sábado, 13 de setembro de 2014

A PALAVRA PROFÉTICA E SUA AÇÃO NA VIDA DA IGREJA

Texto Bíblico: 2 Tm 3; 2 Tm 4.2-4


Introdução: Constantemente muitas pessoas comentam comigo: “Rev Dionildo, certas coisas dentro da Igreja me parecem tão confusas... esse dom de profecia me parece algo assustador... tem sempre alguém falando só do diabo, de acidentes, de trabalhos de macumba, de laços, de mistérios; há sempre alguém entregando visões esquisitas, deturpadas, há sempre um sentimento de culpa, de fracasso, de impossibilidade; há uns gritos estranhos e alguns movimentos de corpo e dança que parecem demonstrar que aquelas pessoas estão possessas por espíritos imundos”. Como saber o que Deus está falando à igreja?”Geralmente fico constrangido em responder, uma vez que tenho que falar a verdade. Ao longo do meu ministério, tenho visto satanás usar homens e mulheres para confundir, entristecer e envergonhar os servos de Deus; e vi, também, homens e mulheres falarem de si mesmos usando o nome de Deus, movidos por suas frustrações, ignorância e falta de temor. Mas mesmo assim tenho visto, também, Deus usar homens e mulheres para a Sua glória. Vivemos um período sem precedentes na história do Cristianismo, de pessoas insanas e desequilibradas dentro das Igrejas se dizendo profetas. Mas gostaria de ressaltar que quem vive a vontade de Deus em obediência e verdade, deve aceitar (e entender) que não cabe à profecia dar a direção para a vida cotidiana de cada um e tampouco guiar a vida evangelística da Igreja. A Profecia verdadeira sempre confirma a Palavra de Deus.

I.             A NECESSIDADE DO DISCERNIMENTO DE ESPÍRITOS

Precisamos decidir: somos capazes de aceitar a direção plena de Deus ou precisamos ouvir uma voz profética, cada vez que nossos interesses estão em conflitos? A chave para o discernimento profético é: estamos preparados para um compromisso mais profundo com Deus e uns com os outros ou nossa fragilidade humana continua a nos encher de preocupação com relação à vida material e com relação ao futuro?Uma vez que desejamos a direção profética na vida da igreja e estamos prontos para ouvir e fazer o que Deus fala, somos guiados pelo Espírito Santo. Enquanto estivermos apegados às próprias idéias, posição, métodos, estruturas e prioridades erradas, não há como ocorrer a mudança necessária na vida.

Toda pessoa que não tem compromisso com a Palavra de Deus vive correndo atrás de profecia; são pessoas espiritualmente doentes, psicologicamente perturbadas. O único clamor deve ser para que Deus fale, este clamor deve ser acompanhado de um desejo sincero por fazer a vontade do Senhor. Não adianta profetizar palavras agradáveis e menos ainda palavras de lisonja. Sendo assim, quem profetiza em seu próprio nome ou fala por demônios não pode ter lugar na Igreja. O falso profeta ou o profeta que não tem testemunho ou caráter é uma séria ameaça ao crescimento sadio da Igreja. O falso profeta ou aquele que prega mentiras é um instrumento de satanás, 2 Co 11.13-15

II. A AUTORIDADE PROFÉTICA
·     Há uma autoridade espiritual dada por Deus para exercício do ministério profético, Dessa forma é preciso reconhecer a esfera de autoridade de um profeta, à medida que Deus confirme a vocação profética. Com obediência e verdade, o profeta fala em nome do Senhor. Assim, sua atitude de humildade, sua mansidão e compaixão, juntos com a autoridade dada por Deus, confirmam a autenticidade da sua chamada. Sendo de Deus, as palavras do profeta se cumprirão se tornarão acontecimento na vida física, uma vez que JÁ É REALIDADE NO MUNDO ESPIRITUAL. Que ele profetize para edificação, exortação e consolação para o crente individualmente e para a Igreja. Assim ordena a Bíblia.

·  Quando a palavra profética procede de Deus e é obedecida, há uma mudança visível nas vidas. Acima de tudo, ela traz o senso da presença real de Deus. As pessoas se tornam conscientes do sobrenatural de Deus e vêem Deus respondendo e falando em situações reais da vida da Igreja. A profecia na Igreja leva o povo de Deus a ter uma significativa e marcante experiência com o Deus vivo. O clamor e a oração do povo a Deus não mais serão seguidos de atitudes emocionais e passageiras. Quando Deus fala, inicia-se um diálogo com indivíduos e com a Igreja, dando perspectiva e dirigindo à ação. A vida na igreja passa a ser uma aventura diária e sobrenatural com Deus, Ef 1.

·  Em termos espirituais, um homem vê na proporção que Deus o permite. Um profeta que vê e anseia pelo cumprimento final daquilo que Deus revelou, verá as coisas como realmente são, e o que fazer para levá-las à consumação. Portanto, um profeta transmite à igreja um senso de propósito, do propósito de Deus. Por causa dessas afirmações é quenão podemos aceitar as profecias “de fundo de quintal” nem ouvir os “profetas de aluguel”, sempre prontos a misturar a ficção dos filmes de terror com as suas profecias ininteligíveis e confusas.A profecia quando é de Deus nos traz à memória que cada dia que avançamos na fé torna a peregrinação mais perto do alvo; que problemas e obstáculos são superados e que as vitórias serão conquistadas.  O Profeta de Deus precisa ter o caráter de Cristo.

