quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Lição 5: O cuidado com aquilo que falamos Data: 3 de Novembro de 2013



Lições Bíblicas CPAD - Jovens e Adultos - 4º Trimestre de 2013

Título: Sabedoria de Deus para uma vida vitoriosa — A atualidade de Provérbios e Eclesiastes
Comentarista: José Gonçalves

Lição 5: O cuidado com aquilo que falamos
Data: 3 de Novembro de 2013

TEXTO ÁUREO
 “Favo de mel são as palavras suaves: doces para a alma e saúde para os ossos” (Pv 16.24).

VERDADE PRÁTICA
 As nossas palavras revelam muito do que somos, pois a boca fala do que o coração está cheio.

HINOS SUGERIDOS - 306, 285, 557.

LEITURA DIÁRIA
 Segunda - Pv 15.23
Falando no tempo certo
 Terça - Pv 15.2
A língua como adorno da sabedoria
 Quarta - Pv 6.17
A língua que Deus aborrece
 Quinta - Pv 16.24
A língua como instrumento de cura
 Sexta - Pv 16.21
O saber pela doçura no falar
 Sábado - Tg 3.8
A difícil arte de domar a língua

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
 Provérbios 6.16-19; 15.1,2,23; 16.21.24.

Provérbios 6
16 - Estas seis coisas aborrece o Senhor, e a sétima a sua alma abomina:
17 - olhos altivos, e língua mentirosa, e mãos que derramam sangue inocente,
18 - e coração que maquina pensamentos viciosos, e pés que se apressam a correr para o mal,
19 - e testemunha falsa que profere mentiras, e o que semeia contendas entre irmãos.

Provérbios 15
1 - A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira.
2 - A língua dos sábios adorna a sabedoria, mas a boca dos tolos derrama a estultícia.
23 - O homem se alegra na resposta da sua boca, e a palavra, a seu tempo, quão boa é!

Provérbios 16
21 - O sábio de coração será chamado prudente, e a doçura dos lábios aumentará o ensino.
24 - Favo de mel são as palavras suaves: doces para a alma e saúde para os ossos.

INTERAÇÃO
 Prezado professor, você deve conhecer as seguintes expressões: “Sou sincero!”; “Só falo a verdade!”; “Não levo desaforo para casa!”. Mas quem disse que ser sincero, falar a verdade e não levar desaforo para casa significa estar sempre com a razão? Na verdade, tal postura reflete uma má educação. Vivemos numa sociedade onde se perdeu o respeito mútuo. É no trânsito, na fila do caixa do mercado, na fila dos bancos, nos departamentos das igrejas; as pessoas parecem não ter paciência para esperar, se acalmar. Não pensam duas vezes em usar uma arma poderosa para ofender, maltratar e magoar: a língua. O Evangelho, por outro lado, desafia-nos a agirmos de outra maneira: pagando o mal com o bem.

OBJETIVOS
 Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
Conhecer as consequências das palavras.
Explicar os símbolos usados por Salomão e Tiago.
Ter cuidado com o bom uso da língua.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
 Para concluir a lição desta semana, leia com a classe Tiago 3.3-5. Em seguida, destaque as expressões “freio nas bocas dos cavalos”; “a nau dominada por um pequeno leme” e “a língua, um pequeno membro”. Depois, explique-as afirmando que elas representam um pequeno elemento que é poderoso para impedir ou permitir uma tragédia inigualável. Conclua dizendo que nossa língua, um pequeno órgão, pode edificar vidas mas, também, ofendê-las, magoá-las ou destruí-las. À luz dessas metáforas, desafie os alunos a desenvolverem o autocontrole sobre o que dizem e, consequentemente, fazem.

COMENTÁRIO
 Introdução
 Palavra Chave
Língua: Órgão muscular, situado na boca e na faringe, responsável pelo paladar e auxilia na mastigação e na deglutição, e também na produção de sons, fala.

Provérbios e Tiago contêm as mais belas exposições sobre uma capacidade que apenas os seres humanos possuem: a fala. Na lição de hoje, analisaremos o que as Escrituras revelam sobre esse fascinante dom.
Num primeiro momento, estudaremos como o falar é tratado pelos autores sagrados. Em seguida, veremos os conselhos que Salomão e Tiago dão àqueles que verbalizam pensamentos, princípios e preceitos. O objetivo é mostrar como a literatura sapiencial bíblica toca num ponto sensível da vida humana, muitas vezes esquecido pelos cristãos: a devida e correta utilização das palavras.

I. O PODER DAS PALAVRAS
1. Palavras que matam. É evidente que, dependendo do contexto em que são faladas e por quem são pronunciadas, podem ferir ou até mesmo matar (Pv 18.21a). Este exemplo pode ser observado na vida conjugal, quando uma palavra ofensiva, ou injuriosa, dita por um cônjuge, ofende e magoa o outro. Se não houver perdão de ambas as partes, o relacionamento poderá deteriorar-se (Pv 15.1).
2. Palavras que vivificam. A palavra hebraica dabar significa palavra, fala, declaração, discurso, dito, promessa, ordem. Os temas contemplados pelo uso desses termos são, na maioria das vezes, valores morais e éticos. Salomão tem consciência da importância das palavras e, por isso, afirma: “O sábio de coração será chamado prudente, e a doçura dos lábios aumentará o ensino” (Pv 16.21).

