sábado, 23 de novembro de 2013

Lição 2 - Vem O Fim, O Fim Vem - A Apostasia Dos Últimos Tempos

Texto Áureo:  TU, porém, fala o que convém à sã doutrina. (Tt 2.1)
 
Verdade Prática: Somente uma Igreja alicerçada na bíblia sagrada poderá opor-se à apostasia que ameaça o rebanho de nosso Senhor JESUS CRISTO
 
Leitura Diária:
Segunda: Jr 8.5 A apostasia desvia o povo de DEUS
Jeremias 5 = 3 Ah! SENHOR, não atentam os teus olhos para a verdade? Feriste-os, e não lhes doeu; consumiste-os,  e não quiseram receber a correção; endureceram as suas faces mais do que uma rocha; não quiseram  voltar.
 Jeremias 9 = 6 A tua habitação está no meio do engano; pelo engano recusam conhecer-me, diz o SENHOR.
Jeremias continua a expressar a sua angústia por causa do povo rebelde de Deus e da sua recusa em arrepender-se e assim escapar da destruição que se aproxima. Queria chorar, mas sua dor era profunda demais para ele verter lágrimas. Exclamações de angústia, declarações de culpa e advertências sobre o castigo inevitável do povo estão por todo este capítulo
 
Terça: 2Ts 2.3 A apostasia tem sua origem no Diabo
SEM QUE ANTES... Paulo explica os eventos que assinalarão o início do Dia do Senhor, e passa a considerar a destruição do "homem do pecado" e dos ímpios no fim desta era. A seqüência dos eventos será assim: (1) No decurso de toda a época da igreja, um "mistério da injustiça" (v. 7) está em ação, o que nos faz lembrar que o fim está chegando; o mal se tornará cada vez mais desenfreado à medida que a história chega ao fim. (2) À medida que o "mistério da injustiça" predomina, a apostasia na igreja atingirá proporções cada vez maiores (v. 3; cf. Mt 24.12; 2 Tm 4.3,4). (3) O detentor, i.e., o que restringe o "mistério da injustiça", é então tirado do meio (vv. 6,7). (4) Em seguida, manifesta-se "o homem do pecado" (vv. 3,4,7,9,10). (5) A apostasia chega ao auge, na sua rebelião total contra  Deus e sua Palavra; Deus envia uma influência enganadora sobre aqueles que não amam a verdade (vv. 9-11). (6) Mais tarde, "o homem do pecado" é destruído com todos aqueles que tiveram prazer na iniqüidade (v. 12). Isso ocorre à vinda de Cristo, depois da tribulação, i.e., no fim desta era (v. 8; Ap 19.20,21).
 
Quarta: 1Tm 4.1 A apostasia marcará os últimos tempos
APOSTATARÃO ALGUNS DA FÉ. O Espírito Santo revelou explicitamente que haverá, nos últimos tempos, uma rebeldia organizada contra a fé pessoal em Jesus Cristo e da verdade bíblica (cf. 2 Ts 2.3; Jd 3,4). (1) Aparecerão na igreja pastores de grande capacidade e poderosamente ungidos por Deus. Alguns realizarão grandes coisas por Deus, e pregarão a verdade do evangelho de modo eficaz, mas se afastarão da fé e paulatinamente se voltarão para espíritos enganadores e falsas doutrinas. Por causa da unção e do zelo por Deus que tinham antes, desviarão a muitas pessoas. (2) Muitos crentes se desviarão da fé porque deixarão de amar a verdade (2 Ts 2.10) e de resistir às tendências pecaminosas dos últimos dias (cf. Mt 24.5,10-12; ver 2 Tm 3.2,3). Por isso, o evangelho liberal dos ministros e educadores modernistas encontrará pouca resistência em muitas igrejas (4.1; 2 Tm 3.5; 4.3; ver 2 Co 11.13). (3) A popularidade dos ensinos antibíblicos vem sobretudo pela ação de Satanás, conduzindo suas hostes numa oposição cerrada à obra de Deus. A segunda vinda de Cristo será precedida de uma maior atividade de satanismo, espiritismo, ocultismo, possessão e engano demoníacos, no mundo e na igreja (Ef 6.11,12). (4) A proteção do crente contra tais enganos e ilusões consiste na lealdade total a Deus e à sua Palavra inspirada, e a conscientização de que homens de grandes dons e unção espirituais podem enganar-se, e enganar os outros com sua mistura de verdade e falsidade. Essa conscientização deve estar aliada a um desejo sincero do crente praticar a vontade de Deus (Jo 7.17) e de andar na justiça e no temor de Deus (Sl 25.4,5,12-15). (5) Os crentes fiéis não devem pensar que pelo fato da apostasia predominar dentro do cristianismo nesses últimos dias, não poderá ocorrer reavivamento autêntico, nem que o evangelismo segundo o padrão do NT não será bem-sucedido. Deus prometeu que nos "últimos dias" salvará todos quantos invocarem o seu nome e que se separarem dessa geração perversa, e que Ele derramará sobre eles o seu Espírito Santo (At 2.16-21,33,38-40; 3.19)
 
Quinta: Jd 4
Gálatas 2 4 E isso por causa dos falsos irmãos que se tinham entremetido e secretamente entraram a espiar a nossa liberdade que temos em Cristo Jesus, para nos porem em servidão;
 2 Pedro 2 1 E também houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição.
 Romanos 9 21 Ou não tem o oleiro poder sobre o barro, para da mesma massa fazer um vaso para honra e outro para desonra?
22 E que direis se Deus, querendo mostrar a sua ira e dar a conhecer o seu poder, suportou com muita paciência os vasos da ira, preparados para perdição,
 
