quinta-feira, 14 de maio de 2015

A VINDA DE CRISTO NÃO VAI ACONTECER AGORA

Os servos de Deus que já eram adultos nas décadas de 70 e 80 do século passado certamente se recordam de um grande avivamento que ocorreu em praticamente todas as igrejas, relacionado com a Segunda Vinda de Cristo.

Muitos hinos foram compostos e entoados por toda a nossa grande nação.

Os púlpitos foram maravilhosamente inundados com inspiradas mensagens sobre esse relevante tema.

Livros foram escritos e espalhados em grande quantidade, tanto por autores nativos quanto de outros países.

Foi um tempo de grande fervor e expectação.

Não estou procurando ser saudosista. Estou apenas recordando uma fase áurea na vida da Igreja brasileira.

Passados os anos, os ânimos foram sendo reduzidos e a explosão de mensagens, livros e hinos foi dando lugar a outros temas, de sorte que atualmente pouco se fala, pouco se canta e muito pouco se ouve sobre o próximo retorno de Cristo a este mundo.

Em alguns Congressos tem sido dada preferência a temas ocos e vazios, ao invés de uma abordagem fervorosa sobre a vinda do Cordeiro.

Creio que os líderes da Igreja do Senhor deveriam estar mais conscientes da iminência da volta de Cristo e deveriam, de diferentes maneiras, tornar isso público ao Povo de Deus.

Existem várias razões para isto.

Entendemos pelas Escrituras que os tempos que antecederão a volta do Salvador serão marcados por acontecimentos surpreendentes, tradicionalmente chamados de sinais dos tempos ou, mais precisamente, de sinais da volta de Cristo.

Precisamos voltar a meditar nas profecias, pois elas são abundantes em ambos os Testamentos da Sagrada Escritura.

Muitos pensavam que o tempo das perseguições aos fiéis seguidores de Cristo havia ficado para trás, mas na verdade esse método de violência e crueldade recrudesceu de modo alarmante.

O líder da I.C.A.R. acaba de reconhecer publicamente o Estado Palestino.

Mais um terremoto de proporções gigantescas acaba de acontecer, desta feita no Nepal.

A vida de luxúria e permissividade, o sepultamento dos valores morais e éticos que foram preservados por séculos e a abominável onda de perversão sexual certamente nos constrangem a pensar um pouco no seu significado escatológico.

Muitos acham que Mt 24.42 é o texto-áureo do Sermão Profético, a grande mensagem de Cristo sobre os tempos e os fatos que deveriam preceder seu retorno a este mundo.

Desde 1948 a figueira profética tem brotado e o que acontece em Israel sempre tem a ver com o relógio profético das Escrituras.

A avassaladora onda de preocupação com o bem-estar material e principalmente com a prosperidade fácil, totalitária, mirabolante e miraculosa tem afastado milhões de servos de Deus do centro da revelação bíblica, que preconiza dias difíceis para o tempo do fim.

Os pregadores deveriam voltar a ministrar sobre a bem-aventurada esperança e o aparecimento em glória do Senhor Jesus.

Quem sabe, os compositores sacros deveriam oferecer novas opções aos milhares de cantores que superlotam nossas igrejas e nossas reuniões. Por exemplo, seria lindo ouvir mais hinos sobre a Cruz, a Morte, a Ressurreição e a Volta do Amado das nossas almas!

Isto ajudaria mais as pessoas do que simplesmente cantar vitórias sem oração e sucesso sem devoção.

Deveríamos ouvir menos hinos sobre vingança dos nossos inimigos e mais sobre o grande dever de evangelizar os perdidos.

Cantar não é uma questão de ibope, e sim de obediência aos princípios bíblicos.

Teremos que esperar mais tsunamis, para poder despertar?

Teremos que esperar o esfacelamento final da família brasileira, para crer que é preciso cuidar dos nossos lares e levar nossos filhos, de volta, ao altar sagrado da dedicação e da consagração ao único Deus verdadeiro?

Por quanto tempo mais teremos de acompanhar o descalabro atual, quando emissoras de TV de propriedade de cristãos se tornaram agentes destruidores de nossa juventude, com programas deletérios, em uma escala descendente de apostasia e torpor espiritual?

Por quanto tempo mais parlamentares cristãos se deixarão contaminar pela lama que se espalha nos gabinetes palacianos e se calarão diante de leis aviltantes e perversas, contra a Pessoa, a Palavra e a Igreja do Senhor Deus?

Por quanto tempo mais a evangelização do Mundo será esquecida das agendas dos grandes eventos da Noiva de Cristo?

O homem moderno conquistou a Lua, mas está perdendo de vez os princípios da Honra, da Fé e da Moral.

Milhões estão fitando apenas o rosto do livro (facebook) quando deveriam estar contemplando o faceGod (rosto de Deus).

A única voz que pode reagir parece estar rouca e cansada.

Chega de fantasias. Basta de entretenimento. Já se fez shows em demasia. Já se brincou muito de religião. Já se pôs muito dinheiro no lixo. Já se perdeu muito terreno. Já se andou muito para trás.

Como Israel, já se deu muitas voltas ao redor da mesma montanha. Já se cantou muito para ninguém.

Nossos dias são como os dias de Noé. Talvez palavras como estas se percam em meio ao grande alvoroço e, como antigamente, não se perceba que Noé já está dentro da Arca, visto que já vai começar a chover.

Nossos dias são como os dias de Ló. Talvez muitos desprezem este aviso, mas não custa nada dizer que Ló já está sendo pressionado pelos anjos a deixar a cidade do pecado.

Nossos dias precedem o Grande Dia do Senhor.

É tempo de vigiar, pois Jesus virá brevemente.

É tempo de orar, pois Jesus virá brevemente.

É tempo de santidade, pois Jesus virá brevemente.

Muitos e muitos estão dizendo que a vinda de Cristo não vai acontecer agora, mas os que têm o Espírito de Cristo sabem que ela está muito próxima.

A porta está para se fechar. O som do toque da trombeta está bem perto de ser ouvido. A voz do Arcanjo está muito próxima de ser ouvida.

Vigiemos, pois, e aguardemos o Senhor.
Pr Geziel Gomes

Fonte: https://www.facebook.com/geziel.gomes/posts/702696446522653

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço e será um prazer receber seu comentário que depois de aprovado será publicado.