperança” (Tito 2,13).
Está profetizado que, quanto mais nos aproximarmos do fim dos tempos, mais as pessoas perderão a esperança de que a volta de Jesus pode acontecer. É um evento que temos a nossa frente e pelo qual devemos esperar a qualquer momento. Mas a verdade continua imutável, quer as pessoas a defendam ou não.
Fé e vigilância
A fé é um dos pilares fundamentais da estrutura espiritual do cristão (1 Co 13:13). Ela só cresce e é fortificada à medida que o crente amadurece espiritualmente, e isto acontece quando mantemos plena comunhão com Deus e, devocionalmente, estudamos a Palavra de Deus.
Quanto à vigilância é uma atitude fundamental para quem deseja morar eternamente com o Senhor. Jesus exortou os discípulos a serem vigilantes. Ele afirmou: “vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor” (Mt 24:42). Por isso, devemos ter uma conduta ilibada em nosso viver diário, para não sermos pegue de surpresa na volta do Senhor. Veja o que diz o texto sagrado: “Por isso, estai vós apercebidos também; porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis” (Mt 24:44). “Para que, vindo de improviso, não vos ache dormindo” (Mc 13:36). “Não durmamos, pois, como os demais, mas vigiemos, e sejamos sóbrios”(1Tes 5:6).
Jesus ensinou a Parábola das dez virgens (Mt 25:1-13) para mostrar o que significa estar vigilante e pronto para o seu retorno. As “virgens prudentes”, que estavam vigilantes, representam os crentes fiéis, que esperam a volta de Jesus em santidade e cheios do Espírito Santo. As “virgens loucas” representam os crentes não salvos, aqueles que abraçaram o Evangelho como se fosse uma religião. Aqueles que mudaram de religião, mas que não mudaram de vida. Estão na Igreja, são batizados nas águas, são parecidos com os verdadeiros crentes, mas, não têm o Espírito Santo, não têm “azeite”. Elas estavam descuidadas e negligentes, por isso não participaram da festa das Bodas quando o Noivo chegou à meia-noite.
Encontramos em o Novo Testamento termos técnicos na língua grega que descrevem a manifestação de Cristo em suas distintas fases futuras: Arrebatamento e Parousia e cada uma delas exemplificada com passagens bíblicas:
a. Optomai (aparecer). “Assim também Cristo, oferecendo-se uma vez para tirar os pe-cados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação”. Hebreus 9:28
b. Ercomai (vir). “E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também”. João 14:3
Jesus virá, essa é a tônica máxima das Escrituras.
Muitas passagens bíblicas nos ensinam que devemos estar sempre preparados para a volta do Senhor. Leiamos apenas estes versículos:
“…a nossa salvação está, agora, mais perto do que quando no princípio cremos” (Rm 13,11).
Perto está o Senhor” (Fp 4,5).
Porque, ainda dentro de pouco tempo, aquele que vem virá e não tardará” (Hb 10,37).
“…pois a vinda do Senhor está próxima” (Tg 5,8).

Todos esses versículos parecem ter sido escritos para despertar em nós a convicção de que a vinda do Senhor Jesus é iminente. É um evento que temos a nossa frente e pelo qual devemos esperar. Nessa espera devemos ser diligentes na obra do Senhor e realizar fielmente nosso trabalho como mordomos seus.