Sexta: 2Tm 4.3 A apostasia não suporta a sã doutrina
Porque virá tempo em que não sofrerão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si 8doutores conforme as suas próprias concupiscências;
 
 NÃO SOFRERÃO A SÃ DOUTRINA. No decurso da história da igreja sempre houve aqueles que não amam a sã doutrina. À medida que o fim se aproxima, a situação nesse sentido tornar-se-á pior (cf. 3.1-5; 1 Tm 4.1). (1) "Não sofrerão a sã doutrina" (v. 3). Muitos professarão ser cristãos, freqüentarão as igrejas e mostrarão que servem a Deus, mas não aceitarão a fé apostólica original do NT, nem as exigências bíblicas ordenando que o crente separe-se da injustiça (3.5; cf. Rm 1.16). (2) "Desviarão os ouvidos da verdade" (v. 4). A autêntica pregação bíblica de um homem de Deus não mais será aceita por muitas igrejas. Os desviados da verdade desejarão sermões que apresentem um evangelho menos exigente (cf. 2.18; 3.7,8; 1 Tm 6.5; Tt 1.14). Já não aceitarão trechos da Palavra de Deus que tratam de arrependimento, pecado, perdição, necessidade da santidade e de separação do mundo (cf. 3.15-17; Jr 5.31; Ez 33.32). (3) "Amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências" (v. 3). Esses falsos crentes não quererão pastores segundo os padrões da Palavra de Deus (cf. 1.13,14; 1 Tm 3.1-10), mas buscarão os que toleram seus desejos egoístas e mundanos. Escolherão pregadores com dons de oratória, com a habilidade de divertir o povo e com uma mensagem que lhes assegure que é possível ser crente e continuar vivendo segundo a carne (cf. Rm 8.4-13; 2 Pe 2). (4) O Espírito Santo adverte todos que permanecem fiéis a Deus e se submetem à sua Palavra, que lhes aguardam perseguição e sofrimento, por amor à justiça (3.10-12; Mt 5.10-12). Além disso, devem separar-se das pessoas, das igrejas e das instituições que negam o poder de Deus para a salvação, e que pregam um evangelho modificado (3.5; ver Gl 1.9; 1 Tm 4.1,2; 2 Pe 2.1; Jd 3; Ap 2.24). Devemos sempre ser leais ao evangelho do NT e aos fiéis ministros de Deus que o proclamam. Assim, poderemos ter certeza de estreita comunhão com Cristo (Ap 3.20-22) e de tempos de refrigério pela presença do Senhor (At 3.19,20)
 
Sábado: 1Tm 1.9,10 A apostasia é condenável
Ocorrerá a “apostasia” (gr. apostasia), que literalmente significa “desvio’’, “afastamento’’, “abandono’’ (2.3). Nos últimos dias, um grande número de pessoas da igreja apartar-se-á da verdade bíblica.

(a) Tanto o apóstolo Paulo quanto Cristo revelam um quadro difícil da condição de grande parte da igreja — moral, espiritual e doutrinariamente — à medida que a era presente chega ao seu fim (cf. Mt 24.5, 10-13, 24; 1Tm 4.1; 2Tm 4.3,4). Paulo, principalmente, ressalta que nos últimos dias elementos ímpios ingressarão nas igrejas em geral.
(b) Essa “apostasia” dentro da igreja terá duas dimensões. (i) A apostasia teológica, que é o desvio de parte ou totalidade dos ensinos de Cristo e dos apóstolos, ou a rejeição deles (1Tm 4.1; 2 Tm 4.3). Os falsos dirigentes apresentarão uma salvação fácil e uma graça divina sem valor, desprezando as exigências de Cristo quanto ao arrependimento, à separação da imoralidade, e à lealdade a Deus e seus padrões (2Pe 2.1-3,12-19). Os falsos evangelhos, voltados a interesses humanos, necessidades e alvos egoístas, gozarão de popularidade). (ii) A apostasia moral, que é o abandono da comunhão salvífica com Cristo e o envolvimento com o pecado e a imoralidade. Esses apóstatas poderão até anunciar a sã doutrina bíblica, e mesmo assim nada terem com os padrões morais de Deus (Is 29.13; Mt 23.25-28). Muitas igrejas permitirão quase tudo  para terem muitos membros, dinheiro, sucesso e prestígio (ver 1Tm 4.1). O evangelho da cruz, com o desafio de sofrer por Cristo (Fp 1.29), de renunciar todo pecado (Rm 8.13), de sacrificar-se pelo reino de Deus e de renunciar a si mesmo será algo raro (Mt 24.12; 2Tm 3.1-5; 4.3).
(c) Tanto a história da igreja, como a apostasia predita para os últimos dias, advertem a todo crente a não pressupor que o progresso do reino de Deus é infalível na sua continuidade, no decurso de todas as épocas e até o fim. Em determinado momento da história da igreja, a rebelião contra Deus e sua Palavra assumirá proporções espantosas. No dia do Senhor, cairá a ira de Deus contra os que rejeitarem a sua verdade (1Ts 5.2-9).
 