SINOPSE DO TÓPICO (I)
Segundo a Bíblia, dependendo da motivação de quem pronuncia, as palavras podem matar ou vivificar.

II. CUIDADOS COM A LÍNGUA
1. Evitando a tagarelice. Há um provérbio muito popular que diz: “Quem fala o que quer, ouve o que não quer”. Este ditado revela a maneira imprudente de se falar, algo bem próprio do tagarela. Este personagem está presente na tradução do hebraico batah: pessoa que fala irrefletida e impensadamente.
Não basta dizer: “Pronto, falei!”. É preciso medir as consequências do que se fala. E a melhor forma de fazer isso é compreender que na “multidão de palavras não falta transgressão, mas o que modera os seus lábios é prudente” (Pv 10.19). Salomão tinha essa consciência (Pv 13.3).
2. Evitando a maledicência. O livro de Provérbios também apresenta conselhos sobre a maledicência. Ali, a palavra aparece como sendo a sétima abominação, isto é, o ponto máximo de uma lista de atitudes que o Senhor odeia (Pv 6.16-19). O Senhor “abomina” (do hebraico to’ebah) a maledicência ou a contenda entre irmãos.
No original, “abominar” significa “sentir nojo de” e pode se referir a coisas de natureza física, ritual ou ética. Deus se enoja de intrigas entre irmãos. É a mesma palavra usada para descrever coisas abomináveis ao Senhor, tais como a idolatria (Dt 7.25), o homossexualismo (Lv 18.22-30) e os sacrifícios humanos (Lv 18.21)!
 
SINOPSE DO TÓPICO (II)
O conselho bíblico para cuidarmos da nossa língua começa por evitarmos a tagarelice e a maledicência.

III. O BOM USO DA LÍNGUA
1. Quando a língua edifica o próximo. Como servos de Deus, somos desafiados a usar nossas palavras como um meio para ajudar nossos irmãos, através de exortações, bons conselhos e também através do ensino da Palavra de Deus e de seus princípios (1Co 14.26).
2. Nossa língua adorando a Deus. O melhor uso que se pode fazer da palavra é quando a empregamos para dirigir-nos a Deus em adoração. Todo crente fiel sabe disso, ou deveria saber (Pv 10.32). O Senhor se agrada dos sacrifícios de louvor (Hb 13.15). Esse é o segredo para uma vida frutífera e agradável ao Senhor (Ef 5.19,20). Não nos esqueçamos, pois, da maior vocação de nossa língua: louvar e exaltar a Deus.

SINOPSE DO TÓPICO (III)
A língua deve ser usada para edificar o próximo com bons conselhos, exortações e ensino da Palavra de Deus; e exaltar ao Altíssimo adorando-O em Espírito e em Verdade.

IV. SALOMÃO E TIAGO
1. Uma palavra ao aluno. Abundante no livro de Provérbios, a expressão hebraica shama Beni ocorre 21 vezes com o sentido de “ouvi filho meu”. Não há dúvida de que o emprego de tal linguagem revela o amor de uma pessoa mais experiente, dirigindo-se a outra ainda imatura. É alguém sábio e experimentado na vida, passando tudo o que sabe e o que vivenciou ao seu aprendiz (Pv 1.8,10,15; 3.1,21; 5.1,20; 7.1).
São mais de trezentos conselhos como regra do bom viver. Segui-los significa achar o bem, e não segui-los é encontrar-se com o mal.
2. Uma palavra aos mestres. Se por um lado Salomão se dirigiu ao discípulo (do hebraico: filho, aluno), por outro lado Tiago falou àqueles que querem ser mestres. Os que pregam e ensinam a Palavra de Deus têm de falar somente o que convém à sã doutrina (Tt 2.1).
Em sua epístola, Tiago utiliza símbolos extraídos do cotidiano, mas carregados de significado: a) Freios: Assim como o freio controla o animal, deve o crente refrear e controlar a sua língua; b) Leme: Se o leme conduz o navio ao porto desejado, deve o crente dirigir o seu falar para enaltecer a Deus; c) Fogo: Uma língua sem freios e fora de controle queima como fogo. Por isso, mantenhamos a nossa língua sob o domínio do Espírito Santo; d) Mundo: A língua pode se tornar um universo de coisas ruins. Então, o que fazer? Transformá-la num manancial de coisas boas; e) Veneno: O perigo reside em alguém possuir uma língua grande e ferina e, portanto, venenosa. f) Fonte: Como fonte, a língua deve jorrar coisas próprias à edificação; g) Árvore: A boca do crente, por conseguinte, deve produzir bons frutos. Portanto, usemos as nossas palavras para a glória de Deus (Tg 3.1-12).

SINOPSE DO TÓPICO (IV)
Ao ensinar os provérbios, Salomão tem em mente ensinar os discípulos, enquanto Tiago aconselha os mestres.

