sábado, 30 de novembro de 2013

A Falsa Sensação de Salvação

Digo-vos que assim haverá alegria no céu por um pecador que se arrepende, mais do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento. Lucas 15:7

      Não se engane com ela, muitos estão enganados ainda que participando da vida ativa de uma denominação sem contudo saberem, que jamais experimentaram a verdadeira salvação. O texto acima, nos mostra a situação em que ocorre alegria no céu pelo pecador arrependido, mas mostra o engano dos que são justos aos seus próprios olhos. Disto concluímos, que todo verdadeiro justo tem que ter passado pela experiência do arrependimento. Veja este exemplo, certo pastor recebeu um casal que estava amasiado a um longo tempo, certo dia este casal apareceu na igreja e depois de um certo tempo decidiram se casar conforme manda a lei do país e a pedido do pastor. Aquele pastor inexperiente me disse alegre que aquele casal iria se casar e portanto, participar normalmente dos cultos, pois na sua visão eles passaria a ser crentes e teriam cumprido o necessário para serem chamados membros da igreja de Cristo. Após ouvir este pastor eu lhe perguntei sobre o arrependimento do casal e sobre todo aquele tempo de fornicação que eles mantiveram por longo tempo antes do casamento, e se o fato deles se consertarem com a lei dos homens seria o mesmo que se consertarem com Deus! E para minha surpresa, percebi que aquele pastor não tinha resposta nem tampouco conhecimento suficiente sobre esta questão. É claro que eu lhe disse sobre a sua responsabilidade diante de Deus para com aquelas almas, como pastor ele tinha a obrigação de ter o mínimo de preparo para estas questões. Posteriormente lhe orientei que ele devia fazer um estudo bíblico com aquele casal, e leva-los ao arrependimento, pois só o arrependimento era o ponto de partida para que aquela mancha fosse apagada da vida daquele casal. Quero antes de prosseguir, que cito o caso dos amasiados porque é muito comum hoje em dia, mas deixo bem claro meu respeito as pessoas que estão nesta situação e que de maneira nenhuma estou desconsiderando-os em sua dignidade como cidadãos que são, mas na área espiritual, é obrigação de nós cristãos orientar uns aos outros e principalmente os que estão sob nossos cuidados. Este é o estado de muita gente dentro dos templos, pessoas que cumprimentamos como irmãos em Cristo, mas que jamais experimentaram a verdadeira salvação, pois para ser salvo implica em nascer da água e do espírito conforme diz as Escrituras Sagradas. E para o nascido de novo, é imprescindível o arrependimento. Arrependimento do que? De todos os pecados e erros do passado, de todos objetivos e planos do passado ou presente contrários a direção de Deus, arrependimento do homem ou mulher que você é ou que foi, do filho ou filha que você é ou que foi, arrepender-se dos maus tratos com pessoas e animais, do mau funcionário que você foi ou que você é, daquela ação que você moveu contra seu patrão sem ter direito, do imposto sonegado, arrepender-se de seus maus procedimentos do passado e talvez do presente, do adultério, da prostituição, da lascívia, de pecados sexuais de toda espécie, deste namoro pecaminoso que você manteve ou mantém, dos pecados da língua, da falta de comunhão com seus irmãos na fé, dos sites pornográficos que você já visitou, das novelas sujas que você assistiu ou que assiste, das mentiras que você professou em nome do Espírito Santo, das críticas ou das ofensas ao seu pastor e a seus irmãos na fé ou seja quem lá que for, se arrepender das ofensas ao seu esposo ou esposa ou filhos, visinhos e por aí vai, das piadas de mau gosto, de seu mau comportamento na hora do culto, dos pecados ocultos, escondidos ou conhecidos, e os resto você procure se lembrar. Meu dileto leitor, disto tudo que eu disse, o que quero dizer é que sem o verdadeiro arrependimento, não há remissão dos pecados, não há novo nascimento, não há nome escrito no livro da vida. O arrependimento é mudança de direção, abandono de pecado, mudança de mente. A diferença entre arrependimento e remorso é que no arrependimento há abandono de pecado, e no remorso apenas tristeza emocional. O arrependimento se caracteriza por uma profunda convicção de pecado contra os princípios de Deus. Como exemplo desta convicção de pecado eu cito aqui o que aconteceu com Jô quando ele narra sua experiência no capítulo 42:5-6 quando ele diz: Com o ouvir dos meus ouvidos ouvi, mas agora te vêem os meus olhos. Por isso, me abomino de me arrependo no pó e na cinza. Jô narra sua profunda convicção de pecado e decidiu se arrepender, mas não só isto, ele sentiu no mais profundo de sua alma a necessidade de se arrepender diante da santidade de um Deus tão terno, santo e glorioso. Da mesma forma cito a experiência de Isaías quando ele narra no capítulo 6:5, quando disse: Então, disse eu: ai de mim, que vou perecendo! Porque eu sou um homem de lábios impuros e habito no meio de um povo de impuros lábios; e os meus olhos viram o rei, o SENHOR dos Exércitos! Note a profunda convicção de pecado diante de um Deus tão especial e santo. Todo verdadeiro arrependido, tem após a convicção de pecado, uma profunda necessidade de se purificar, de se limpar, como se fosse uma forte sede, mas no caso do pecado, esta sede só pode ser matada com a redenção pelo sangue de Cristo.  Nos dois casos Deus os perdoou, porque viu quebrantamento e arrependimento em seus corações. Bem, espero com este pequeno artigo, ter contribuído para que você tenha esta experiência tão necessária para sua vida. Lembre-se que todos nós precisamos orar e pedir a Deus que revele a nossa condição e nos conduza a pedir-lhe perdão. Quebrantamento de coração e humildade é mais que necessário para que Deus possa operar em nós a salvação. Pense nisto e que a Palavra de Deus te guie na direção correta.

Adalberto Pimentel da Silva

Discípulo de Jesus Cristo

domingo, 24 de novembro de 2013

Uma Riqueza Muito Superior

      Um certo Cristão funcionário de um grande fazendeiro sonhou que dali a dois dias o homem mais rico de toda aquela região iria morrer, ao acordar de manha preocupado, contou ao seu patrão o que sonhou, e deixou o patrão mais preocupado ainda, visto que o patrão pensativo, acreditava ser o homem mais rico daquela região. O patrão com medo, não conseguiu dormir bem aqueles dois dias, mas para surpresa dele, quem morreu? Isto mesmo, o seu funcionário que teve o sonho. O patrão meditando chegou a conclusão que seu funcionário não falava de riquezas terrenas e nem de finanças, mas de uma riqueza muito superior que o dinheiro não pode comprar, são as riquezas do Reino de Deus, que só aqueles que estão em Cristo podem possuir.
        Acho linda esta história ilustrativa, e gostaria de compartilhar com você meu amigo (a) alguns trechos bíblicos para você meditar sobre estas riquezas e comentar sobre alguns deles:

1. Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens. 1 Coríntios 15:19. ( Não há necessidade de comentar, porque o versículo é bem claro)

2.  para mostrar nos séculos vindouros as abundantes riquezas da sua graça, pela sua benignidade para conosco em Cristo Jesus. Efésios 2:7. A maior riqueza é ser beneficiário da graça do salvador Jesus Cristo.

3. E disse-lhes: Acautelai-vos e guardai-vos da avareza, porque a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui.  Lucas 12:15. Os bens são bênçãos, mas devem prender o seu coração porque o Reino de Deus é mais importante e deve ser o seu alvo.

4. E, se nós somos filhos, somos, logo, herdeiros também, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo; se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados. Romanos 8:17. Este verso mostra que Deus tem promessas muito superiores para nós do simples bens terrenos.

5. E propôs-lhes uma parábola, dizendo: a herdade de um homem rico tinha produzido com abundância. E arrazoava ele entre si, dizendo: Que farei? Não tenho onde recolher os meus frutos. E disse: Farei isto: derribarei os meus celeiros, e edificarei outros maiores, e ali recolherei todas as minhas novidades e os meus bens; e direi à minha alma: alma, tens em depósito muitos bens, para muitos anos; descansa, come, bebe e folga. Mas Deus lhe disse: Louco, esta noite te pedirão a tua alma, e o que tens preparado para quem será? Assim é aquele que para si ajunta tesouros e não é rico para com Deus. Lucas 12:16-21. Este aí, é o rico doido, insensato, manézão que faz com que a riqueza terrena seja seu ídolo. Ele representa os ricos que são tão pobres, mas tão pobres, que o que eles possuem, é só dinheiro. As riquezas destes estão apodrecidas, e as suas vestes estão comidas da traça (Tiago 5:2). Para estes eu deixo o conselho de Cristo que diz: aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças, e vestes brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os olhos com colírio, para que vejas. Apocalipse 3:18.

Conclusão

Meu amigo, Deus não é contra ser rico, Ele é contra você ser escravo da riqueza e colocar nela o seu coração e se esquecer do mais importante que é a salvação da alma. Pense nisto, leia e reflita no evangelho de Cristo, que é o poder de Deus para salvar. Sem mais, que Deus te ilumine a sua mente para que vejas as riquezas do Reino de Deus que estão presentes e bem clara para todos.