Leitura Bíblica Em Classe: 2Tm 3.1-9
1 SABE, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. 2 Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, 3 Sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, 4 Traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de DEUS, 5 Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te. 6 Porque deste número são os que se introduzem pelas casas, e levam cativas mulheres néscias carregadas de pecados, levadas de várias concupiscências; 7 Que aprendem sempre, e nunca podem chegar ao conhecimento da verdade. 8 E, como Janes e Jambres resistiram a Moisés, assim também estes resistem à verdade, sendo homens corruptos de entendimento e réprobos quanto à fé. 9 Não irão, porém, avante; porque a todos será manifesto o seu desvario, como também o foi o daqueles.
 
3.1 NOS ÚLTIMOS DIAS... TEMPOS TRABALHOSOS. Os últimos dias incluem a era cristã na sua totalidade. Paulo, porém, profetiza pelo Espírito Santo (cf. 1 Tm 4.1) que as coisas se tornarão piores à medida que o fim se aproximar (cf. 2 Pe 3.3; 1 Jo 2.18; Jd 17,18).
(1) Os últimos dias serão assinalados por um aumento cada vez maior de iniqüidade no mundo, um colapso nos padrões morais e a multiplicação de falsos crentes e falsas igrejas dentro do reino de Deus (Mt 24.11,12; ver 1 Tm 4.1). Esses tempos serão espiritualmente difíceis e penosos para os verdadeiros servos de Deus. (2) Paulo faz essa advertência a fim de reanimar os obreiros que, com suas igrejas, permanecerem leais a Cristo e à sua revelação. A plena bênção da salvação em Cristo e o poderoso derramamento do Espírito Santo continuarão à disposição dos que permanecem leais à fé e à prática dos ensinos do NT. A apostasia na igreja redundará em mais graça e poder para os que se mantiverem firmes na fé original que foi entregue aos santos (At 4.33; Rm 5.20; Jd 3)
3.2 AMANTES DE SI MESMOS. Paulo apresenta uma lista de pecados que têm suas raízes no amor próprio (vv. 2-4). Alguns, hoje, ensinam que a falta do amor a si mesmo (amor-próprio) é a raiz do pecado. A revelação bíblica ensina o contrário.
3.3 SEM AFETO NATURAL. Nos últimos dias, o crente deve estar disposto a enfrentar um volume esmagador de impiedade. (1) O apóstolo profetiza que Satanás promoverá uma grande destruição na família. Os filhos serão "desobedientes a pais e mães" (v. 2), e os homens e mulheres não terão afeto natural (gr. astorgoi). Esta expressão pode ser traduzida "sem afeição à família", e refere-se ao desaparecimento dos sentimentos de ternura e amor naturais; falta esta demonstrada por uma mãe que rejeita os filhos, ou mata seu bebê; por um pai que abandona a família, ou os filhos que negligenciam os devidos cuidados para com seus pais idosos (ver Lc 1.17). (2) Os homens e mulheres passarão a amar idolatradamente o dinheiro e os prazeres, e estarão sempre em busca disso para a satisfação de seus desejos egoístas (v. 2). Ser pai ou mãe, com suas responsabilidades e encargos, e amor sacrificial na criação de filhos, já não será considerado missão nobre, nem dignificante (vv. 2-4). Pais amorosos darão lugar, cada vez mais, a pais egoístas e desumanos que abandonarão seus filhos (cf. Sl 113.9; 127.3-5; Pv 17.6; Tt 2.4,5; ver 2 Tm 4.3,4 ). (3) Se os pais cristãos quiserem
preservar suas famílias nos tempos difíceis dos últimos dias, devem hoje protegê-las contra as práticas infames da sociedade em que vivem (Jo 21.15-17; At 20.28-30), separá-los dos costumes sórdidos do mundo e evitar que os ímpios influenciem seus filhos (At 2.40; Rm 12.1,2). Os pais precisam aceitar o plano de Deus para a família (ver Ef 5.21-25), e não proceder como os ímpios (Lv 18.3-5; Ef 4.17). Eles, e suas famílias, realmente precisarão ser como forasteiros e peregrinos na terra (Hb 11.13-16)
3.5 TENDO APARÊNCIA DE PIEDADE. Paulo se refere àqueles que dizem ser crentes, e, aparentam santidade, porém, não demonstram que foram libertos por Deus, do pecado, do egoísmo e da imoralidade. Tais pessoas toleram a imoralidade nas suas igrejas e ensinam que é possível praticar os pecados citados nos versículos 2-4 e, ao mesmo tempo, serem crentes (cf. vv. 5-9; 4.3,4; 2 Pe 2.12-19; ver 1 Co 6.9).
3.8 RESISTEM À VERDADE. Uma das coisas que identifica o falso mestre na igreja é a sua oposição às verdades básicas do evangelho, ou sua indiferença para com elas (ver 1 Tm 4.1).
 
Comentários
 
Introdução:
Lc 11.24 Quando o espírito imundo tem saído do homem, anda por lugares secos, buscando repouso; e, não o achando, diz: Tornarei para minha casa, de onde saí. 25 E, chegando, acha-a varrida e adornada. 26 Então vai, e leva consigo outros sete espíritos piores do que ele e, entrando, habitam ali; e o último estado desse homem é pior do que o primeiro.
SETE ESPÍRITOS PIORES... E... HABITAM ALI. O assunto aqui fica claro, ante o trecho paralelo de Mt 12.43-45, que fala da casa desocupada.
(1) A passagem ressalta o fato de que na sua conversão (Jo 3.3) o crente deve, não somente ser liberto do pecado, mas também, a partir daí, dedicar-se totalmente a Cristo, à oração, à retidão, à Palavra e ao recebimento da plenitude do Espírito Santo.
(2) Satanás não deixa de atacar o crente após a sua conversão. Seu poder é uma ameaça contínua e incessante (22.31; ver Mt 6.13). A nossa proteção contra o pecado e Satanás vem pela nossa plena consagração a Cristo e o emprego de todos os meios de graça que nos são disponíveis através de Cristo (ver Ef 6.11).
(3) O crente que foi liberto de poderes demoníacos, porém não renuncia totalmente ao pecado, não dá liberdade em sua vida ao Espírito de Deus e está dando lugar ao retorno de espíritos maus piores do que os anteriores.
 