CONCLUSÃO
Vimos nesta lição os conselhos dos sábios sobre o bom uso da língua. A linguagem, como algo peculiar ao ser humano, é muito preciosa para ser usada iniquamente. Não permitamos, pois, que a nossa língua seja instrumento de um dos pecados que Deus mais abomina: a disseminação de contendas entre os irmãos.
À luz da Palavra de Deus, somos encorajados a andar em união, harmonia e paz. Portanto, com a nossa língua abençoemos o nosso semelhante, pois assim fazendo, bendiremos também ao Senhor nosso Deus.

VOCABULÁRIO
Nau: Designação genérica que até o século XV se aplicava a navios de grande porte.
Leme: Peça plana, localizada na parte submersa da popa de uma embarcação, gira em um eixo e determina a direção em que aponta a proa do navio.
Personificá-las: Expressar, tornar viva e concreta uma ideia através de pessoas.
Ápice: Extremo superior; ponto máximo, culminância, apogeu.
Desvelo: Ato ou efeito de desvelar-se. Isto é, agir com diligência; zelar, cuidar, empenhar-se.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
HUGHES, R. K. Disciplinas do Homem Cristão. 3 ed., RJ: CPAD, 2004.
SEAMANDS, S. Feridas que Curam: Levando Nossos Sofrimentos à Cruz. 1 ed., RJ: CPAD, 2006.

EXERCÍCIOS
1. Dependendo do contexto em que são faladas, e por quem são pronunciadas, o que as palavras podem fazer? Dê um exemplo.
R. Podem matar uma pessoa. Por exemplo, na vida conjugal quando o cônjuge ofende e magoa o outro através das palavras.

2. Segundo a tradução do termo hebraico batah, o que significa tagarela?
R. Pessoa que fala irrefletida e impensadamente.

3. Qual atitude o Senhor abomina segundo o livro de Provérbios?
R. A maledicência ou a contenda entre irmãos.

4. Como servos de Deus, o que somos desafiados a fazer com nossas palavras?
R. Usá-las como um meio para ajudar nossos irmãos.

5. Se por um lado, em Provérbios, Salomão se referiu aos discípulos, a quem Tiago se dirigiu?
R. Aos mestres, aqueles que labutam no ensino.

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO I

Subsídio Vida Cristã
“DISCIPLINA DA LÍNGUA
Que poder tem a palavra escrita ou falada! Nações se ergueram, e nações caíram pela língua. Vidas foram enaltecidas e rebaixadas pelo falar humano. A bondade flui como um doce rio de nossas bocas, da mesma forma, o esgoto. A pequena língua, sem dúvida, é uma força poderosa.
[...] Tiago, o irmão do Senhor, entendia isto tão bem, quanto qualquer homem na história e, através do uso de analogias gráficas, ele nos deu a mais penetrante exposição sobre a língua do que qualquer texto literário, seja secular ou sagrado [...] (Tg 3.3-5).
[...] A principal preocupação de Tiago é com o poder destrutivo da língua, e isto produz uma das mais provocantes declarações: ‘Vede como uma fagulha põe em brasa tão grande selva! Ora, a língua é fogo; é mundo de iniquidade; a língua está situada entre os membros de nosso corpo e contamina o corpo inteiro e não só contamina e não só põe em chamas toda a carreira da existência humana, como é posta ela mesma em chamas pelo inferno’ (vv.5,6)” (HUGHES, R. K. Disciplinas do Homem Cristão. 3 ed., RJ: CPAD, 2004, pp.126-27).

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II
Subsídio Teológico
“Abençoando o Malfeitor
Fazer o bem àqueles que nos fizeram mal envolve tanto palavras quanto atos, tanto bênçãos quanto servir. John Stott afirma: ‘Na nova comunidade de Jesus as maldições devem ser substituídas por bênçãos; a malícia, por oração; e a vingança, por serviço. De fato, a oração purga o coração da malícia; os lábios que abençoam não podem, ao mesmo tempo, amaldiçoar; e a mão ocupada com serviços fica impedida de se ocupar com vingança’.
No entanto, deixemos claro que na prática, conquistar o mal com o bem envolve muitas vezes a obstinação e a dureza que vai contra nossas concepções sentimentalizadas da bondade. A fim de verdadeiramente fazermos o bem para alguém implicará dar o que mais precisa — não necessariamente o que ele quer. Por exemplo, fazer o bem para um pai ameaçador e ditatorial que insiste em controlar seu filho adulto pode significar resistir a ele e se recusar a ceder a suas exigências. Por outro lado, no caso de uma mãe fraca e indecisa fazer o bem significa se recusar a tomar qualquer atitude a fim de que ela seja forçada a tomar suas decisões. Como Allender e Longman sugerem: ‘Em muitos casos, um amor [tão] corajoso muitas vezes enerva, fere, pertuba e compele a pessoa amada a lidar com as enfermidades interiores que estão roubando a alegria dela e dos outros’.
Esse tipo de amor vigoroso é exemplificado na última frase da passagem de Provérbios citada por Paulo. A frase diz que ao dar comida e bebida a nossos inimigos amontoa-se ‘brasas de fogo sobre a [nossa] cabeça’ (Rm 12.20). Embora isso possa nos parecer um ato pouco amigável, nos tempos bíblicos, essa era uma figura de linguagem para dizer que isso traz um profundo sentimento de vergonha a seus inimigos, não a fim de ofendê-los ou humilhá-los, mas para levá-los ao arrependimento e à reconciliação” (SEAMANDS, S. Feridas que Curam: Levando Nossos Sofrimentos à Cruz. 1 ed., RJ: CPAD, 2006, pp.166-67).