Adalberto Pimentel da Silva
Um discípulo de Cristo

sábado, 23 de novembro de 2013

Coisas sacrificadas aos ídolos

Lições Bíblicas CPAD - Jovens e Adultos - 2º Trimestre de 2009

Título: 1 Coríntios - Os problemas da Igreja e suas soluções
Comentarista: Antonio Gilberto

Lição 8: Coisas sacrificadas aos ídolos - Data: 24 de Maio de 2009

TEXTO ÁUREO
"As coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios e não a Deus. E não quero que sejais participantes com os demônios" (1 Co 10.20).

VERDADE PRÁTICA
O crente deve fugir da idolatria, dos objetos, festividades e reuniões que envolvem reverência e adoração aos ídolos.

LEITURA DIÁRIA
Segunda - Dt 32.15-21
O péssimo exemplo de Israel no passado
Terça - Sl 106.36,37
Correlação entre os ídolos e os demônios
Quarta - At 15.29
Uma norma divina para todos os crentes
Quinta - 1 Co 8.13
O manjar do escândalo
Sexta - 1 Co 10.20
Coisas sacrificadas aos demônios
Sábado - Tg 4.4,5
O zelo do Espírito pelo crente

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
1 Coríntios 8.1-4; 10.14,18-22.

1 Coríntios 8.
1 - Ora, no tocante às coisas sacrificadas aos ídolos, sabemos que todos temos ciência. A ciência incha, mas o amor edifica.
2 - E, se alguém cuida saber alguma coisa, ainda não sabe como convém saber.
3 - Mas, se alguém ama a Deus, esse é conhecido dele.
4 - Assim que, quanto ao comer das coisas sacrificadas aos ídolos, sabemos que o ídolo nada é no mundo e que não há outro Deus, senão um só.

1 Coríntios 10.
14 - Portanto, meus amados, fugi da idolatria.
18 - Vede a Israel segundo a carne; os que comem os sacrifícios não são, porventura, participantes do altar?
19 - Mas que digo? Que o ídolo é alguma coisa? Ou que o sacrificado ao ídolo é alguma coisa?
20 - Antes, digo que as coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios e não a Deus. E não quero que sejais participantes com os demônios.
21 - Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios.
22 - Ou irritaremos o Senhor? Somos nós mais fortes do que ele?

INTERAÇÃO
Prezado professor, segundo a concepção das nações idólatras, vizinhas a Israel, um "deus" ou "espírito" habitava nas imagens de escultura. Todavia, as Escrituras afirmam categoricamente que esses falsos deuses são "diabos" (Dt 32.17), e que os sacrifícios oferecidos às imagens são oferendas aos demônios (Sl 106.37). Informe aos alunos que um dos termos usados no Antigo Testamento para ídolo é gillûl. Essa palavra quer dizer "tora sem forma", "bloco vazio". Os profetas assim chamavam os ídolos para mostrar a inutilidade, futilidade e incapacidade deles. Esse mesmo conceito é afirmado por Paulo em 1 Co 8.4: "o ídolo nada é" (Sl 115.4-7). Deus o abençoe e boa aula!

OBJETIVOS
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
Explicar o ensino bíblico a respeito dos ídolos.
Descrever os costumes pagãos em Corinto.
Abster-se dos ídolos e festividades pagãs.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
Professor, comente com seus alunos que a igreja em Roma também estava cercada pela cultura idólatra. Em Roma havia muitas celebrações aos deuses da fertilidade. No dia 23 de Abril, na festa das Vinálias, os romanos adoravam a Júpiter e a Vênus Ericina, a "deusa das prostitutas". No dia 28 de Abril, na Floralia, adoravam a deusa dos rufiões e prostitutas. Informe à classe que essas festividades lembram as mazelas do "carnaval moderno" (Rm 1.18-32). O crente, portanto, deve se afastar dessas festas malignas que induzem os homens à fornicação, ao adultério, às drogas e à feitiçaria.

COMENTÁRIO
Introdução

Palavra Chave
Idolatria: Culto prestado aos ídolos.

Corinto era uma importante cidade da Grécia, e a capital da província romana Acaia. Sua posição geográfica privilegiada favorecia o comércio, a cultura, os esportes e as religiões pagãs. Em Corinto havia muitos templos dedicados aos deuses greco-romanos. Dentre eles, destacava-se o de Afrodite, localizado no topo do Acrocorinto, tendo mais de mil sacerdotisas que se dedicavam à prostituição religiosa. As festas dedicadas a esses demônios eram repletas de música, orgia, comida, bebida e excessos de todos os tipos. Nas oferendas de animais, uma parte era queimada no altar do ídolo, a outra era doada ao sacerdote, e a última era entregue ao ofertante, que quase sempre a vendia no mercado.

I. A CARNE SACRIFICADA: ASSUNTO ANTIGO, MAS CONTEMPORÂNEO

1. No Antigo Testamento (Dt 32.16,17). Diversas passagens bíblicas relacionam o ídolo aos demônios, e o culto idólatra ao culto diabólico (Lv 17.7; 2 Cr 11.15). Os ídolos sempre foram laços para o povo de Israel, a quem Deus elegeu como seu povo peculiar aqui na terra. Há crentes que têm receio e pavor de ídolos, imagens fabricadas e figuras. Ora, "o ídolo nada é", afirma a Bíblia (1 Co 8.4; 10.19; Sl 115.4-7; Is 44.9-17). O culto idólatra dos israelitas desviados não era oferecido aos ídolos, mas "aos diabos", como afirma Deuteronômio 32.17.
O apóstolo adverte a igreja de Corinto para não se envolver com a idolatria, como o povo de Israel no deserto. Naqueles dias, os judeus desviados ofereceram sacrifícios aos demônios, prostituíram-se e comeram da carne sacrificada aos ídolos (1 Co 10.7,8).
O cristão também não deve participar de festividades e atos que cultuam os "santos", "os guias" e ídolos demoníacos. Assim como Daniel, deve o crente rejeitar irrevogavelmente o "manjar oferecido aos ídolos" (Dn 1.8,9).
2. No Novo Testamento. Em Atos 15.29, a igreja, composta de judeus e gentios (Ef 2.14), é doutrinada a abster-se "das coisas sacrificadas aos ídolos". Essa importante ordenança não apenas confirma a proibição do Antigo Testamento, como também amplia o conceito na era da graça: seja para cumprir o mandamento (At 15.29) seja por motivo de consciência (1 Co 8.7-13), ou ainda para não melindrar o crente imaturo (1 Co 8.9). Assim como participar da "mesa do Senhor" é um testemunho da nossa filiação, identificação e comunhão com Ele (1 Co 10.18), tomar parte de atividades, reuniões e procissões vinculadas a ídolos, ocultismo e espiritismo é identificar-se com o próprio Diabo (1 Co 10.20,21). A imagem adorada não é nada; apenas obra de pedra, de pau, gesso, cimento ou ouro (Sl 115.4-7), mas por detrás dela estão os demônios (ver Ap 9.20; 13.15).

SINOPSE DO TÓPICO (I)

No Antigo e Novo Testamento a idolatria é condenada pelo Senhor. Na Bíblia, o ídolo é considerado inútil, e identificado com os demônios.

II. O CRISTÃO DIANTE DAS FESTIVIDADES RELIGIOSAS PAGÃS
 1. As festas religiosas pagãs no Antigo Testamento. Antes de Israel ser introduzido na idólatra terra de Canaã, o Senhor advertiu-o a respeito dos maus costumes, feitiçarias, práticas e celebrações idólatras de seus habitantes (Êx 20.3-5; 22.20; 23.24,32). Todavia, o povo desobedeceu a Deus e curvou-se diante dos falsos deuses cananeus (Jz 2.7-13,17; Êx 32.8). Por esta razão, "a ira de Deus se acendeu contra Israel" (Jz 2.14). Ora, se Deus não "poupou os ramos naturais", afirma Paulo, "teme que te não poupe a ti também. Considera, pois, a bondade e a severidade de Deus" (Rm 11.21,22). Portanto, meu amado irmão em Cristo, não participe das festas em honra aos ídolos e que servem aos demônios.
2. As festas religiosas pagãs no Brasil. O nosso país caracteriza-se como uma nação multicultural e pluralista, inclusive no que tange a tradições religiosas não-cristãs. Muitos antropólogos e sociólogos seculares vêem essas festividades como elemento de integração social e manifestação cultural. Mas isto é apenas um disfarce material, que oculta a tenebrosa realidade espiritual das coisas. O sincretismo religioso presente em muitas dessas festas e comemorações é uma ferramenta maligna para iludir o cristão incauto ou desprovido de visão celestial.
3. A idolatria do coração. O primeiro mandamento do Eterno em Êxodo 20.3, ordena: "Não terás outros deuses diante de mim". Israel antes de ser liberto e resgatado por Deus da escravidão do Egito, pecou contra o Senhor, adorando a falsos deuses (Js 24.14,15). E, ao chegar a sua nova terra, Canaã, continuou cometendo o mesmo pecado (Js 24.23).
Deus conhece o coração do homem e sabe da sua propensão à idolatria. No caso de Israel, esse pecado não era apenas externo, mas interno; a idolatria do coração, arraigada no âmago da criatura humana.
O que é um deus, ou ídolo dominante na vida de alguém? É tudo aquilo que ocupa sempre o primeiro lugar no coração do homem e aí se entroniza na sua vida, tempo, pensamento e vontade. Em Ezequiel 14, Deus advertiu seu povo sobre "ídolos no coração" (vv.2-7). Tomemos uma decisão: Deus deve ser o único e absoluto Senhor de nosso ser. Lembremo-nos que o Senhor não divide seu senhorio, nem a sua glória.
Vejamos alguns dos deuses modernos mais conhecidos:
a) Dinheiro. Principalmente o acúmulo de riquezas por avareza. Muitos têm abandonado a Deus, ou estão frios na fé devido a esse deus.
b) Sucesso. Fama, popularidade, reputação, cultura, graus acadêmicos, entre outros. Se o sucesso e o êxito não forem devidamente controlados, eles controlam seu portador e tornam-se um deus em sua vida.
c) Poder. O exercício do poder através de uma posição. Esta forma de poder leva à vaidade, pavonice, orgulho, vanglória e presunção. A essa altura, o poder torna-se um ídolo no coração.
d) Trabalho. Exagerado, sem descanso, que rouba o tempo que pertence unicamente a Deus, para buscar sua presença através da oração, adoração e leitura da Palavra de Deus.
e) Prazer. Também pode ser idolatrado. É a busca exagerada, incessante e crescente das diversões, da glutonaria, lazer, passatempos, etc. O prazer natural, controlado, justo e íntegro não é pecado. É evidente que há muitos outros ídolos no coração dos homens nesta era de avanços e realizações contínuos.
Paulo, o porta-voz de Deus, dirige-se à igreja de Corinto e alerta: "Portanto, meus amados, fugi da idolatria" (1 Co 10.14). Certamente, muitos deles estavam tentados a se envolverem com os ídolos, razão pela qual Paulo os admoesta. Deus também usou o apóstolo João para exortar os crentes a tomarem cuidado com os "ídolos" (1 Jo 5.21). É evidente que se trata aqui de "ídolos do coração".