I – O QUE É APOSTASIA
Vede, irmãos, que nunca haja em qualquer de vós um coração mau e infiel, para se apartar do DEUS vivo. (Hebreus 3: 12)
A apostasia (grego apostasia) aparece duas vezes no NT como substantivo (At 21.21; 2Ts 2.3) e, aqui em Hebreus 3.12, como verbo (grego aphistemi, traduzido “apartar”). O termo grego é definido como decaída, deserção, rebelião, abandono, retirada ou afastar-se daquilo a que antes se estava ligado.
Apostatar significa cortar o relacionamento salvífico com CRISTO, ou apartar-se da união vital com Ele e da verdadeira fé nEle. Sendo assim, a apostasia individual é possível somente para quem já experimentou a salvação, a regeneração e a renovação pelo ESPÍRITO SANTO ( Lc 8.13; Hb 6.4,5); não é simples negação das doutrinas do NT pelos inconversos dentro da igreja visível. A apostasia pode envolver dois aspectos distintos, embora relacionados entre si: (a) a apostasia teológica, i.e., a rejeição de todos os ensinos originais de CRISTO e dos apóstolos ou dalguns deles (1Tm 4.1; 2Tm 4.3); e (b) a apostasia moral, i.e., aquele que era crente deixa de permanecer em CRISTO e volta a ser escravo do pecado e da imoralidade (Is 29.13; Mt 23.25-28; Rm 6.15-23; 8.6-13).
Os passos que levam à apostasia são:
(a) O crente, por sua falta de fé, deixa de levar plenamente a sério as verdades, exortações, advertências, promessas e ensinos da Palavra de DEUS (Mc 1.15; Lc 8.13; Jo 5.44,47; 8.46).
(b) Quando as realidades do mundo chegam a ser maiores do que as do reino celestial de DEUS, o crente deixa paulatinamente de aproximar-se de DEUS através de CRISTO (4.16; 7.19,25; 11.6).
(c) Por causa da aparência enganosa do pecado, a pessoa se torna cada vez mais tolerante do pecado na sua própria vida (1Co 6.9,10; Ef 5.5; Hb 3.13). Já não ama a retidão nem odeia a iniqüidade (ver 1.9 ).
(d) Por causa da dureza do seu coração (3.8,13) e da sua rejeição dos caminhos de DEUS (v. 10), não faz caso da repetida voz e repreensão do ESPÍRITO SANTO (Ef 4.30; 1Ts 5.19-22; Hb 3.7-11).
(e) O ESPÍRITO SANTO se entristece (Ef 4.30;  Hb 3.7,8); seu fogo se extingue (1Ts 5.19) e seu templo é profanado (1Co 3.16). Finalmente, Ele afasta-se daquele que antes era crente (Jz 16.20; Sl 51.11; Rm 8.13; 1Co 3.16,17; Hb 3.14). 
A apostasia começou com Satanás que desejou ser igual a DEUS e intentou subir mais alto do Ele, para isto se desviou da carreira que lhe estava proposta para se revoltar contra DEUS, o seu Criador e Senhor.
 
II - O ESFRIAMENTO DO AMOR CRISTÃO
1. CRISTO adverte a sua Igreja
Se a apostasia continua sem refreio, o indivíduo pode, finalmente, chegar ao ponto em que não seja possível um recomeço. (a) Isto é, a pessoa que no passado teve uma experiência de salvação com CRISTO, mas que deliberada e continuamente endurece seu coração para não atender à voz do ESPÍRITO SANTO (3.7-19), continua a pecar intencionalmente (10.26) e se recusa a arrepender-se e voltar para DEUS, pode chegar a um ponto sem retorno em que não há mais possibilidade de arrependimento e de salvação (6.4-6; Dt 29.18-21 ; 1 Sm 2.25 ; Pv 29.1 ). Há um limite para a paciência de DEUS (ver 1 Sm 3.11-14; Mt 12.31,32; 2 Ts 2.9-11; Hb 10.26-29,31; 1 Jo 5.16). (b) Esse ponto de onde não há retorno, não se pode definir de antemão. Logo, a única salvaguarda contra o perigo de apostasia extrema está na admoestação do Espírito: Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos corações ( 3.7,8,15; 4.7).
 
2. Reavivando o primeiro amor
Quem, sinceramente, preocupa-se com sua condição espiritual e sente no seu coração o desejo de voltar-se arrependido para DEUS, tem nisso uma clara evidência de que não cometeu a apostasia imperdoável. As Escrituras afirmam com clareza que DEUS não quer que ninguém pereça (2 Pe 3.9;  Is 1.18,19; 55.6,7) e declaram que DEUS receberá todos que já desfrutaram da graça salvadora, se arrependidos, voltarem a Ele ( Gl 5.4 com 4.19; 1 Co 5.1-5 com 2 Co 2.5-11; Lc 15.11-24; Rm 11.20-23; Tg 5.19,20; Ap 3.14-20; note o exemplo de Pedro, Mt 16.16; 26.74,75; Jo 21.15-22).
 