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO
O Cuidado Com Aquilo que Falamos
De todos os seres criados pelo Todo-Poderoso, o homem é o único que possuiu um aparelho fonador. Logo, podemos afirmar que a fala é um dom divino que distingue o ser humano. É algo realmente especial que pode ser usado para o bem como para o mal. Tiago compara a língua a um fogo devastador (Tg 3.6). Pois uma pequena fagulha pode queimar e destruir uma floresta inteira. Ele ainda afirma que “nenhum homem pode domar a língua” (Tg 3.8). Com a nossa língua podemos bendizer a Deus e maldizer o próximo. Ter o controle da língua não é fácil, mas não é impossível para o crente. Quem consegue controlar a língua, controla todo o seu ser.
Nossa maneira de falar nos identifica, revelando o nosso verdadeiro eu, pois a boca fala do que o coração está cheio (Mt 12.34). É do coração, ou seja, do íntimo do ser humano que procedem os males. Certa vez, Pedro foi identificado como alguém que esteve com Jesus somente pelo seu linguajar (Mt 26.73). Sua fala evidencia que você é um cristão?
Muito se falou a respeito do poder das palavras e não faltou heresia. Sabemos que nossas palavras não têm poder em si mesmas. Todavia, não podemos sair por aí falando o que nos vem à cabeça, pois nossas palavras afetam o nosso próximo de forma positiva ou negativa. Por isso, o livro de Provérbios dá uma ênfase especial ao modo como empregamos as palavras. Jesus também ensinou que no Dia do Juízo, todos terão que dar conta diante de Deus por suas palavras (Mt 12.36).
Quer aprender a guardar sua língua do mal? Então leia e estude o livro de Provérbios, pois nele podemos encontrar ensinamentos preciosos a respeito do uso da língua. Um destes ensinos é a respeito do ser moderado no falar (Pv 21.23). Você fala demais? Então tome cuidado! Quem fala em demasia prejudica o outro e a si próprio (Pv 13.3). Vários Provérbios tratam a respeito da língua mentirosa e da calúnia (Pv 6.17). A difamação, em especial nos blogs e nas redes sociais, tem feito muitas vítimas. A calunia é devastadora e consegue separar até os amigos mais íntimos (Pv 16.28). O Diabo é o pai da mentira (Jo 8.44) e toda mentira e engano procedem dele. Muitos usam sua língua para fazer fofoca, caluniar os outros ou distorcer a verdade. Saiba que Deus abomina a língua mentirosa (Pv 6.17).
Aprendamos com os conselhos dos sábios a usar nossa língua de maneira que o nome do Senhor seja glorificado.
Fonte: http://www.estudantesdabiblia.com.br/licoes_cpad/2013/2013-04-05.htm

Está na hora de obedecer à verdade

1 - Reconheça que você é um pecador
 
Romanos 3:23
Porque todos pecaram, e destituídos estão da glória de Deus.
 
I João 1:8
Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós.
   
2 - Por ser pecador, admita que você é culpado diante de Deus
 
Romanos 6:23a
Porque o salário do pecado é a morte...
 
Ezequiel 18:20a
A alma que pecar, essa morrerá...
   
3 - Sendo um pecador culpado diante de Deus, você está totalmente perdido. Se você morrer agora, irá direto para o inferno, e no dia do juízo você será lançado no lago de fogo e enxofre.
 
II Tessalonicenses 1:7-9
...quando se manifestar o Senhor Jesus desde os céu, com os anjos do seu poder, como labareda de fogo, tomando vingança dos que não conhecem a Deus e dos que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo. Os quais, por castigo, padecerão eterna perdição, ante a face do Senhor e a glória do seu poder.
   
4 - Entenda o que a Bíblia tem a dizer sobre a sua condenação. O lago de fogo não é lugar apenas de homicidas e estupradores. Você já mentiu alguma vez na sua vida? Claro que sim. Então leia, e veja que você também será lançado no lago de fogo, se você morrer sem Jesus Cristo.
 
Apocalipse 21:8
Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicadores, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre, o que é a segunda morte.
  
5 - Você precisa se arrepender por ser um pecador culpado diante de Deus. Admita que você é culpado, admita que você está perdido e admita que você não pode passar mais um dia sequer sem ter a certeza de que todos os seus pecados estão totalmente perdoados
 
Lucas 13:3 e Lucas 13:5
Não, vos digo, se não vos arrependerdes, todos de igual modo perecereis.
   
6 - Deus é justo. Os teus pecados têm que ser punidos com o derramamento de sangue. Jesus Cristo é o único que pode salvar você, porque Ele se entregou para morrer no teu lugar, para satisfazer a justiça de Deus e salvar você.
 
I João 1:7b
... o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado. (perdão total, inclui pecados do passado, presente e do futuro)
 
I Pedro 3:18a
Porque também Cristo padeceu uma vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus...
 