SINOPSE DO TÓPICO (II)
 Assim como os fiéis em Israel abstinham-se de participar das festas pagãs tanto no Antigo como no Novo Testamento, o crente deve rejeitar às festividades idólatras celebradas no Brasil.

CONCLUSÃO
 A Bíblia proíbe o crente de participar da mesa do Senhor e do cálice dos demônios (1 Co 10.20,21). Tal duplicidade religiosa leva o seu praticante ao pecado, à mentira, à falsidade, à idolatria, e ao inferno, pois não há qualquer associação entre luz e trevas, verdade e mentira, entre o Senhor e Satanás. Não há meio termo na fé cristã e na doutrina (Mt 5.37; 6.24; Sl 119.113). Não existe verdade no erro, e nem erro na verdade, porque ambos se anulam mutuamente. Assim também, não há nada de sagrado no profano e no profano não há nada de sagrado.

VOCABULÁRIO
 Hierogâmico: Casal ou casamento sagrado.
Impudico: Que revela ou sugere impudor; sensual, lascívo.
Irrevogável: Que não se pode anular.
Rufião: Pessoa que se mete em brigas por causa de mulheres de má reputação.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

BENTHO, E. C. A Família no Antigo Testamento: história e sociologia. RJ: CPAD, 2006.
RICHARDS, L. O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. RJ: CPAD, 2007.

EXERCÍCIOS

1. Cite três passagens no Antigo Testamento que relacionam os ídolos aos demônios.
R. Lv 17.7; Dt 32.16,17; 2 Cr 11.15.

2. Cite duas passagens no Novo Testamento que relacionam os ídolos aos demônios.
R. 1 Co 10.14-21; Ap 9.20.

3. Descreva a relação entre ídolos, festas pagãs e demônios.
R. Resposta pessoal, conforme o aprendizado do aluno.

4. O que você sabe a respeito das festas pagãs do Antigo e Novo Testamento?
R. Resposta pessoal, conforme o aprendizado do aluno.

5. Cite três ídolos modernos que habitam no coração dos homens.
R. Dinheiro, sucesso, poder.

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO

Subsídio Histórico-Cultural

"Idolatria e Prostituição cultual em Canaã
No ambiente canaanita, as práticas sincréticas nos cultos da fertilidade eram dominados pelo casal hierogâmico Baal e sua esposa Astarte ou Astarote. Baal era representado por um touro e era considerado o deus da chuva. Na concepção cananéia, a chuva era representação do sêmem de Baal, que frutificava a terra e a fazia germinar. Os símbolos religiosos que estavam relacionados a Baal ilustravam a virilidade e o poder procriador masculino. Astarte, por outro lado, era figura da terra que se prepara para receber a chuva. Ao receber a vida que procede da divindade masculina (chuva), forma-se no ventre da terra a vida que se manifesta nos frutos colhidos de tempos em tempos.
As imagens femininas desse período são antropomórficas e apresentam as deusas com todos os membros vitais da procriação. Os órgãos genitais masculinos e femininos são adorados e apreciados como uma dádiva de Baal e Astarte para a perpetuação da vida. Por essa razão, os templos ou locais para adoração aos deuses da fertilidade masculinos na Palestina daqueles dias, eram construídos em locais altos ou montes, simplesmente porque, de acordo com a concepção cananéia, estes são símbolos fálicos".
(BENTHO, E. C. A Família no Antigo Testamento: história e sociologia. RJ: CPAD, 2006, pp. 207-8.)

APLICAÇÃO PESSOAL
 O mundo descrito pelo Antigo Testamento estava corrompido pelas festividades religiosas e costumes pagãos. Egito, Babilônia, Assíria, entre outros impérios, eram conhecidos por suas festividades em honra aos seus impudicos deuses e governantes. Antes de Israel ser introduzido na terra de Canaã, o Senhor advertiu o povo a respeito das festividades e orgias religiosas celebradas por seus habitantes (Êx 20.3-5; 22.20; 23.24,32; Dt 22.5; 30.17,18; Jz 2.2). Os povos que habitavam Canaã celebravam os deuses da fertilidade, Baal e Astarte. Os rituais pagãos desses povos eram repletos de orgias, homossexualidade, e sacrifícios de animais e de crianças. Infelizmente, Israel fora seduzido por essas festividades pagãs (Jz 2.7-13, 17), assim como ainda hoje muitos são atraídos por esses hediondos pecados (Rm 1.18-32).

MENSAGEM Nº 07: “A Diferença entre os Justos e os Ímpios”
    TEXTO: ML. 3.18 : “ Então vereis outra vez a diferença entre o justo e o ímpio, entre o que serve a Deus e o que não serve”
            CONTEXTO HISTÓRICO, PROFETA MALAQUIAS E PROPÓSITO DO LIVRO 
    O profeta Malaquias foi o último profeta do antigo testamento, tendo vivido em 430 a c. algum tempo depois alguns eventos históricos marcaram o mundo de então que foi a dominação Alexandre o magno, na implantação do império grego-macedônio no ano de 323 a c.e a expansão do império romano pela palestina. Em 63 a c. o general Pompeu tomou Jerusalém.
O livro de MALAQUIAS descreve a situação do povo judeu no período pós exílico, contemporâneo de  NEEMIAS. Era um profeta sacerdotal, que ministrava no templo. Suas firmes convicções a favor da fidelidade ao concerto do povo escolhido por Deus e contra a adoração hipócrita e mecânica. Pregou contra a idolatria, o divórcio e contra o roubo a Deus nos dízimos e ofertas a Deus. Este livro revela  um homem de rigorosa integridade e de intensa devoção a Deus. Nesta época o templo já havia sido reedificado e os sacrifícios e festas dos povo judeu havia sido restaurado. Um conhecimento da Lei havia sido reintroduzido pela mestre Esdras. Contudo a apostasia, a negligência espiritual era semelhante à situação em que Neemias encontrara em Judá após ter voltado da Pérsia para servir como governador em Jerusalém. Os dízimos e ofertas eram negligenciados e o concerto do casamento era violado, pois os homens judeus se divorciavam para casarem com mulheres pagãs, provavelmente mais jovens e bonitas.
Após Malaquias seguem 400 anos de silêncio profético; até João Batista.
            DIFERENÇA ENTRE OS JUSTOS E OS ÍMPIOS 
A diferença entre os que servem a Deus e os que não tem qualquer compromisso com Ele é muito grande. Pode-se, por exemplo, elencar 5 aspectos para se ressaltar tais diferenças:
NO ESPÍRITO    O justo tem o espírito revivicado, o ímpio mortificado -  NA ALMA –  A alma do Justo é restaurada, sadia e abençoada. A do ímpio é abalada, conturbada e sem Paz; muitas vezes, depressiva.  -  NA CONDIÇÃO ESPIRITUAL    O Justo tem a condição espiritual de perdoado por Deus    REMIDO e SALVO. O ímpio está distanciado de Deus, e por isso mesmo (por renegar a este  Deus, Cristo) encontra-se condenado.
NO DESTINO ETERNO – O Justo tem, pela fé no sacrifício da Cruz de Cristo, seu “Passaport” assegurado para a vida eterna. Enquanto o ímpio encontra-se sem perspectiva de vida eterna.  -  NAS BÊNCÃOS DE PROSPERIDADE    O Justo tem sobre si as promessas de Deus, inclusive de prosperidade espiritual e material.  Ao ímpio, falta-lhe quase tudo e nunca está satisfeito com o que possui.
3)         CONCLUSÃO:
É muito bom servir a Deus, pois somente Ele tem condições de satisfazer a alma humana. Nós fomos criados para seu Louvor, para Adorarmos a Deus  na beleza de sua santidade. As diferenças entre aquele que serve a Deus, denominado de Justo e o que não busca alcançar sua redenção eterna e permanece irreconciliado com Deus, são muito grandes, como vimos e em vários aspectos. SERVIR A DEUS é a melhor coisa que há!  Experimente você também essa comunhão que a presença de Cristo Jesus proporciona, envolvendo-nos com PAZ, ESPERANÇA e com o seu AMOR infinito, que de tão grande não cabe nem no   universo inteiro. Desfrutar dessa comunhão com Deus e ser Justificado de nossos delitos e pecados é altamente restaurador e envolvente da sua própria presença, a nos proporcionar tudo de que necessitamos para vivermos uma vida de vitórias ! CRISTO VIVE dentro daquele que crê em sua obra salvívica e sua ressurreição dentre os mortos e que, mediante essa sua fé, alcança a JUSTIFICAÇÃO de sua pessoa, tornando-se JUSTO pelo sacrifício da Cruz de Cristo! Destarte concluímos que, nós os JUSTOS somos diametralmente diferentes dos maus, que encontram-se destituídos das bênçãos de Deus!
Fonte: http://www.estudantesdabiblia.com.br/licoes_cpad/2009/2009_02_08.htm