Quando iniciamos a vida com Cristo, nossa esperança é real e totalmente contagiante. Ao longo do tempo, porém, ela parece enfraquecer, e não temos a mesma vibração. Nos primeiros capítulos do Apocalipse encontramos as cartas enviadas às sete igrejas. Éfeso, a primeira, destacou-se como a igreja do "Primeiro amor" correspondia ao período do cristianismo emergente, anos 31 a 100 dC.

O apóstolo João descreve o elogio a Éfeso mencionando que apesar das perseguições e dificuldades ela não perdeu o seu primeiro amor e esperança. Mas, quando avançamos as eras a descrição muda. Por exemplo, Pérgamo e Tiatira, terceira e quarta igrejas (ou períodos do cristianismo) 4º ao 16º séculos, recebem advertências e repreensões pela conduta. Enfraquecera o primeiro amor e esperança!

Como podemos evitar a oscilação em nossa esperança pessoal? Como cuidar para não ter uma esperança presunçosa ou esperança apática? A Bíblia tem o equilíbrio.
 
REAVIVAR É DAR VIDA OUTRA VEZ, PORTANTO DEVE AQUELE QUE APOSTATOU, PELO MENOS TENTAR VOLTAR A TER DEUS COMO CENTRO DE SUA VIDA, POIS O PAI AMOROSO E PERDOADOR ESTÁ A ESPERÁ-LO.
 
1Jo 1.8 Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. 9 Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.
 
1.8 SE DISSERMOS QUE NÃO TEMOS PECADO. João emprega o substantivo "pecado" em vez da forma verbal "pecamos", para enfatizar o pecado como um princípio imanente na natureza humana.
(1) João está provavelmente argumentando contra os que afirmam que o pecado não existe como um princípio ou poder na natureza humana, ou contra os que afirmam que as más ações que eles cometem não são realmente pecado. Essa heresia continua ainda hoje entre os que negam a realidade do pecado e que interpretam a iniqüidade em termos de causas deterministas, psicológicas ou sociais (ver Rm 6.1; 7.9-11).
(2) Os crentes devem conscientizar-se de que a carne, ou a natureza humana pecaminosa, é uma ameaça constante na sua vida, e que devem sempre estar mortificando as suas más obras por meio do Espírito Santo que neles habita (Rm 8.13; Gl 5.16-25).
1.9 CONFISSÃO DE PECADO. Devemos reconhecer os nossos pecados e buscar em Deus o perdão e a purificação deles. Os dois resultados disso são (1) o perdão divino e a reconciliação com Deus, e (2) a purificação (i.e., remoção) da culpa e a destruição do poder do pecado, a fim de vivermos uma vida de santidade (Sl 32.1-5; Pv 28.13; Jr 31.34; Lc 15.18; Rm 6.2-14).
 
III - DOUTRINA DE BALAÃO
Balaão foi um exemplo claro de apostasia, pois ao saber a vontade de DEUS, que era abençoar; astutamente, para ganhar dinheiro, arrumou uma maneira de fazer o povo escolhido de DEUS pecar.
O que faz de Balaão esse tipo negativo de espiritualidade? Como que o reverso da espiritualidade pode ser visto na vida daquele que tinha aparência de profeta? Atendendo o convite de Balaque, Balaão apresenta quatro profecias sobre os filhos de Jacó acampados no deserto (Nm 23 e 24). Para decepção de Balaque, as profecias anunciadas por Balaão são a favor do povo hebreu.  Notória é a justificativa de Balaão para não amaldiçoar o povo, como queria Balaque: "Porventura não terei cuidado de falar o que o Senhor me puser na boca?" (Nm 23,12); "Não te falei eu dizendo: Tudo o que o Senhor falar, isso tenho de fazer?" (Nm 23,26). 
Mas, surpreendentemente, o capítulo 25 de Números começa com a triste informação que "o povo começou a prostituir-se com as filhas de Moabe" (25,1). O que ocorrera? As profecias de Balaão abençoando o povo não foram suficiente para preservar Israel em santidade? Acontece que Balaão, além de abençoar o povo em cumprimento à ordem de Deus, também revelou a senha do pecado, isto é, mostrou aos midianitas como derrotar Israel. Referindo-se às mulheres midianitas, presas em batalha, o autor nos informa que elas eram "as que, por conselho de Balaão, fizeram que os filhos de Israel pecassem contra o Senhor no caso de Peor, pelo que houve a praga entre a congregação do Senhor" (Nm 31,16). Essa é a tradição seguida pelo autor do Apocalipse: "Algumas coisas tenho contra ti: porque tens aí os que seguem a doutrina de Balaão, o qual ensinava Balaque a lançar tropeços diante dos filhos de Israel, induzindo-os a comerem das coisas sacrificadas a ídolos e a se prostituirem" (ap 2,14).
De um lado, bênçãos proferidas em nome de Deus. Do outro lado, conselhos de indução ao pecado. Logo, proferir palavras divinas, palavras bíblicas, não é sinal de espiritualidade. Ter trejeitos de profeta não implica em compromisso automático com Deus. Sabemos pelo texto bíblico, por exemplo, que o próprio diabo estava a citar os salmos por ocasião da tentação a Cristo no deserto. Boas palavras podem ter bons resultados, independente de quem as evidencie. Há muitos que já se apresentaram como porta-vozes de Deus, sem terem vida exemplar. De um lado são santos, do outro lado, profanos.
Ensinos de falsos profetas
No entanto, tenho contra você algumas coisas: você tem aí pessoas que se apegam aos ENSINOS de Balaão, que ensinou Balaque a armar ciladas contra os israelitas, induzindo-os a comer alimentos sacrificados a ídolos e a praticar imoralidade sexual. Apocalipse 2.14 (NVI)
Balaão foi um falso profeta que vendeu seus serviços a um rei pagão, e que o aconselhou a seduzir Israel a comprometer sua fé por meio da idolatria e imoralidade (Nm 22.5,7; 25.1,2; 31.16; 2 Pe 2.15) A doutrina de Balaão refere-se, portanto, a mestres e pregadores corruptos que, em Pérgamo, levavam suas congregações à transigência fatal com a imoralidade, o mundanismo e as falsas ideologias; tudo por amor à promoção pessoal ou vantagem financeira. Segundo parece, a igreja em Pérgamo tinha mestres que ensinavam ser a fé salvífica em Cristo compatível com a prática da imoralidade. (bep).
PORQUE MUITAS IGREJAS OU CRENTES ACEITAM FALSAS DOUTRINAS?
  1. Busca de avivamento espiritual - sem a Bíblia Sagrada, qualquer avivamento é passageiro. Muitos crentes têm uma visão errada do que é avivamento. Avivamento é o estado ou condição de plena atividade que se mantém desde o nascimento até à morte. Avivamento é ter vida perfeita com Deus, com fortalecimento no nosso homem interior, do poder de Deus.
  2. Busca de crescimento numérico – é a busca do ter em lugar do ser. Quantidade sem qualidade é antibíblico. Deus quer tanto uma como a outra coisa.
  3. Carência de projetos pós-congressos – a ociosidade espiritual conduz muitos crentes a outras reuniões ou movimentos, nos quais aprendem várias heresias, porque a Igreja não provê atividades pós-congressos.
  4. Ausência de estudos bíblicos ministrados de forma sistemática – a falta de estudos bíblicos sistemáticos tem aberto brechas para a entrada de heresias (chavões evangélicos utilizados na Igreja podem produzir doutrinas heréticas: maldição hereditária, confissão positiva, incubação, teologia da prosperidade, etc). Chavões são palavras de efeito, ditas e repetidas inúmeras vezes, com a intenção de fixá-las na mente dos ouvintes, apelando para as emoções.
 