Isaías 53:4
Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido. Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.
  
7 - Jesus Cristo ama você e tem poder de te salvar dos teus pecados, HOJE, e de graça. As "coisas boas" que você faz não podem salvar você. É necessário confiar totalmente em Jesus Cristo e no que Ele fez na cruz. 
 
Rejeite sua religião, suas opiniões, sua confiança em você mesmo, e creia somente em Jesus Cristo para te salvar da perdição eterna.  
 
Atos 4:12
E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.
 
Efésios 2:8-9
Porque pela graça sois salvos, por meio da ; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie.
 
João 3:36
Aquele que crê no Filho tem a vida eterna; mas aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece.
 
João 3:16
Porque Deus amou o mundo de tal maneira, que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.  
   
8 - Confie de verdade. Não é apenas "concordar" mentalmente, mas crer, de fato, com o coração. Crer de verdade gera atitude. A atitude é invocar o nome do Senhor para ser salvo, e confiar inteiramente na promessa dele de que ele irá salvá-lo.
 
Romanos 10:9, 13
Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo.
Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.
  
9 - Você está interessado em ser salvo, mas ainda está com alguma dúvida? Clique aqui para entrar em contato conosco.
Fonte: http://assimdizosenhor.com/home

Experimentando Mais de Deus

Texto (Is.6.1-8) “1 - No ano da morte do rei Uzias, eu vi o Senhor assentado sobre um alto e sublime trono, e as abas de suas vestes enchiam o templo. 2 - Serafins estavam por cima dele; cada um tinha seis asas: com duas cobria o rosto, com duas cobria os seus pés e com duas voava. 3 - E clamavam uns para os outros, dizendo: Santo, santo, santo é o Senhor dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória. 4 - As bases do limiar moveram-se à voz do que clamava, e a casa se encheu de fumaça. 5 - Então disse eu: Ai de mim! Estou perdido! porque sou homem de lábios impuros, habito no meio dum povo de impuros lábios, e os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos! 6 - Então um dos serafins voou para mim trazendo na mão uma brasa viva, que tirara do altar com uma tenaz; 7 - com a brasa tocou a minha boca, e disse: Eis que ela tocou os teus lábios; a tua iniquidade foi tirada, e perdoado o teu pecado. 8 - Depois disto ouvi a voz do Senhor que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Disse eu: Eis-me aqui, envia-me a mim”

Introdução

Tenho aprendido um princípio importante de como podemos provar mais de Deus no capítulo seis de Isaías, onde lemos acerca de uma fortíssima experiência dele com Deus. A vida cristã é progressiva (Pv 4.18) "Mas a verdade dos justos é como a luz da aurora que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito" e Deus quer que provemos cada vez mais de sua presença. Esta experiência de Isaías foi um momento em sua vida onde ele galgou um degrau a mais no seu relacionamento com Deus. Veremos que lições podemos extrair desse texto

Primeiro

O IMPACTO NO PROFETA FOI TAMANHA QUE ELE DECLAROU SER UM HOMEM DE LÁBIOS IMPUROS NO MEIO DE UM POVO DE IMPUROS LÁBIOS

(V.5) "Então disse eu: Ai de mim! Estou perdido! porque sou homem de lábios impuros, habito no meio dum povo de impuros lábios" Só que quando lemos os cinco capítulos anteriores de seu livro, vemos uma forte mensagem contra o pecado. Não enxergamos este Isaías de lábios impuros que ele descreve, apenas o Isaías “profeta”. Mas quando provamos mais de Deus passamos a enxergar o quanto ainda precisamos do Senhor e de seu tratamento em nossas vidas.Todos precisamos deste nível de experiência. Não que a visão em si vá se repetir a cada um de nós, mas precisamos provar mais de Deus a ponto de enxergarmos nossa miséria e entrarmos num novo nível em Deus. Isaías recebeu um toque purificador em seus lábios, pois foi justamente aí que ele confessou ser falho; e passou a ter uma nova consciência do chamado de Deus para o serviço (v.8) "Depois disto ouvi a voz do Senhor que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Disse eu: Eis-me aqui, envia-me a mim"