O Homem Impregnado de Religiosidade

Gênesis 3:7 e 21 Então, foram abertos os olhos de ambos, e conheceram que estavam nus; e coseram folhas de figueira, e fizeram para si aventais. 21 E fez o SENHOR Deus a Adão e a sua mulher túnicas de peles e os vestiu.
       Em Gênesis capitulo três, tomamos conhecimento da trágica decisão de Adão e Eva, que após desobedecerem a uma ordem de Deus, descobrem que estão nus e resolvem se esconder de Deus colocando folhas para tapar sua nudez (V7). Este versículo sete nos mostra uma realidade nos dias de hoje, quando vemos pessoas também enganadas ou por desconhecimento da graça de Deus, que tentam esconder sua situação pecaminosa através da pratica de boas obras, através da religião ou da justiça própria, já no caso do versículo vinte e um, É Deus que sacrifica um animal, faz da pele túnicas e veste Adão e Eva. Que contraste incrível há nestes dois versículos, um mostra o homem tentando esconder seus pecados, e no outro nos mostra Deus cobrindo o pecado do homem. Outra coisa interessante é que um animal é sacrificado, será que Deus não podia tapar a nudez de Adão e Eva com outras folhas? A resposta é que Deus decidiu através deste ato, passar uma mensagem para a humanidade, de que sem derramamento de sangue, não há remissão dos pecados. Tal fato já apontava para o sacrifício de seu filho na cruz para salvar o homem de seus pecados, é isto, vem de Deus, é dom de Deus e não do homem. Uma das lições que aprendemos nestes versículos é que não adianta o homem se impregnar de religiosidade, boas obras e justiça própria, se ele não aceitar a salvação que vem de Deus. Quando o homem tenta impressionar a Deus pelas suas justiças, boas obras e religiosidade, na verdade o que ele está oferecendo é fogo estranho (abominação) e tudo isto não passa de folhas de figueira. Devemos destacar que as obras são importante na vida do homem, mas não para a salvação. O homem é salvo para as obras e não pelas obras. Jesus é o enviado de Deus em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça, Efésios 1:7. Pense nisto.
Adalberto Pimentel da Silva  

Lição 2 - Vem O Fim, O Fim Vem - A Apostasia Dos Últimos Tempos

Texto Áureo:  TU, porém, fala o que convém à sã doutrina. (Tt 2.1)
 
Verdade Prática: Somente uma Igreja alicerçada na bíblia sagrada poderá opor-se à apostasia que ameaça o rebanho de nosso Senhor JESUS CRISTO
 
Leitura Diária:
Segunda: Jr 8.5 A apostasia desvia o povo de DEUS
Jeremias 5 = 3 Ah! SENHOR, não atentam os teus olhos para a verdade? Feriste-os, e não lhes doeu; consumiste-os,  e não quiseram receber a correção; endureceram as suas faces mais do que uma rocha; não quiseram  voltar.
 Jeremias 9 = 6 A tua habitação está no meio do engano; pelo engano recusam conhecer-me, diz o SENHOR.
Jeremias continua a expressar a sua angústia por causa do povo rebelde de Deus e da sua recusa em arrepender-se e assim escapar da destruição que se aproxima. Queria chorar, mas sua dor era profunda demais para ele verter lágrimas. Exclamações de angústia, declarações de culpa e advertências sobre o castigo inevitável do povo estão por todo este capítulo
 
Terça: 2Ts 2.3 A apostasia tem sua origem no Diabo
SEM QUE ANTES... Paulo explica os eventos que assinalarão o início do Dia do Senhor, e passa a considerar a destruição do "homem do pecado" e dos ímpios no fim desta era. A seqüência dos eventos será assim: (1) No decurso de toda a época da igreja, um "mistério da injustiça" (v. 7) está em ação, o que nos faz lembrar que o fim está chegando; o mal se tornará cada vez mais desenfreado à medida que a história chega ao fim. (2) À medida que o "mistério da injustiça" predomina, a apostasia na igreja atingirá proporções cada vez maiores (v. 3; cf. Mt 24.12; 2 Tm 4.3,4). (3) O detentor, i.e., o que restringe o "mistério da injustiça", é então tirado do meio (vv. 6,7). (4) Em seguida, manifesta-se "o homem do pecado" (vv. 3,4,7,9,10). (5) A apostasia chega ao auge, na sua rebelião total contra  Deus e sua Palavra; Deus envia uma influência enganadora sobre aqueles que não amam a verdade (vv. 9-11). (6) Mais tarde, "o homem do pecado" é destruído com todos aqueles que tiveram prazer na iniqüidade (v. 12). Isso ocorre à vinda de Cristo, depois da tribulação, i.e., no fim desta era (v. 8; Ap 19.20,21).
 
Quarta: 1Tm 4.1 A apostasia marcará os últimos tempos
APOSTATARÃO ALGUNS DA FÉ. O Espírito Santo revelou explicitamente que haverá, nos últimos tempos, uma rebeldia organizada contra a fé pessoal em Jesus Cristo e da verdade bíblica (cf. 2 Ts 2.3; Jd 3,4). (1) Aparecerão na igreja pastores de grande capacidade e poderosamente ungidos por Deus. Alguns realizarão grandes coisas por Deus, e pregarão a verdade do evangelho de modo eficaz, mas se afastarão da fé e paulatinamente se voltarão para espíritos enganadores e falsas doutrinas. Por causa da unção e do zelo por Deus que tinham antes, desviarão a muitas pessoas. (2) Muitos crentes se desviarão da fé porque deixarão de amar a verdade (2 Ts 2.10) e de resistir às tendências pecaminosas dos últimos dias (cf. Mt 24.5,10-12; ver 2 Tm 3.2,3). Por isso, o evangelho liberal dos ministros e educadores modernistas encontrará pouca resistência em muitas igrejas (4.1; 2 Tm 3.5; 4.3; ver 2 Co 11.13). (3) A popularidade dos ensinos antibíblicos vem sobretudo pela ação de Satanás, conduzindo suas hostes numa oposição cerrada à obra de Deus. A segunda vinda de Cristo será precedida de uma maior atividade de satanismo, espiritismo, ocultismo, possessão e engano demoníacos, no mundo e na igreja (Ef 6.11,12). (4) A proteção do crente contra tais enganos e ilusões consiste na lealdade total a Deus e à sua Palavra inspirada, e a conscientização de que homens de grandes dons e unção espirituais podem enganar-se, e enganar os outros com sua mistura de verdade e falsidade. Essa conscientização deve estar aliada a um desejo sincero do crente praticar a vontade de Deus (Jo 7.17) e de andar na justiça e no temor de Deus (Sl 25.4,5,12-15). (5) Os crentes fiéis não devem pensar que pelo fato da apostasia predominar dentro do cristianismo nesses últimos dias, não poderá ocorrer reavivamento autêntico, nem que o evangelismo segundo o padrão do NT não será bem-sucedido. Deus prometeu que nos "últimos dias" salvará todos quantos invocarem o seu nome e que se separarem dessa geração perversa, e que Ele derramará sobre eles o seu Espírito Santo (At 2.16-21,33,38-40; 3.19)
 
Quinta: Jd 4
Gálatas 2 4 E isso por causa dos falsos irmãos que se tinham entremetido e secretamente entraram a espiar a nossa liberdade que temos em Cristo Jesus, para nos porem em servidão;
 2 Pedro 2 1 E também houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição.
 Romanos 9 21 Ou não tem o oleiro poder sobre o barro, para da mesma massa fazer um vaso para honra e outro para desonra?
22 E que direis se Deus, querendo mostrar a sua ira e dar a conhecer o seu poder, suportou com muita paciência os vasos da ira, preparados para perdição,
 
Sexta: 2Tm 4.3 A apostasia não suporta a sã doutrina
Porque virá tempo em que não sofrerão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si 8doutores conforme as suas próprias concupiscências;
 