IV - O MISTICISMO HERÉTICO
"Cuidai que ninguém vos seduza" (Mt. 24,4)
Um dos fenômenos mais característicos deste fim de século materialista é o pulular de seitas. Ao longo de uma rua qualquer podem ser encontradas igrejas, capelas, templos, centros e terreiros, freqüentados por multidões de cegos sem rumo. Homens que buscam fábulas, porque já não suportam a verdade. Supersticiosos que perderam a fé e que, sôfregos, desejam adorar a própria opinião. Deserdados, doentes ou miseráveis que têm por ídolo o dinheiro, a vida, a saúde. Todos os que pretendem que Deus os sirva. ( Orlando Fedeli )
HIERARQUIA ESPIRITUAL: MNE - Movimento Nova Era
     Reino de Lúcifer - SCHAMBALA - Anjos Caídos - MESTRES CÓSMICOS - demônios - MAITREYA - Anticristo - AVATAR DE SÍNTESE - Falso Profeta - NOVO GRUPO DE SERVIDORES DO MUNDO - Instruídos – Aspirantes.
     O MNE está impregnado de ocultismo e misticismo. Descaracteriza DEUS (é panteísta) e abomina o cristianismo. Está hoje infiltrado em todos os níveis da sociedade. Artistas, comunicadores, empresários, Marcas e Griffes já trazem o rótulo do MNE. Autoridades políticas e religiosas e Organizações tais como a ONU, CMI e outras, já se identificam com esse novo sistema. O MNE utiliza uma terminologia própria, as palavras mais comuns usadas pelos seus adeptos são: Mãe Terra, Energia Cósmica, Holístico, Aldeia Global, Fluídos Pos/Neg., Etc. Usa símbolos para popularizar e representar suas doutrinas, entre eles:
      A CRUZ DE NERO OU PÉ DE GALINHA: A cruz virada de cabeça para baixo e quebrada. Símbolo de uma falsa paz, sem a necessidade da Cruz de CRISTO.
     A SUÁSTICA: Símbolo ocultista da sorte. De origem Brâmame. Significa: Sva Sti ka (Boa sorte, felicidade e salvação). Foi utilizada por Hitler como representação do seu plano de instalar no planeta sua nova ordem mundial.
     YIN YANG: Uma esfera com dois desenhos que se completam como metades, parecendo seres vivos: um preto e outro branco. Dizem tratar-se do equilíbrio cósmico entre o bem e o mal. Aparecem muito em impressos, brinquedos, camisetas, blusas, etc.
     BORBOLETA SAINDO DO CASULO: Como representação de uma metamorfose na terra. Uma Nova Era para seus habitantes, sob a liderança de seu falso messias, o Maitreya.
     Unificação, Ecumenismo irrestrito. É a nova ordem mundial do MNE. O alvo principal consiste no estabelecimento de uma NOVA ORDEM MUNDIAL, através da implantação de um Governo Mundial Único que controlará e dominará todos os países através de serviços totalmente unificados, econômicos, financeiros, comerciais e geopolíticos. É sem dúvida a preparação do mundo para o governo do anticristo.
Amigo leitor, cuidado! O Movimento Nova Era é como uma moeda. Numa face apregoa a paz, bondade, fraternidade, harmonia e justiça social. Sob estes aspectos é extremamente bonito e agradável. Na outra face, porém, escancara-se nada menos que a face grotesca do inimigo.
Muitos falsos profetas têm-se levantado no mundo, tais como:
Buda, o profeta do budismo; Confúcio, o profeta da China; Maomé, o profeta do islamismo; Allan Kardec, o profeta do espiritismo; Joseph Smith, o profeta do mormonismo; Charles Taze Russel, o profeta da torre de vigia; Mary Baker Eddy, a profetisa da ciência cristã; Max Heindel e H.Spencer Lewis, os profetas do rosacrucionismo; Helen Blavatsky e Annie Besant, os profetas da teosofia; A.C. Bhactivedanta Swami Prabhupada, o profeta da hare-Krishna; Toruchira Miki, o profeta da perfect liberty; Mokiti Okada, o profeta da igreja messiânica; Masaharu Taniguchi, o profeta da seicho-no-iê;  David Brandt Berg, o profeta dos “meninos de DEUS”; Sun Myung Moon, o profeta da unificação, e outros.
São lobos devoradores vestidos de pele de ovelha, e multidões estão sendo enganadas, levadas por esse mar de heresias, dando crédito a esses falsos ensinos. “Virá o tempo (diz a Palavra de DEUS) em que não suportarão a sã doutrina, mas andarão de um lado para o outro, procurando mestres que lhes digam apenas aquilo que desejam ouvir, e desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas”.(II Tm 4.3). Infelizmente muitos pastores, pregadores e ensinadores, que se dizem cristãos, têem se enredado por estes mesmos caminhos.
 