Segundo

NO ANO EM QUE MORREU O REI UZIAS

Na ocasião em que Deus começou a falar fortemente ao meu coração através deste texto, comecei a me indagar o que levou o profeta a ter tal experiência. A Bíblia diz em (Rm 15.4) “tudo quanto foi escrito, para nosso ensino foi escrito” Diz também em (I Co 10.11) “estas coisas lhe sobrevinham como exemplos, e foram escritas para advertência nossa” Portanto, a experiência de Isaías não é apenas um relato histórico, mas um ensino prático para nós hoje. E enquanto indagava sobre o que o levou a ter tal experiência, Deus vivificou diante dos meus olhos a frase: “no ano em que morreu o rei Uzias”. Estou certo de que ela não era apenas uma referência cronológica da experiência, mas a descrição simbólica de sua causa. Isaías podia apenas ter dito em que ano do reinado de Jotão, filho de Uzias, isto aconteceu, pois este começou a reinar antes de seu pai morrer. Mas não se tratava apenas de um referencial no calendário, e sim de uma figura importante no ensino que receberíamos. Isaías profetizou durante o reinado de quatro reis. Uzias foi o primeiro deles, o que nos faz concluir que nesta época ele era ainda bem jovem. E na condição de jovem, provavelmente era um admirador do rei Uzias, pois ele foi um dos reis que mais deu vitórias a Israel em toda a sua história; provavelmente, como um general de guerra sua fama tenha ficado apenas atrás de Davi. A nação respeitava e amava este homem que lhe havia devolvido a glória e o prestígio. O relato bíblico deixa claro o sucesso que este homem desfrutou governando a nação: (II Cr. 26.6-15) “6 - Saiu e guerreou contra os filisteus, e quebrou o muro de Gate, o de Jabne e o de Asdode; e edificou cidades no território de Asdode, e entre os filisteus. 7 - Deus o ajudou contra os filisteus e contra os arábios que habitavam em Gur-Baal, e contra os meunitas. 8 - Os amonitas deram presentes a Uzias, cujo renome se espalhara até a entrada do Egito, porque tinha se tornado em extremo forte. 9 - Também edificou Uzias torres em Jerusalém, à Porta da Esquina, à porta do Vale e à Porta do Ângulo, e as fortificou. 10 - Também edificou torres no deserto, e cavou muitas cisternas, porque tinha muito gado, tanto nos vales como nas campinas; tinha lavradores e vinhateiros, nos montes e nos campos fertéis, porque era amigo da agricultura. 11 - Tinha também Uzias um exército de homens destros nas armas, que saíam à guerra em tropas, segundo o rol feito pelo escrivão Jeiel, e Maaséias, oficial, sob a direção de Hananias, um dos príncipes do rei. 12 - O número total dos cabeças da famílias, homens valentes, era de dois mil e seiscentos. 13 - Debaixo das suas ordens havia um exército guerreiro de trezentos e sete mil e quinhentos homens, que faziam a guerra com grande poder, para ajudar o rei contra os inimigos. 14 - Preparou-lhes Uzias, para todo o exército, escudos, lanças, capacetes, couraças e arcos, e até fundas para atirar pedras. 15 - Fabricou em Jerusalém máquinas, de invenção de homens peritos, destinadas para as torres e cantos das muralhas, para atirarem flechas e grandes pedras; divulgou-se a sua fama até muito longe; porque foi maravilhosamente ajudado, até que se tornou forte”. Uzias foi um líder respeitado e admirado. E podemos afirmar com toda a certeza, que o jovem profeta o admirava. Mas foi somente quando morreu o rei natural, carnal, que seus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos. Há um princípio espiritual aqui. Somente quando morreu o rei Uzias é que os olhos de Isaías se abriram para a revelação de Deus como rei. Ele viu o Senhor assentado num trono, o lugar de autoridade dos reis. Ele viu as orlas de seu manto real enchendo todo o templo. Mas para que pudesse ver o rei espiritual, o carnal teve que morrer. Esta é uma figura profética. Se queremos ver o Rei, entrando numa nova experiência com Deus, primeiro Uzias tem que morrer em nossas vidas.

Terceiro

O QUE UZIAS SIMBOLIZA

O rei Uzias figura este comportamento que temos denunciado desde o primeiro capítulo deste livro, de querer usar Deus como um trampolim para receber aquilo que se deseja, sem um forte senso de compromisso, de aliança com Deus. Ele começou corretamente, mas depois demonstrou o que de fato estava em seu coração. “Ele fez o que era reto perante o Senhor, segundo tudo que fizera Amazias, seu pai. Propôs-se buscar a Deus nos dias de Zacarias, que era entendido nas visões de Deus; nos dias em que buscou ao Senhor, Deus o fez prosperar”. (II Cr. 26.4,5) O texto bíblico diz que “ele foi maravilhosamente ajudado (pelo Senhor) ATÉ QUE se tornou forte”(v.15) Esta expressão “até que” nos mostra que a partir de então Deus já não era necessário para ele, pois já chegara onde queria. Uzias é o retrato do sentimento que há no coração de todos os que buscam ao Senhor por interesse, apenas para alcançar o que querem. Tão logo Uzias alcançou o sucesso, Deus se tornou descartável para ele. E assim são tantos que se dizem cristãos! Sei o que estou falando. Nestes últimos anos de pastoreamento tenho percebido o quanto isto ocorre no meio do rebanho.É só chegar a época do vestibular e a moçada se “converte” Depois que entram na universidade se esquecem que serviam a Deus e correm atrás do pecado. Quando querem namorar e precisam da “benção de Deus” então, nem se fala! Mas depois que foram “abençoados” voltam as costas ao Senhor e vão para a cama com a “benção” que receberam. Tenho visto as pessoas chegarem à igreja porque precisavam de restauração familiar e, quando isto aconteceu, não havia mais nem sombra delas! Outros necessitavam de restauração financeira, outros de cura, e assim por diante… E quando recebiam o que queriam, Deus já não era mais tão importante. Isto acontece porque o ser humano é egoísta por natureza. Sua carne o leva a pensar somente em si mesmo. Se não ensinarmos estas verdades, iremos falhar e ver muitos outros falhando também. É preciso confrontar o coração com a verdade da Palavra. E se quebrantar diante de Deus. Veja o comportamento de Uzias: (II Cr. 26.16) “Mas, havendo-se já fortificado, exaltou-se o seu coração para a sua própria ruína, e cometeu transgressões contra o Senhor, seu Deus, porque entrou no templo do Senhor para queimar incenso no altar do incenso” O rei Uzias é símbolo e figura da auto-suficiência, do orgulho, e da falta de compromisso com Deus. Representa aquele tipo de pessoa para quem Deus é apenas um amuleto. Representa aquele tipo de crente que não corresponde com Deus e suas intervenções, pois é egoísta e só pensa em si mesmo. Uzias tem que morrer se queremos ver a glória do Senhor e entrar numa dimensão mais profunda de intimidade com ele. Somente quando Uzias morre (e falo sobre deixar esta atitude que ele teve) é que veremos o Rei, o Senhor dos Exércitos. Esta nossa atitude descompromissada e interesseira no que diz respeito aos milagres nos tem impedido de provar uma visitação maior da parte do Senhor. É tempo de nos arrependermos diante de Deus e assumirmos uma nova postura, uma nova mentalidade. Uzias tem que morrer! Mas como isto acontece?