 NÃO SOFRERÃO A SÃ DOUTRINA. No decurso da história da igreja sempre houve aqueles que não amam a sã doutrina. À medida que o fim se aproxima, a situação nesse sentido tornar-se-á pior (cf. 3.1-5; 1 Tm 4.1). (1) "Não sofrerão a sã doutrina" (v. 3). Muitos professarão ser cristãos, freqüentarão as igrejas e mostrarão que servem a Deus, mas não aceitarão a fé apostólica original do NT, nem as exigências bíblicas ordenando que o crente separe-se da injustiça (3.5; cf. Rm 1.16). (2) "Desviarão os ouvidos da verdade" (v. 4). A autêntica pregação bíblica de um homem de Deus não mais será aceita por muitas igrejas. Os desviados da verdade desejarão sermões que apresentem um evangelho menos exigente (cf. 2.18; 3.7,8; 1 Tm 6.5; Tt 1.14). Já não aceitarão trechos da Palavra de Deus que tratam de arrependimento, pecado, perdição, necessidade da santidade e de separação do mundo (cf. 3.15-17; Jr 5.31; Ez 33.32). (3) "Amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências" (v. 3). Esses falsos crentes não quererão pastores segundo os padrões da Palavra de Deus (cf. 1.13,14; 1 Tm 3.1-10), mas buscarão os que toleram seus desejos egoístas e mundanos. Escolherão pregadores com dons de oratória, com a habilidade de divertir o povo e com uma mensagem que lhes assegure que é possível ser crente e continuar vivendo segundo a carne (cf. Rm 8.4-13; 2 Pe 2). (4) O Espírito Santo adverte todos que permanecem fiéis a Deus e se submetem à sua Palavra, que lhes aguardam perseguição e sofrimento, por amor à justiça (3.10-12; Mt 5.10-12). Além disso, devem separar-se das pessoas, das igrejas e das instituições que negam o poder de Deus para a salvação, e que pregam um evangelho modificado (3.5; ver Gl 1.9; 1 Tm 4.1,2; 2 Pe 2.1; Jd 3; Ap 2.24). Devemos sempre ser leais ao evangelho do NT e aos fiéis ministros de Deus que o proclamam. Assim, poderemos ter certeza de estreita comunhão com Cristo (Ap 3.20-22) e de tempos de refrigério pela presença do Senhor (At 3.19,20)
 
Sábado: 1Tm 1.9,10 A apostasia é condenável
Ocorrerá a “apostasia” (gr. apostasia), que literalmente significa “desvio’’, “afastamento’’, “abandono’’ (2.3). Nos últimos dias, um grande número de pessoas da igreja apartar-se-á da verdade bíblica.

(a) Tanto o apóstolo Paulo quanto Cristo revelam um quadro difícil da condição de grande parte da igreja — moral, espiritual e doutrinariamente — à medida que a era presente chega ao seu fim (cf. Mt 24.5, 10-13, 24; 1Tm 4.1; 2Tm 4.3,4). Paulo, principalmente, ressalta que nos últimos dias elementos ímpios ingressarão nas igrejas em geral.
(b) Essa “apostasia” dentro da igreja terá duas dimensões. (i) A apostasia teológica, que é o desvio de parte ou totalidade dos ensinos de Cristo e dos apóstolos, ou a rejeição deles (1Tm 4.1; 2 Tm 4.3). Os falsos dirigentes apresentarão uma salvação fácil e uma graça divina sem valor, desprezando as exigências de Cristo quanto ao arrependimento, à separação da imoralidade, e à lealdade a Deus e seus padrões (2Pe 2.1-3,12-19). Os falsos evangelhos, voltados a interesses humanos, necessidades e alvos egoístas, gozarão de popularidade). (ii) A apostasia moral, que é o abandono da comunhão salvífica com Cristo e o envolvimento com o pecado e a imoralidade. Esses apóstatas poderão até anunciar a sã doutrina bíblica, e mesmo assim nada terem com os padrões morais de Deus (Is 29.13; Mt 23.25-28). Muitas igrejas permitirão quase tudo  para terem muitos membros, dinheiro, sucesso e prestígio (ver 1Tm 4.1). O evangelho da cruz, com o desafio de sofrer por Cristo (Fp 1.29), de renunciar todo pecado (Rm 8.13), de sacrificar-se pelo reino de Deus e de renunciar a si mesmo será algo raro (Mt 24.12; 2Tm 3.1-5; 4.3).
(c) Tanto a história da igreja, como a apostasia predita para os últimos dias, advertem a todo crente a não pressupor que o progresso do reino de Deus é infalível na sua continuidade, no decurso de todas as épocas e até o fim. Em determinado momento da história da igreja, a rebelião contra Deus e sua Palavra assumirá proporções espantosas. No dia do Senhor, cairá a ira de Deus contra os que rejeitarem a sua verdade (1Ts 5.2-9).
 
Leitura Bíblica Em Classe: 2Tm 3.1-9
1 SABE, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. 2 Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, 3 Sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, 4 Traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de DEUS, 5 Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te. 6 Porque deste número são os que se introduzem pelas casas, e levam cativas mulheres néscias carregadas de pecados, levadas de várias concupiscências; 7 Que aprendem sempre, e nunca podem chegar ao conhecimento da verdade. 8 E, como Janes e Jambres resistiram a Moisés, assim também estes resistem à verdade, sendo homens corruptos de entendimento e réprobos quanto à fé. 9 Não irão, porém, avante; porque a todos será manifesto o seu desvario, como também o foi o daqueles.
 
3.1 NOS ÚLTIMOS DIAS... TEMPOS TRABALHOSOS. Os últimos dias incluem a era cristã na sua totalidade. Paulo, porém, profetiza pelo Espírito Santo (cf. 1 Tm 4.1) que as coisas se tornarão piores à medida que o fim se aproximar (cf. 2 Pe 3.3; 1 Jo 2.18; Jd 17,18).
(1) Os últimos dias serão assinalados por um aumento cada vez maior de iniqüidade no mundo, um colapso nos padrões morais e a multiplicação de falsos crentes e falsas igrejas dentro do reino de Deus (Mt 24.11,12; ver 1 Tm 4.1). Esses tempos serão espiritualmente difíceis e penosos para os verdadeiros servos de Deus. (2) Paulo faz essa advertência a fim de reanimar os obreiros que, com suas igrejas, permanecerem leais a Cristo e à sua revelação. A plena bênção da salvação em Cristo e o poderoso derramamento do Espírito Santo continuarão à disposição dos que permanecem leais à fé e à prática dos ensinos do NT. A apostasia na igreja redundará em mais graça e poder para os que se mantiverem firmes na fé original que foi entregue aos santos (At 4.33; Rm 5.20; Jd 3)
3.2 AMANTES DE SI MESMOS. Paulo apresenta uma lista de pecados que têm suas raízes no amor próprio (vv. 2-4). Alguns, hoje, ensinam que a falta do amor a si mesmo (amor-próprio) é a raiz do pecado. A revelação bíblica ensina o contrário.
3.3 SEM AFETO NATURAL. Nos últimos dias, o crente deve estar disposto a enfrentar um volume esmagador de impiedade. (1) O apóstolo profetiza que Satanás promoverá uma grande destruição na família. Os filhos serão "desobedientes a pais e mães" (v. 2), e os homens e mulheres não terão afeto natural (gr. astorgoi). Esta expressão pode ser traduzida "sem afeição à família", e refere-se ao desaparecimento dos sentimentos de ternura e amor naturais; falta esta demonstrada por uma mãe que rejeita os filhos, ou mata seu bebê; por um pai que abandona a família, ou os filhos que negligenciam os devidos cuidados para com seus pais idosos (ver Lc 1.17). (2) Os homens e mulheres passarão a amar idolatradamente o dinheiro e os prazeres, e estarão sempre em busca disso para a satisfação de seus desejos egoístas (v. 2). Ser pai ou mãe, com suas responsabilidades e encargos, e amor sacrificial na criação de filhos, já não será considerado missão nobre, nem dignificante (vv. 2-4). Pais amorosos darão lugar, cada vez mais, a pais egoístas e desumanos que abandonarão seus filhos (cf. Sl 113.9; 127.3-5; Pv 17.6; Tt 2.4,5; ver 2 Tm 4.3,4 ). (3) Se os pais cristãos quiserem
preservar suas famílias nos tempos difíceis dos últimos dias, devem hoje protegê-las contra as práticas infames da sociedade em que vivem (Jo 21.15-17; At 20.28-30), separá-los dos costumes sórdidos do mundo e evitar que os ímpios influenciem seus filhos (At 2.40; Rm 12.1,2). Os pais precisam aceitar o plano de Deus para a família (ver Ef 5.21-25), e não proceder como os ímpios (Lv 18.3-5; Ef 4.17). Eles, e suas famílias, realmente precisarão ser como forasteiros e peregrinos na terra (Hb 11.13-16)
3.5 TENDO APARÊNCIA DE PIEDADE. Paulo se refere àqueles que dizem ser crentes, e, aparentam santidade, porém, não demonstram que foram libertos por Deus, do pecado, do egoísmo e da imoralidade. Tais pessoas toleram a imoralidade nas suas igrejas e ensinam que é possível praticar os pecados citados nos versículos 2-4 e, ao mesmo tempo, serem crentes (cf. vv. 5-9; 4.3,4; 2 Pe 2.12-19; ver 1 Co 6.9).
3.8 RESISTEM À VERDADE. Uma das coisas que identifica o falso mestre na igreja é a sua oposição às verdades básicas do evangelho, ou sua indiferença para com elas (ver 1 Tm 4.1).
 