V - A PROSPERIDADE FATAL
Combatendo pela fé uma vez entregue aos santos - Jd 3; I Tm 4.1-6; II Pe 2.1-3
QUAIS SÃO AS HERESIAS MAIS PERIGOSAS, NOS DIAS ATUAIS?
  1. Quebra de maldição hereditária – toda maldição foi quebrada quando aceitamos Cristo como Salvador da nossa alma.
  2. Confissão positiva – a confissão positiva coloca o peso da realização nas palavras pronunciadas e na atitude mental da pessoa e não na fé genuína em Deus (At 3.16; Hb 12.1-2).
  3. Confissão regressiva – é a confissão, de novo, de pecados já perdoados por Cristo, especialmente aqueles cometidos antes da conversão à Cristo.
  4. Sopro espiritual – com a intenção de ver pessoas caírem.
  5. Cura interior – as doenças emocionais são devastadoras, mas Jesus as cura completamente. A heresia está no fato de pregadores relacionarem os problemas emocionais com a maldição hereditária e quererem curá-los com regressão psicológica. Cristo nos cura dos traumas psicológicos e emocionais, até mesmo da auto-imagem negativa, sem necessidade de tratamento psicológico.
  6. Regressão psicológica – esta prática pode deixar seqüelas mentais graves.
  7. A mania de querer mandar em Deus – expressões tais como "eu declaro"; "eu ordeno". "eu profetizo"; "povo de Deus, declare isto: o Brasil é do Senhor Jesus", etc, pronunciadas sem a efetiva ordem de Deus é heresia e não muda situação alguma.
  8. Superstição – crendices, fanatismo, temores de fantasias como, por exemplo, não levantar com o pé esquerdo, ler horóscopos, não passar embaixo de escadas, se entrar por uma porta tem que sair pela mesma, etc.
  9. Incubação – a incubação é uma conseqüência da confissão positiva. Trata-se de se gerar uma imagem mental, direcionada para o alvo que se pretende alcançar. A fé não depende da mentalização ou visualização de quem quer que seja.
  10. Teologia da prosperidade – a Bíblia apresenta a teologia da prosperidade, mas não como se ensina nestes movimentos. Muitos relacionam a vida do crente vitorioso com a sua prosperidade financeira. De fato, Deus deseja que seus filhos seus prósperos, mas não sê-lo não significa falta de salvação ou ausência da benção divina.
  11. Cair no poder – na Bíblia Sagrada há registros de muitos homens santos de Deus caíram debaixo do poder de Deus, mas sempre para frente, com o rosto no chão, conscientes, embora muitos ficaram fisicamente abalados e estivessem, muitas vezes, sozinhos.
 