Quarto

COMO UZIAS MORRE

As Escrituras nos mostram como o rei Uzias veio a morrer. Examinemos o texto bíblico para extrair dele princípios práticos. Assim que Uzias entrou no templo de Deus, os sacerdotes o resistiram, deixando-nos exemplo:(II Cr. 26.17-21) “17 - Porém o sacerdote Azarias entrou após ele, com oitenta sacerdotes do Senhor, homens da maior firmeza; 18 - e resistiram ao rei Uzias, e lhe disseram: A ti, Uzias, não compete queimar incenso perante o Senhor, mas aos sacerdotes, filhos de Arão, que são consagrados para este mister; sai do santuário, porque transgrediste; nem será isto para honra tua da parte do Senhor Deus. 19 - Então Uzias se indignou; tinha ele o incensário na mão para queimar incenso; indignando-se ele, pois, contra os sacerdotes, a lepra lhe saiu na testa perante os sacerdotes, na casa do Senhor, junto ao altar do incenso. 20 - Então o sumo sacerdote Azarias e todos os sacerdotes voltaram-se para ele, e eis que estava leproso na testa, e apressadamente o lançaram fora; até ele mesmo se deu pressa em sair, visto que o Senhor o ferira. 21 - Assim ficou leproso o rei Uzias até o dia de sua morte; e morou, por ser leproso, numa casa separada, porque foi excluído da casa do Senhor; e Jotão, seu filho, tinha a seu cargo a casa do rei, julgando o povo da terra” A Bíblia mostra claramente que o Senhor mesmo feriu a Uzias com a lepra. Mas só aconteceu depois que os sacerdotes o resistiram. Quando percebemos esta atitude de Uzias em nossas vidas, devemos nos opor fortemente a ela. Não podemos aceitar ou tolerar isto em nós. Somos o santuário de Deus e também o sacerdócio instituído para cuidar do santuário. Devemos tomar posição contrária a este tipo de atitude. Deus não é um amuleto para que o usemos apenas para conseguir o que queremos. Não é descartável. Mas nossa carne nos leva a um viver egoísta e é preciso reconhecer e confrontar esta atitude. Quando nos deixamos tomar pelo temor de Deus e confrontamos em oração e temor este tipo de atitude, o Senhor ferirá Uzias de morte. Não há morte instantânea para ele. É um processo. A lepra o matou aos poucos. E nas nossas vidas será também assim. Não adianta fazermos uma única oração e achar que tudo se resolverá. Uzias permaneceu EXCLUÍDO "Pelos sacerdotes" da casa do Senhor até a sua morte.

Conclusão

Nós também, como sacerdotes de Deus, devemos mantê-lo longe do santuário "Que somos nós" Devemos nos opor continuamente a ele até que morra e já não haja mais sua influência em nós. E quando isto acontecer, os nossos olhos verão o Rei, o Senhor dos Exércitos! Há todo um processo de quebrantamento, rendição, e humilhação contínua diante do Senhor até que isto aconteça. Não é automático. Mas vale a pena. A possibilidade de ver o Rei, e conhecê-lo num novo nível deve nos motivar a isto.

Autor: Luciano Subirá

http://www.estudosgospel.com.br/estudos/diversos/experimentando-mais-de-deus.html

A Visão Que Necessitamos!