Comentários
 
Introdução:
Lc 11.24 Quando o espírito imundo tem saído do homem, anda por lugares secos, buscando repouso; e, não o achando, diz: Tornarei para minha casa, de onde saí. 25 E, chegando, acha-a varrida e adornada. 26 Então vai, e leva consigo outros sete espíritos piores do que ele e, entrando, habitam ali; e o último estado desse homem é pior do que o primeiro.
SETE ESPÍRITOS PIORES... E... HABITAM ALI. O assunto aqui fica claro, ante o trecho paralelo de Mt 12.43-45, que fala da casa desocupada.
(1) A passagem ressalta o fato de que na sua conversão (Jo 3.3) o crente deve, não somente ser liberto do pecado, mas também, a partir daí, dedicar-se totalmente a Cristo, à oração, à retidão, à Palavra e ao recebimento da plenitude do Espírito Santo.
(2) Satanás não deixa de atacar o crente após a sua conversão. Seu poder é uma ameaça contínua e incessante (22.31; ver Mt 6.13). A nossa proteção contra o pecado e Satanás vem pela nossa plena consagração a Cristo e o emprego de todos os meios de graça que nos são disponíveis através de Cristo (ver Ef 6.11).
(3) O crente que foi liberto de poderes demoníacos, porém não renuncia totalmente ao pecado, não dá liberdade em sua vida ao Espírito de Deus e está dando lugar ao retorno de espíritos maus piores do que os anteriores.
 
I – O QUE É APOSTASIA
Vede, irmãos, que nunca haja em qualquer de vós um coração mau e infiel, para se apartar do DEUS vivo. (Hebreus 3: 12)
A apostasia (grego apostasia) aparece duas vezes no NT como substantivo (At 21.21; 2Ts 2.3) e, aqui em Hebreus 3.12, como verbo (grego aphistemi, traduzido “apartar”). O termo grego é definido como decaída, deserção, rebelião, abandono, retirada ou afastar-se daquilo a que antes se estava ligado.
Apostatar significa cortar o relacionamento salvífico com CRISTO, ou apartar-se da união vital com Ele e da verdadeira fé nEle. Sendo assim, a apostasia individual é possível somente para quem já experimentou a salvação, a regeneração e a renovação pelo ESPÍRITO SANTO ( Lc 8.13; Hb 6.4,5); não é simples negação das doutrinas do NT pelos inconversos dentro da igreja visível. A apostasia pode envolver dois aspectos distintos, embora relacionados entre si: (a) a apostasia teológica, i.e., a rejeição de todos os ensinos originais de CRISTO e dos apóstolos ou dalguns deles (1Tm 4.1; 2Tm 4.3); e (b) a apostasia moral, i.e., aquele que era crente deixa de permanecer em CRISTO e volta a ser escravo do pecado e da imoralidade (Is 29.13; Mt 23.25-28; Rm 6.15-23; 8.6-13).
Os passos que levam à apostasia são:
(a) O crente, por sua falta de fé, deixa de levar plenamente a sério as verdades, exortações, advertências, promessas e ensinos da Palavra de DEUS (Mc 1.15; Lc 8.13; Jo 5.44,47; 8.46).
(b) Quando as realidades do mundo chegam a ser maiores do que as do reino celestial de DEUS, o crente deixa paulatinamente de aproximar-se de DEUS através de CRISTO (4.16; 7.19,25; 11.6).
(c) Por causa da aparência enganosa do pecado, a pessoa se torna cada vez mais tolerante do pecado na sua própria vida (1Co 6.9,10; Ef 5.5; Hb 3.13). Já não ama a retidão nem odeia a iniqüidade (ver 1.9 ).
(d) Por causa da dureza do seu coração (3.8,13) e da sua rejeição dos caminhos de DEUS (v. 10), não faz caso da repetida voz e repreensão do ESPÍRITO SANTO (Ef 4.30; 1Ts 5.19-22; Hb 3.7-11).
(e) O ESPÍRITO SANTO se entristece (Ef 4.30;  Hb 3.7,8); seu fogo se extingue (1Ts 5.19) e seu templo é profanado (1Co 3.16). Finalmente, Ele afasta-se daquele que antes era crente (Jz 16.20; Sl 51.11; Rm 8.13; 1Co 3.16,17; Hb 3.14). 
A apostasia começou com Satanás que desejou ser igual a DEUS e intentou subir mais alto do Ele, para isto se desviou da carreira que lhe estava proposta para se revoltar contra DEUS, o seu Criador e Senhor.
 
II - O ESFRIAMENTO DO AMOR CRISTÃO
1. CRISTO adverte a sua Igreja
Se a apostasia continua sem refreio, o indivíduo pode, finalmente, chegar ao ponto em que não seja possível um recomeço. (a) Isto é, a pessoa que no passado teve uma experiência de salvação com CRISTO, mas que deliberada e continuamente endurece seu coração para não atender à voz do ESPÍRITO SANTO (3.7-19), continua a pecar intencionalmente (10.26) e se recusa a arrepender-se e voltar para DEUS, pode chegar a um ponto sem retorno em que não há mais possibilidade de arrependimento e de salvação (6.4-6; Dt 29.18-21 ; 1 Sm 2.25 ; Pv 29.1 ). Há um limite para a paciência de DEUS (ver 1 Sm 3.11-14; Mt 12.31,32; 2 Ts 2.9-11; Hb 10.26-29,31; 1 Jo 5.16). (b) Esse ponto de onde não há retorno, não se pode definir de antemão. Logo, a única salvaguarda contra o perigo de apostasia extrema está na admoestação do Espírito: Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos corações ( 3.7,8,15; 4.7).
 
2. Reavivando o primeiro amor
Quem, sinceramente, preocupa-se com sua condição espiritual e sente no seu coração o desejo de voltar-se arrependido para DEUS, tem nisso uma clara evidência de que não cometeu a apostasia imperdoável. As Escrituras afirmam com clareza que DEUS não quer que ninguém pereça (2 Pe 3.9;  Is 1.18,19; 55.6,7) e declaram que DEUS receberá todos que já desfrutaram da graça salvadora, se arrependidos, voltarem a Ele ( Gl 5.4 com 4.19; 1 Co 5.1-5 com 2 Co 2.5-11; Lc 15.11-24; Rm 11.20-23; Tg 5.19,20; Ap 3.14-20; note o exemplo de Pedro, Mt 16.16; 26.74,75; Jo 21.15-22).
 
Quando iniciamos a vida com Cristo, nossa esperança é real e totalmente contagiante. Ao longo do tempo, porém, ela parece enfraquecer, e não temos a mesma vibração. Nos primeiros capítulos do Apocalipse encontramos as cartas enviadas às sete igrejas. Éfeso, a primeira, destacou-se como a igreja do "Primeiro amor" correspondia ao período do cristianismo emergente, anos 31 a 100 dC.

O apóstolo João descreve o elogio a Éfeso mencionando que apesar das perseguições e dificuldades ela não perdeu o seu primeiro amor e esperança. Mas, quando avançamos as eras a descrição muda. Por exemplo, Pérgamo e Tiatira, terceira e quarta igrejas (ou períodos do cristianismo) 4º ao 16º séculos, recebem advertências e repreensões pela conduta. Enfraquecera o primeiro amor e esperança!

Como podemos evitar a oscilação em nossa esperança pessoal? Como cuidar para não ter uma esperança presunçosa ou esperança apática? A Bíblia tem o equilíbrio.
 
REAVIVAR É DAR VIDA OUTRA VEZ, PORTANTO DEVE AQUELE QUE APOSTATOU, PELO MENOS TENTAR VOLTAR A TER DEUS COMO CENTRO DE SUA VIDA, POIS O PAI AMOROSO E PERDOADOR ESTÁ A ESPERÁ-LO.
 
1Jo 1.8 Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. 9 Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.
 
1.8 SE DISSERMOS QUE NÃO TEMOS PECADO. João emprega o substantivo "pecado" em vez da forma verbal "pecamos", para enfatizar o pecado como um princípio imanente na natureza humana.
(1) João está provavelmente argumentando contra os que afirmam que o pecado não existe como um princípio ou poder na natureza humana, ou contra os que afirmam que as más ações que eles cometem não são realmente pecado. Essa heresia continua ainda hoje entre os que negam a realidade do pecado e que interpretam a iniqüidade em termos de causas deterministas, psicológicas ou sociais (ver Rm 6.1; 7.9-11).
(2) Os crentes devem conscientizar-se de que a carne, ou a natureza humana pecaminosa, é uma ameaça constante na sua vida, e que devem sempre estar mortificando as suas más obras por meio do Espírito Santo que neles habita (Rm 8.13; Gl 5.16-25).
1.9 CONFISSÃO DE PECADO. Devemos reconhecer os nossos pecados e buscar em Deus o perdão e a purificação deles. Os dois resultados disso são (1) o perdão divino e a reconciliação com Deus, e (2) a purificação (i.e., remoção) da culpa e a destruição do poder do pecado, a fim de vivermos uma vida de santidade (Sl 32.1-5; Pv 28.13; Jr 31.34; Lc 15.18; Rm 6.2-14).
 