 
CONCLUSÃO
Através da exposição sadia do Evangelho, o Obreiro do Senhor vai formando uma Igreja composta de crentes sadios na fé, a saber:
  • Uma Igreja sem formalismo e sem fanatismo;
  • Uma Igreja que rejeita as fábulas artificialmente compostas, tais como imaginações humanas, supertições e temores infundados;
  • Uma Igreja que combate as heresias e corrige os ensinamentos antibíblicos que aparecem;
  • Uma Igreja que tem uma vida digna do Evangelho perante Deus e os homens.
COMO PODEMOS AJUDAR OS ALUNOS DA ESCOLA DOMINICAL A SE PREVENIR CONTRA AS HERESIAS E NÃO SE DEIXAR SER POSSUÍDO PELA APOSTASIA?
  1. O professor deve pensar nas necessidades dos seus alunos – este é um critério essencial para que o professor possa aplicar a lição visando o amplo conhecimento dos mesmos.
  2. Trabalhar com os alunos fora da sala de aula - como mestre, deve considerar o seu alto privilégio de ajudar os seus alunos, mesmo fora do ambiente escolar.
  3. Ter seriedade no ensino bíblico - ministrando a lição com as advertências bíblicas, sem rodeios.
  4. Ensinar-lhes a Bíblia - ministrando o estudo sistemático da Bíblia Sagrada.
  5. Orientá-los a não freqüentar reuniões indiscriminadamente – principalmente aquelas de origem duvidosa ou que apresentem ‘novas revelações, novas mensagens’.
  6. Induzi-los a não fazer parte da multidão perdida – multidão não é sinônimo de perfeição ou de bênção divina.
  7. Levá-los a comparar biblicamente os modismos surgidos – a leitura da Bíblia é essencial para que conheçamos as procedências dos modismos que surgem.
  8. Ensiná-los a não ir atrás dos milagres – Jesus disse que os sinais nos seguiriam e não o contrário (Mc 16.15).
Questionário da Lição 2 - Vem O Fim, O Fim Vem - A Apostasia Dos Últimos Tempos
Por Ev.Luiz Henrique - www.henriqueestudos.cjb.net
 
Texto Áureo: 
1- O que devemos falar?
( ) Tudo o que nos vier à mente    ( ) O que convém à sã doutrina    ( ) Tudo o que nos for mandado pelos líderes
Verdade Prática:
2- O que ameaça o rebanho de nosso Senhor JESUS CRISTO?
( ) A alegria    (  ) A fé    ( ) A Oração    ( ) A apostasia
Introdução:
3- A que darão ouvidos alguns da fé, nos últimos tempos?
( ) A doutrinas de santos mestres     ( ) A espíritos enganadores e a doutrinas de demônios
I – O QUE É APOSTASIA
4- O que significa o termo "Apostasia"?
( ) Abandono consciente e público da fé    ( ) Abandono consciente e público da caridade
5- Quais artigos de fé, a apostasia visa atacar?
( ) A soberania de DEUS, a divindade de JESUS e a realidade da vinda de JESUS
( ) A sabedoria de DEUS, a idade de JESUS e a realidade da morte de JESUS
6- Qual é um dos primeiros sintomas da apostasia
( ) Sentir desejo de Orar     ( ) Sentir desejo de mudar e se arrepender     ( ) A perda do primeiro amor
II - O ESFRIAMENTO DO AMOR CRISTÃO
7- Qual era a Igreja mais conservadora e ortodoxa da Ásia Menor?
( ) De Colossos    ( ) De Pérgamo    ( ) De Éfeso    ( ) De Laodicéia
8- O que JESUS disse que tinha contra a Igreja de Éfeso?
( ) Tinha se tornado rica    ( ) Tinha adotado a doutrina de Balaão     ( ) Tinha deixado o primeiro amor
9- Quais os conselhos de JESUS para a Igreja de Éfeso?
( ) Lembra-te, pois, de onde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras
10- O que JESUS diz que faria à Igreja de Éfeso, caso permanecesse em seu pecado?
( ) Lhe daria outro castiçal    ( ) Tiraria do seu lugar o seu castiçal    ( ) Mudaria seu castiçal, de ouro para prata
11- Por que o amor de muitos se esfria, segundo JESUS em Mt 24.12?
( ) Por se multiplicar a eqüidade    ( ) Por se multiplicar a iniqüidade    ( ) Por causa dos problemas do dia a dia
12- Qual a grande comissão que nos confiou JESUS?
( ) Evangelizar, Fazer Missões e Aproveitar a vida    ( ) Evangelizar, Fazer Missões e Discipular
III - DOUTRINA DE BALAÃO
13- Qual doutrina seguiam os crentes de Pérgamo?
( ) A doutrina de Balaão    ( ) A doutrina de João    ( ) A doutrina dos Últimos Dias
14- O que a doutrina de Balaão quer fazer com a igreja?
( ) Comprometê-la com a Palavra de DEUS, impregnando-a com a cultura e com os costumes do céu
( ) Comprometê-la, impregnando-a com a cultura e com os costumes do mundo
IV - O MISTICISMO HERÉTICO
15- Quais são as principais características do Misticismo Herético?
( ) Culto a JESUS, Profecias e  Prodígios     ( ) Culto a DEUS, Profecias e  Prodígios
( ) Culto aos anjos, Falsas Profecias, Prodígios de origem demoníaca e doutrinas de demônios
16- O que convém à casa de DEUS, o nosso Senhor?
( ) Muito dinheiro    ( ) Muitos heréticos    ( ) Santidade
V - A PROSPERIDADE FATAL
17- Qual igreja apóstata é um tipo perfeito da Teologia da Prosperidade?
( ) Éfeso    ( ) Tiatira    ( ) Pérgamo    ( ) Laodicéia    ( ) Filadélfia
18- O que é endeusado pela Teologia da Prosperidade?
( ) JESUS    ( ) O ESPÍRITO SANTO    ( ) Os bens materiais    ( ) DEUS PAI
  
Bibliografia:
www.cpad.com.br Livros, revistas e bíblias
A Bíblia Explicada, S.E.Mcnair; Conhecendo as Doutrinas Bíblicas, Myer Pearlman; Bíblia de Estudo Pentecostal, Apostila FAETEL
http://www.centralgospel.com.br/gospel/estudos/estudos_show.asp?id=719
http://www.adbrasilia.com.br/estudos/heresiasebd.html 
Fonte: site apazdosenhor

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço e será um prazer receber seu comentário que depois de aprovado será publicado.