ATITUDES ERRÔNEAS DIANTE DA VINDA DE JESUS
Ignorar a vinda de Jesus. Certa feita, ao ensinar a respeito do seu retorno, Jesus contou uma parábola sobre um servo fiel e prudente e um mau servo (Mt 24:45-51). Essa parábola se refere à volta visível de Cristo para a Terra como Messias-Rei. Mas o princípio aplica-se de igual modo ao Arrebatamento. Jesus mostra que um servo manifesta seu verdadeiro caráter pelo seu comportamento enquanto espera a volta do Senhor.
O que caracteriza o mau servo é a certeza de que “o senhor tarde viria” e, por causa disto, passa a espancar os conservos, a comer e a beber com os temulentos, isto é, com pessoas que se embriagam, que não têm uma conduta aprovada diante de Deus, ou seja, que se mistura com os pecadores, com os desregrados e os dominados com os vícios. O pecado é o fator que nos distancia de Deus (Is.59:2), é o elemento que impedirá que muitos crentes sejam arrebata-dos naquele dia (Mt 24:12).
COMO FOI NOS DIAS DE NOÉ
Qual era o pecado dos dias de Noé? A qual situação Cristo nos alerta?
Por certo as pessoas antediluvianas faziam coisas bem usuais. Seu dia a dia era repleto das atividades que hoje nós também fazemos. Buscar o sustento e comer, após períodos de trabalho relaxar e festejar, buscar relacionamentos casar-se e dar-se em casamentos. Tudo o que procuramos hoje, mesmo que a roupagem moderna seja diferente. Como disse o sábio "nada há de novo sob o sol" (Ec 1:9b).
Mas, se o comportamento humano basicamente é o mesmo, para o que nos alerta Jesus? Qual o pecado?
O dilúvio veio a toda uma geração de seres humanos porque "viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra, e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era má continuamente." (Gn 6:5).
Pois assim como foi nos dias de Noé, também será a vinda do Filho do homem. (Mt 24:37) Nos dias de Noé, as pessoas comiam e bebiam, casavam-se e davam-se em casamento, quando, repentinamente, veio o dilúvio. Quando Noé entrou na arca, o dilúvio começou e todos foram levados. Comer e beber, casar-se e dar-se em casamento são coisas legitimas. Não há nada de errado nisso, mas essas coisas não podem tornar-se o objetivo da vida. Se você faz do comer e beber, casar-se e dar-se em casamento o alvo da sua vida, então algo está errado, e muito errado.
Estes são os dias de Noé. O que o Senhor quer dizer quando usa esta expressão “comendo e bebendo, casando-se e dando-se em casamento”? Ele quer dizer que as pessoas eram muito materialistas, muito ocupadas com as coisas do mundo e que elas não tinham qualquer interesse em coisas espirituais. Elas não pensavam a respeito do bem estar de suas almas. Elas eram completamente terrenas e mundanas, quando repentinamente, Deus disse a Noé: “Entra na arca”.
O grande pecado dos antediluvianos foi desconsiderar a Deus. Desprezar progressiva e cabalmente ao seu criador e mantenedor. Se inflaram em seus próprios conhecimentos, em seu desenvolvimento tecnológico, em sua suposta liberdade, em seu suposto livre-arbítrio para decidir o que é certo e o que é errado.
O que vemos hoje no mundo? Somos mais de 7 bilhões de pessoas no planeta. Para os que gostam de números somos cerca de 2 bilhões de cristãos. Alguns se contentam com isso e crêem que a fé cristã está crescendo. Algumas estimativas apontam para mais de 36.000 denominações cristãs no planeta, das mais esdrúxulas às mais conservadoras. O que isso quer dizer?
Como no tempo de Noé, onde apenas uma família foi salva pela graça divina, e como no tempo de Elias, época de apostasia massiva, havia 7.000 pessoas fiéis, os números de hoje não deveriam nos impressionar muito. Igrejas lotadas e a mera confissão de que Jesus é o Senhor sem um viver que corresponde ao discipulado aos pés da cruz apenas tornam-se miragens no cenário da fé cristã. Números que enchem estatísticas, mas não tem significado real nem prático.
COMO NOS DIAS DE LÓ
"Como também da mesma maneira aconteceu nos dias de Ló: Comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam; mas no dia em que Ló saiu de Sodoma choveu do céu fogo e enxofre, e os consumiu a todos. assim será no dia em que o Filho do homem se há de manifestar." (Lucas 17:28-30).

A maior parte do que acabamos de listar não é pecado. Mas quando o Altíssimo é excluído e quando a salvação em Jesus é rejeitada, quando o homem é movido apenas pelo que é temporal, então tudo isso passa a ser um sinal dos tempos finais.
Deixe-nos em paz” foi a reação do povo daquela época, e é o que se ouve também hoje.

“Deixem-me em paz com esse assunto de apocalipse”, “Vocês são muito catastrofistas!”, “Vocês só querem atrapalhar a minha vida”, “Vocês são fanáticos religiosos”, “Vocês são tão negativos, os desmancha-prazeres da sociedade”.