III - DOUTRINA DE BALAÃO
Balaão foi um exemplo claro de apostasia, pois ao saber a vontade de DEUS, que era abençoar; astutamente, para ganhar dinheiro, arrumou uma maneira de fazer o povo escolhido de DEUS pecar.
O que faz de Balaão esse tipo negativo de espiritualidade? Como que o reverso da espiritualidade pode ser visto na vida daquele que tinha aparência de profeta? Atendendo o convite de Balaque, Balaão apresenta quatro profecias sobre os filhos de Jacó acampados no deserto (Nm 23 e 24). Para decepção de Balaque, as profecias anunciadas por Balaão são a favor do povo hebreu.  Notória é a justificativa de Balaão para não amaldiçoar o povo, como queria Balaque: "Porventura não terei cuidado de falar o que o Senhor me puser na boca?" (Nm 23,12); "Não te falei eu dizendo: Tudo o que o Senhor falar, isso tenho de fazer?" (Nm 23,26). 
Mas, surpreendentemente, o capítulo 25 de Números começa com a triste informação que "o povo começou a prostituir-se com as filhas de Moabe" (25,1). O que ocorrera? As profecias de Balaão abençoando o povo não foram suficiente para preservar Israel em santidade? Acontece que Balaão, além de abençoar o povo em cumprimento à ordem de Deus, também revelou a senha do pecado, isto é, mostrou aos midianitas como derrotar Israel. Referindo-se às mulheres midianitas, presas em batalha, o autor nos informa que elas eram "as que, por conselho de Balaão, fizeram que os filhos de Israel pecassem contra o Senhor no caso de Peor, pelo que houve a praga entre a congregação do Senhor" (Nm 31,16). Essa é a tradição seguida pelo autor do Apocalipse: "Algumas coisas tenho contra ti: porque tens aí os que seguem a doutrina de Balaão, o qual ensinava Balaque a lançar tropeços diante dos filhos de Israel, induzindo-os a comerem das coisas sacrificadas a ídolos e a se prostituirem" (ap 2,14).
De um lado, bênçãos proferidas em nome de Deus. Do outro lado, conselhos de indução ao pecado. Logo, proferir palavras divinas, palavras bíblicas, não é sinal de espiritualidade. Ter trejeitos de profeta não implica em compromisso automático com Deus. Sabemos pelo texto bíblico, por exemplo, que o próprio diabo estava a citar os salmos por ocasião da tentação a Cristo no deserto. Boas palavras podem ter bons resultados, independente de quem as evidencie. Há muitos que já se apresentaram como porta-vozes de Deus, sem terem vida exemplar. De um lado são santos, do outro lado, profanos.
Ensinos de falsos profetas
No entanto, tenho contra você algumas coisas: você tem aí pessoas que se apegam aos ENSINOS de Balaão, que ensinou Balaque a armar ciladas contra os israelitas, induzindo-os a comer alimentos sacrificados a ídolos e a praticar imoralidade sexual. Apocalipse 2.14 (NVI)
Balaão foi um falso profeta que vendeu seus serviços a um rei pagão, e que o aconselhou a seduzir Israel a comprometer sua fé por meio da idolatria e imoralidade (Nm 22.5,7; 25.1,2; 31.16; 2 Pe 2.15) A doutrina de Balaão refere-se, portanto, a mestres e pregadores corruptos que, em Pérgamo, levavam suas congregações à transigência fatal com a imoralidade, o mundanismo e as falsas ideologias; tudo por amor à promoção pessoal ou vantagem financeira. Segundo parece, a igreja em Pérgamo tinha mestres que ensinavam ser a fé salvífica em Cristo compatível com a prática da imoralidade. (bep).
PORQUE MUITAS IGREJAS OU CRENTES ACEITAM FALSAS DOUTRINAS?
  1. Busca de avivamento espiritual - sem a Bíblia Sagrada, qualquer avivamento é passageiro. Muitos crentes têm uma visão errada do que é avivamento. Avivamento é o estado ou condição de plena atividade que se mantém desde o nascimento até à morte. Avivamento é ter vida perfeita com Deus, com fortalecimento no nosso homem interior, do poder de Deus.
  2. Busca de crescimento numérico – é a busca do ter em lugar do ser. Quantidade sem qualidade é antibíblico. Deus quer tanto uma como a outra coisa.
  3. Carência de projetos pós-congressos – a ociosidade espiritual conduz muitos crentes a outras reuniões ou movimentos, nos quais aprendem várias heresias, porque a Igreja não provê atividades pós-congressos.
  4. Ausência de estudos bíblicos ministrados de forma sistemática – a falta de estudos bíblicos sistemáticos tem aberto brechas para a entrada de heresias (chavões evangélicos utilizados na Igreja podem produzir doutrinas heréticas: maldição hereditária, confissão positiva, incubação, teologia da prosperidade, etc). Chavões são palavras de efeito, ditas e repetidas inúmeras vezes, com a intenção de fixá-las na mente dos ouvintes, apelando para as emoções.
 
IV - O MISTICISMO HERÉTICO
"Cuidai que ninguém vos seduza" (Mt. 24,4)
Um dos fenômenos mais característicos deste fim de século materialista é o pulular de seitas. Ao longo de uma rua qualquer podem ser encontradas igrejas, capelas, templos, centros e terreiros, freqüentados por multidões de cegos sem rumo. Homens que buscam fábulas, porque já não suportam a verdade. Supersticiosos que perderam a fé e que, sôfregos, desejam adorar a própria opinião. Deserdados, doentes ou miseráveis que têm por ídolo o dinheiro, a vida, a saúde. Todos os que pretendem que Deus os sirva. ( Orlando Fedeli )
HIERARQUIA ESPIRITUAL: MNE - Movimento Nova Era
     Reino de Lúcifer - SCHAMBALA - Anjos Caídos - MESTRES CÓSMICOS - demônios - MAITREYA - Anticristo - AVATAR DE SÍNTESE - Falso Profeta - NOVO GRUPO DE SERVIDORES DO MUNDO - Instruídos – Aspirantes.
     O MNE está impregnado de ocultismo e misticismo. Descaracteriza DEUS (é panteísta) e abomina o cristianismo. Está hoje infiltrado em todos os níveis da sociedade. Artistas, comunicadores, empresários, Marcas e Griffes já trazem o rótulo do MNE. Autoridades políticas e religiosas e Organizações tais como a ONU, CMI e outras, já se identificam com esse novo sistema. O MNE utiliza uma terminologia própria, as palavras mais comuns usadas pelos seus adeptos são: Mãe Terra, Energia Cósmica, Holístico, Aldeia Global, Fluídos Pos/Neg., Etc. Usa símbolos para popularizar e representar suas doutrinas, entre eles:
      A CRUZ DE NERO OU PÉ DE GALINHA: A cruz virada de cabeça para baixo e quebrada. Símbolo de uma falsa paz, sem a necessidade da Cruz de CRISTO.
     A SUÁSTICA: Símbolo ocultista da sorte. De origem Brâmame. Significa: Sva Sti ka (Boa sorte, felicidade e salvação). Foi utilizada por Hitler como representação do seu plano de instalar no planeta sua nova ordem mundial.
     YIN YANG: Uma esfera com dois desenhos que se completam como metades, parecendo seres vivos: um preto e outro branco. Dizem tratar-se do equilíbrio cósmico entre o bem e o mal. Aparecem muito em impressos, brinquedos, camisetas, blusas, etc.
     BORBOLETA SAINDO DO CASULO: Como representação de uma metamorfose na terra. Uma Nova Era para seus habitantes, sob a liderança de seu falso messias, o Maitreya.
     Unificação, Ecumenismo irrestrito. É a nova ordem mundial do MNE. O alvo principal consiste no estabelecimento de uma NOVA ORDEM MUNDIAL, através da implantação de um Governo Mundial Único que controlará e dominará todos os países através de serviços totalmente unificados, econômicos, financeiros, comerciais e geopolíticos. É sem dúvida a preparação do mundo para o governo do anticristo.
Amigo leitor, cuidado! O Movimento Nova Era é como uma moeda. Numa face apregoa a paz, bondade, fraternidade, harmonia e justiça social. Sob estes aspectos é extremamente bonito e agradável. Na outra face, porém, escancara-se nada menos que a face grotesca do inimigo.
Muitos falsos profetas têm-se levantado no mundo, tais como:
Buda, o profeta do budismo; Confúcio, o profeta da China; Maomé, o profeta do islamismo; Allan Kardec, o profeta do espiritismo; Joseph Smith, o profeta do mormonismo; Charles Taze Russel, o profeta da torre de vigia; Mary Baker Eddy, a profetisa da ciência cristã; Max Heindel e H.Spencer Lewis, os profetas do rosacrucionismo; Helen Blavatsky e Annie Besant, os profetas da teosofia; A.C. Bhactivedanta Swami Prabhupada, o profeta da hare-Krishna; Toruchira Miki, o profeta da perfect liberty; Mokiti Okada, o profeta da igreja messiânica; Masaharu Taniguchi, o profeta da seicho-no-iê;  David Brandt Berg, o profeta dos “meninos de DEUS”; Sun Myung Moon, o profeta da unificação, e outros.
São lobos devoradores vestidos de pele de ovelha, e multidões estão sendo enganadas, levadas por esse mar de heresias, dando crédito a esses falsos ensinos. “Virá o tempo (diz a Palavra de DEUS) em que não suportarão a sã doutrina, mas andarão de um lado para o outro, procurando mestres que lhes digam apenas aquilo que desejam ouvir, e desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas”.(II Tm 4.3). Infelizmente muitos pastores, pregadores e ensinadores, que se dizem cristãos, têem se enredado por estes mesmos caminhos.
 