·  A voz de Deus é constantemente ouvida, colocando todas as coisas no contexto certo, e dirigindo o que fazer. Não que Deus explique todas as coisas (longe disto – Ele não deve satisfação a ninguém e se explica algo, Ele o faz por Seu amor). No entanto, Deus nos dá a segurança, pois está acima de tudo, no controle de tudo e acima Dele não há ninguém. Portanto, cabe aqui algumas perguntas com relação ao ministério profético na Igreja: “Você deseja de todo o seu coração ouvir sobre os propósitos de Deus e ser comandado e dirigido por ele? Você deseja fazer a vontade do Senhor e aguardar a Sua ação? Ou seu interesse é meramente teórico? Você é apenas um curioso?”

· Que os falsos crentes, falsos profetas, falsos pastores ministrem nas Igrejas e cativem milhares de pessoas com o espírito de engano e a operação do erro, não podemos evitar, a Palavra de Deus nos avisa sobre isso. Mas aqueles que realmente querem conhecer a Deus devem se apresentar diante do Senhor, receber a palavra e ter o discernimento dos desígnios de Deus. Jesus é Senhor, e isto é real para nós. Ele exige as prerrogativas de Seu Senhorio em nossas vidas. Somos chamados a abandonar todas as outras coisas para ouvi-lo e obedecê-lo. A autoridade profética está fundamentada na incondicional obediência aliada a uma vida de santidade: o verdadeiro profeta só pode falar em nome do Senhor.

II.            A VERDADEIRA PROFECIA DECLARA O PROPÓSITO DE DEUS 
·  Somente Deus pode plantar a semente de Sua palavra no coração de tal forma que esta se torne uma expressão de sua revelação à igreja hoje. Vamos considerar que: A Profecia é uma revelação, isto é, um desvendar de olhos. Isto implica que algo real, mas anteriormente escondido, se torna visível. A profecia tira um véu para que a realidade espiritual possa ser vista. Sem a palavra profética o homem está cego. Ele não consegue ver Deus nem a vontade de Deus, e nem o propósito e alvo de Deus. Ele não consegue sequer ver seu próximo passo claramente. A palavra profética é nossa lâmpada, iluminando para levar-nos à consumação (II Pe 1:19). Ainda que alguém se levante e fale, o que foi dito está especificado anteriormente na Palavra de Deus. Fora da Palavra não há revelação.

· A Profecia encarna o imperativo de Deus. Declara o que deve acontecer (Ap: 1). A profecia não somente prediz, mas é uma declaração do firme propósito de Deus. O caminho para a realização deste propósito é real. O imperativo de Deus encoraja a igreja em tempos difíceis e reanima o povo de Deus à ação para trabalhar junto com Deus rumo ao objetivo. A Palavra de Deus é testemunha de Jesus (Ap 1:2; 19:10).

·  No contexto do capítulo 19 de Apocalipse temos o testemunho dado a respeito de Jesus. É claro também que os termos “palavra de Deus”, “profecia” e “espírito da profecia” são usados alternadamente. Jesus é o autor da verdadeira profecia. Por meio dela a cabeça se expressa ao corpo. Através dela seu Espírito é difundido por toda sua igreja. E toda profecia verdadeira dá testemunho de Jesus em seu senhorio e glória.

· A profecia deve ser ouvida e obedecida (Ap: 3). Embora a palavra de Deus encarne seu poder, e desta forma seja capaz de se tornar um acontecimento, por outro lado ela não é mágica. O ouvinte deve ser receptivo. Deve ouvir cuidadosamente. Deve corresponder de todo o coração. Deve agir com obediência. Deve prosseguir fielmente. Deus determinou agir de comum acordo com seu povo. Mas não se deve confundir profecia com agouro, com adivinhação, com a busca desesperado pelo futuro. Quem profetiza, faz ouvir a voz de Deus.

·  É a correspondência do povo de Deus que apressará vinda do Senhor (II Pe 3:12). Como o testemunho de Jesus, a função principal da profecia é revelá-lo e declará-lo. Ele é revelado em seu esplendor. Ele é mostrado em seu poder. Ele é visto como aquele que morreu e ressuscitou em vitória. Ele é desvendado em seu relacionamento com a igreja. Se Jesus não é visto e obedecido como Senhor, e conhecido e vivenciado como aquele que ama e perdoa nada mais tem sentido. Muito menos em um grupo sem propósito que se reúne em nome de Deus para falar coisas boas e fazer previsões descabidas para o futuro em nome do Senhor

·  A profecia traz a realidade da ação do Espírito Santo na igreja. As igrejas não podem crescer ou funcionar sem a palavra profética. O povo de Deus deve constantemente ouvir o que o Espírito está dizendo às igrejas “(Ap 2,3). Ouvir diariamente o que Deus está falando e agir diariamente segundo sua direção evitam o erro. Enquanto tantas coisas no mundo e na experiência cristã parecem negá-lo, a profecia revela o trono de Deus (Ap 4,5). Ele é visto exaltado sobre todas as coisas.

·   A palavra de Deus dá acesso ao reino invisível. A profecia revela forças e princípios que estão por trás dos acontecimentos na terra. Pela palavra profética o céu se abre. Da perspectiva do trono de Deus todas as coisas parecem diferentes. Os acontecimentos banais, cotidianos, e também os grandes, espetaculares e sensacionais, tomam um aspecto diferente. O imperativo da vontade de Deus é visto como algo supremo.

Conclusão: O ministério profético exige coragem, discernimento e amor. É um dom de Deus à Igreja. Apesar de termos rigor no uso desse maravilhoso dom, não devemos nos esquecer que a profecia, por excelência, é a Palavra de Deus. O profeta deve falar de acordo com o Livro Sagrado. Fiquemos com a Bíblia sempre porque Ela não falha jamais.
Fonte: http://www.revdionildodantas.com/2012/03/palavra-profetica-e-sua-acao-na-vida-da.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço e será um prazer receber seu comentário que depois de aprovado será publicado.