A conexão estreita entre a história de Noé e a história de Ló. Portanto, os tempos finais são muito semelhantes tanto ao tempo de Noé como ao tempo de Ló.
A despreocupação das pessoas daquela época com as coisas espirituais. “Eis que esta foi a iniqüidade de Sodoma, tua irmã; soberba, fartura de pão e próspera tranqüilidade...” (Ez 16.49). A vida social girava unicamente em torno das coisas da vida terrena. O centro era o bem-estar e o conforto de cada um. Em palavras de hoje, diríamos que as preocupações são o clima, a alimentação, vitaminas, saúde, dicas para viver bem, conselhos sobre finanças, etc. A preocupação daquela época eram as coisas seculares, não as celestiais; as temporais, não as eternas; as mundanas, não as espirituais.

A não ser que tenha se ausentado nos últimos quarenta anos, em alguma viagem para outro planeta, você deve estar ciente que o movimento homossexual "saiu do armário" de uma forma bem intensa, como um temível tsunami. Os tribunais tomaram muitas decisões que deram legitimidade aos casais de homossexuais e de lésbicas, as escolas públicas adotaram currículos favoráveis ao estilo de vida homossexual, que estão agora sendo ensinados nos níveis mais básicos da escola primária, e os próprios homossexuais se tornaram mais baru-lhentos ao exigir seus direitos. Inclusive em algumas igrejas ditas cristãs.
Entretanto, a Bíblia diz que as coisas ficarão muito piores. O fraseado da profecia é claro:
"Como também da mesma maneira aconteceu nos dias de Ló...".

Penso que tanto Noé como Ló não apontavam acusadoramente para sua geração nem sentiam satisfação ou desejo de vingança, mas comunicaram de forma convicta e amorosa a mensa-gem de Deus às pessoas ao seu redor, falando do juízo que se aproximava: Noé, seu nome significa “pregador da justiça” (2 Pe 2.5) e não “pregador da vingança”.
Ló sentia-se “afligido pelo procedimento libertino daqueles insubordinados”. Ele atormentava a sua alma justa. Implorava que seus contemporâneos se voltassem para Deus (2 Pe 2.7-8; Gn 19.14).

Para o cristão, o Arrebatamento será um evento bem recebido, mas para todos os outros, será um momento de grande tribulação. Imagine sendo deixado para trás enquanto milhões de cristãos em todo o mundo de repente desaparecem sem explicação. Temos sido suficien-temente advertidos pela Bíblia e pelo testemunho do próprio Filho de Deus para estarmos preparados. Devemos estar vigilantes e protegidos pela armadura de Deus (Efésios 6:13-18).
O grande evangelista R. A. Torrey declarou: “A iminente volta do nosso Senhor é o grande argumento da Bíblia em favor de uma vida pura, abnegada, consagrada, afastada do mundo e ativa no serviço para Ele. Em muitas das nossas pregações instamos com as pessoas para que elas vivam uma vida santa e trabalhem diligentemente, porque a morte pode nos surpreender rapidamente, mas a Bíblia não argumenta dessa forma. Ela sempre diz apenas: Cristo voltará; estejam preparados para quando ele vier.
Estejamos alerta e vigilante, Jesus voltará, ou melhor, “está voltando”. /// FIM

Pr. Dr. Adaylton Conceição de Almeida (Th.B.;Th.M.;Th.D.;D.Hu.)
(O Pr. Dr. Adaylton de Almeida Conceição foi Missionário no Amazonas e por mais de 20 anos exerceu seu ministério na Republica Argentina, é Bacharel, Mestre e Doutor em Teologia, Escritor, Professor Universitário, Jornalista Profissional, Pós graduado em Ciências Políticas, membro da Academia de Letras Machado de Assis de Brasília, Diretor da Faculdade Teológica Manancial).
Blog: www.adayltonalm.spaceblog.com.br
Facebook: Adayl Manancial
Email: adayl.alm@hotmail.com

BIBLIOGRAFIA
Adaylton de Almeida Conceição – Escatologia Bíblica – Ed Manancial
Adaylton de Almeida Conceição - A ascensão de Jesus e a Promessa de sua vinda
Luciano de Paula Lourenço - Esperando a Volta de Jesus –
Norbert Lieth - Já estamos vivendo nos dias de Noé e de Ló.
Pe. Inácio José do Vale - A volta de Jesus é um evento que temos a nossa frente e pelo qual devemos esperar.
Severino Pedro da Silva - Escatologia – Doutrina das Últimas Coisas –CPAD).
Stephen Kaung – Como foi nos dias de Noé

Walter Pacheco da Silveira – A segunda vinda de Cristo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço e será um prazer receber seu comentário que depois de aprovado será publicado.