V - A PROSPERIDADE FATAL
Combatendo pela fé uma vez entregue aos santos - Jd 3; I Tm 4.1-6; II Pe 2.1-3
QUAIS SÃO AS HERESIAS MAIS PERIGOSAS, NOS DIAS ATUAIS?
  1. Quebra de maldição hereditária – toda maldição foi quebrada quando aceitamos Cristo como Salvador da nossa alma.
  2. Confissão positiva – a confissão positiva coloca o peso da realização nas palavras pronunciadas e na atitude mental da pessoa e não na fé genuína em Deus (At 3.16; Hb 12.1-2).
  3. Confissão regressiva – é a confissão, de novo, de pecados já perdoados por Cristo, especialmente aqueles cometidos antes da conversão à Cristo.
  4. Sopro espiritual – com a intenção de ver pessoas caírem.
  5. Cura interior – as doenças emocionais são devastadoras, mas Jesus as cura completamente. A heresia está no fato de pregadores relacionarem os problemas emocionais com a maldição hereditária e quererem curá-los com regressão psicológica. Cristo nos cura dos traumas psicológicos e emocionais, até mesmo da auto-imagem negativa, sem necessidade de tratamento psicológico.
  6. Regressão psicológica – esta prática pode deixar seqüelas mentais graves.
  7. A mania de querer mandar em Deus – expressões tais como "eu declaro"; "eu ordeno". "eu profetizo"; "povo de Deus, declare isto: o Brasil é do Senhor Jesus", etc, pronunciadas sem a efetiva ordem de Deus é heresia e não muda situação alguma.
  8. Superstição – crendices, fanatismo, temores de fantasias como, por exemplo, não levantar com o pé esquerdo, ler horóscopos, não passar embaixo de escadas, se entrar por uma porta tem que sair pela mesma, etc.
  9. Incubação – a incubação é uma conseqüência da confissão positiva. Trata-se de se gerar uma imagem mental, direcionada para o alvo que se pretende alcançar. A fé não depende da mentalização ou visualização de quem quer que seja.
  10. Teologia da prosperidade – a Bíblia apresenta a teologia da prosperidade, mas não como se ensina nestes movimentos. Muitos relacionam a vida do crente vitorioso com a sua prosperidade financeira. De fato, Deus deseja que seus filhos seus prósperos, mas não sê-lo não significa falta de salvação ou ausência da benção divina.
  11. Cair no poder – na Bíblia Sagrada há registros de muitos homens santos de Deus caíram debaixo do poder de Deus, mas sempre para frente, com o rosto no chão, conscientes, embora muitos ficaram fisicamente abalados e estivessem, muitas vezes, sozinhos.
 
 
CONCLUSÃO
Através da exposição sadia do Evangelho, o Obreiro do Senhor vai formando uma Igreja composta de crentes sadios na fé, a saber:
  • Uma Igreja sem formalismo e sem fanatismo;
  • Uma Igreja que rejeita as fábulas artificialmente compostas, tais como imaginações humanas, supertições e temores infundados;
  • Uma Igreja que combate as heresias e corrige os ensinamentos antibíblicos que aparecem;
  • Uma Igreja que tem uma vida digna do Evangelho perante Deus e os homens.
COMO PODEMOS AJUDAR OS ALUNOS DA ESCOLA DOMINICAL A SE PREVENIR CONTRA AS HERESIAS E NÃO SE DEIXAR SER POSSUÍDO PELA APOSTASIA?
  1. O professor deve pensar nas necessidades dos seus alunos – este é um critério essencial para que o professor possa aplicar a lição visando o amplo conhecimento dos mesmos.
  2. Trabalhar com os alunos fora da sala de aula - como mestre, deve considerar o seu alto privilégio de ajudar os seus alunos, mesmo fora do ambiente escolar.
  3. Ter seriedade no ensino bíblico - ministrando a lição com as advertências bíblicas, sem rodeios.
  4. Ensinar-lhes a Bíblia - ministrando o estudo sistemático da Bíblia Sagrada.
  5. Orientá-los a não freqüentar reuniões indiscriminadamente – principalmente aquelas de origem duvidosa ou que apresentem ‘novas revelações, novas mensagens’.
  6. Induzi-los a não fazer parte da multidão perdida – multidão não é sinônimo de perfeição ou de bênção divina.
  7. Levá-los a comparar biblicamente os modismos surgidos – a leitura da Bíblia é essencial para que conheçamos as procedências dos modismos que surgem.
  8. Ensiná-los a não ir atrás dos milagres – Jesus disse que os sinais nos seguiriam e não o contrário (Mc 16.15).
Questionário da Lição 2 - Vem O Fim, O Fim Vem - A Apostasia Dos Últimos Tempos
Por Ev.Luiz Henrique - www.henriqueestudos.cjb.net
 
Texto Áureo: 
1- O que devemos falar?
( ) Tudo o que nos vier à mente    ( ) O que convém à sã doutrina    ( ) Tudo o que nos for mandado pelos líderes
Verdade Prática:
2- O que ameaça o rebanho de nosso Senhor JESUS CRISTO?
( ) A alegria    (  ) A fé    ( ) A Oração    ( ) A apostasia
Introdução:
3- A que darão ouvidos alguns da fé, nos últimos tempos?
( ) A doutrinas de santos mestres     ( ) A espíritos enganadores e a doutrinas de demônios
I – O QUE É APOSTASIA
4- O que significa o termo "Apostasia"?
( ) Abandono consciente e público da fé    ( ) Abandono consciente e público da caridade
5- Quais artigos de fé, a apostasia visa atacar?
( ) A soberania de DEUS, a divindade de JESUS e a realidade da vinda de JESUS
( ) A sabedoria de DEUS, a idade de JESUS e a realidade da morte de JESUS
6- Qual é um dos primeiros sintomas da apostasia
( ) Sentir desejo de Orar     ( ) Sentir desejo de mudar e se arrepender     ( ) A perda do primeiro amor
II - O ESFRIAMENTO DO AMOR CRISTÃO
7- Qual era a Igreja mais conservadora e ortodoxa da Ásia Menor?
( ) De Colossos    ( ) De Pérgamo    ( ) De Éfeso    ( ) De Laodicéia
8- O que JESUS disse que tinha contra a Igreja de Éfeso?
( ) Tinha se tornado rica    ( ) Tinha adotado a doutrina de Balaão     ( ) Tinha deixado o primeiro amor
9- Quais os conselhos de JESUS para a Igreja de Éfeso?
( ) Lembra-te, pois, de onde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras
10- O que JESUS diz que faria à Igreja de Éfeso, caso permanecesse em seu pecado?
( ) Lhe daria outro castiçal    ( ) Tiraria do seu lugar o seu castiçal    ( ) Mudaria seu castiçal, de ouro para prata
11- Por que o amor de muitos se esfria, segundo JESUS em Mt 24.12?
( ) Por se multiplicar a eqüidade    ( ) Por se multiplicar a iniqüidade    ( ) Por causa dos problemas do dia a dia
12- Qual a grande comissão que nos confiou JESUS?
( ) Evangelizar, Fazer Missões e Aproveitar a vida    ( ) Evangelizar, Fazer Missões e Discipular
III - DOUTRINA DE BALAÃO
13- Qual doutrina seguiam os crentes de Pérgamo?
( ) A doutrina de Balaão    ( ) A doutrina de João    ( ) A doutrina dos Últimos Dias
14- O que a doutrina de Balaão quer fazer com a igreja?
( ) Comprometê-la com a Palavra de DEUS, impregnando-a com a cultura e com os costumes do céu
( ) Comprometê-la, impregnando-a com a cultura e com os costumes do mundo
IV - O MISTICISMO HERÉTICO
15- Quais são as principais características do Misticismo Herético?
( ) Culto a JESUS, Profecias e  Prodígios     ( ) Culto a DEUS, Profecias e  Prodígios
( ) Culto aos anjos, Falsas Profecias, Prodígios de origem demoníaca e doutrinas de demônios
16- O que convém à casa de DEUS, o nosso Senhor?
( ) Muito dinheiro    ( ) Muitos heréticos    ( ) Santidade
V - A PROSPERIDADE FATAL
17- Qual igreja apóstata é um tipo perfeito da Teologia da Prosperidade?
( ) Éfeso    ( ) Tiatira    ( ) Pérgamo    ( ) Laodicéia    ( ) Filadélfia
18- O que é endeusado pela Teologia da Prosperidade?
( ) JESUS    ( ) O ESPÍRITO SANTO    ( ) Os bens materiais    ( ) DEUS PAI
  
Bibliografia:
www.cpad.com.br Livros, revistas e bíblias
A Bíblia Explicada, S.E.Mcnair; Conhecendo as Doutrinas Bíblicas, Myer Pearlman; Bíblia de Estudo Pentecostal, Apostila FAETEL
http://www.centralgospel.com.br/gospel/estudos/estudos_show.asp?id=719
http://www.adbrasilia.com.br/estudos/heresiasebd.html 
Fonte: site apazdosenhor