Uma visão de si mesmo  - Isaías 6:5
Então disse eu: Ai de mim, que vou perecendo porque eu sou um homem de lábios impuros, e habito no meio dum povo de impuros lábios, e os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos!
- Deslumbrado diante de tanta glória, vendo os umbrais das portas do templo se mover com a voz do que clamava, o séquito do Senhor enchia o templo, percebendo o fumo da glória de Deus a encher toda a casa.
- Isaias clama: Ai de mim que vou perecendo, porque eu sou um homem de lábios impuros e habito no meio de um povo de impuros lábios, e os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos!
- O Profeta viu a si mesmo, teve uma visão introspectiva e viu a impureza dos seus próprios lábios, ao ouvir os mais puros louvores entoados pelos Serafins.
 - Ele pôde compreender sua indignidade; sua fraqueza.
A santa presença de Deus produziu em Isaias o mesmo efeito que produzira em outros homens de Deus em ocasiões diferentes.
Por Exemplo:
 - Gideão temeu a morte ao ver o anjo do Senhor Jz. 6:22-23).
 - Manoá e sua mulher disseram: Certamente morreremos, porquanto temos visto a Deus (Jz. 13:22).
 - Jó, ao ver o Senhor disse: Por isso me abomino e me arrependo no pó e na cinza (Jó 42:5-6).
 - Simão Pedro Diante de Jesus disse: Senhor ausenta-te de mim, que sou homem pecador (Lc. 5:8).
 - O Apóstolo São João Quando viu o Senhor, na visão de Patmos, caiu como morto (Ap. 1:17).
 - Não foi diferente com o Apóstolo São Paulo. 
- Que quando perseguia o povo de Deus foi subitamente cercado por um resplendor de Luz do Céu, e caindo por terra ouviu a voz do Senhor: Saulo, Saulo porque me persegues. 
E ele disse: Quem és Senhor? 
E disse o Senhor: Eu sou Jesus a quem tu persegues. 
Com isto ficou três dias cego, mas teve uma visão de si mesmo (At. 9:1-18).
- Mas, um dos Serafins voou até o profeta Isaias, trazendo na sua mão uma brasa viva, tirada do Atar do Holocausto com uma tenaz.
 - Tratava-se de uma brasa santa, pois o Altar havia sido aceso, pela primeira vez, pelo próprio Deus, e desde então era mantido constantemente ardendo.
  - O Serafim tocou com a brasa os lábios do Profeta, purificando-os, para que pudesse anunciar a mensagem de Deus aos homens.
 - Num certo sentido, essa cena repetiu-se no dia de Pentecostes também em Jerusalém.
Quando línguas de fogo desceram sobre os discípulos e suas bocas começaram a falar noutras línguas, capacitando-os para a proclamação ao mundo da salvação em Cristo Jesus.
Ao receber o toque da brasa viva nos seus lábios, o profeta ouviu o Serafim dizer: Eis que isto tocou os teus lábios, e a tua iniqüidade foi tirada, e purificado o teu pecado.
- Achando-se purificado e perdoado, o profeta ouviu o clamor do Senhor: A quem enviarei e quem ha de ir por nós?
- Muitos crentes já não ouvem a voz de Deus, por estarem com os seus ouvidos impuros.
- Já não vêem a glória de Deus por estarem com os seus olhos impuros.
 - Já não proclamam a mensagem redentora do Evangelho.
 - E não cantam os louvores de Deus por estarem com os lábios impuros!
 - É lamentável que muitos cristãos, como Isaias antes do capítulo 6 do seu livro, estejam tendo visões somente dos outros, apontando o dedo acusador apenas contra os outros dizendo: ai deles!!!
 O PROFETA DOS AIS
- Ai da nação pecadora. Is. 1:4
- Ai da sua alma (Is. 3:9)
- Ai do ímpio (Is. 3:11)
- Ai dos que ajuntam casa a casa (Is. 5:8)
- Ai dos que se levantam pela manhã e seguem a bebedice (Is. 5:11)
- Ai dos que ao mal chamam de bem e ao bem, mal (Is. 5:20)
- Ai dos sábios a seus próprios olhos (Is. 5:21) - e ai dos que são poderosos para beber vinho (Is. 5:22).
 - Tais cristãos precisam urgentemente, da visão do Senhor na sua glória, afim de que tenham também a visão de si mesmo como realmente são, e assim possam clamar como Isaias, clamou: Ai de mim que vou perecendo.
 - Somente assim o cristão estará pronto para responder a pergunta do Senhor: A quem enviarei, e quem há de ir por nós?
 - Digamos: Senhor: Eis-me aqui, envia-me a mim.
Diante deste quadro, a necessidade que temos, e é urgente, uma visão de nós mesmos.
Estamos vendo a Glória de Deus ou de homens, Ouvindo e obedecendo o chamado do Senhor, ou os nossos próprios caprichos e desejos?
Fonte: http://prdanielsalesacioli.blogspot.com.br/2009/04/visao-que-necessitamos.html

terça-feira, 22 de outubro de 2013

O Que são e quais são as Abominações ?



Alguns afirmam que todo pecado é igual. A bíblia, porém, não diz tal coisa. Tanto é que existem pecados para morte (IJo.5.16), existe pecado sem perdão ( Mt.12.32), mas nem todos se encaixam nestas categorias. A lei de Moisés determinava penas diferentes conforme a gravidade do pecado cometido. Uma das formas de se distinguir um pecado do outro é através das conseqüências de cada um.
É evidente que todo pecado é maligno e deve ser evitado. Quero, entretanto, chamar a atenção para alguns pecados que se destacam nas Escrituras. O ditado popular diz: "errar é humano". Isto está correto, mas pode trazer um perigoso sentimento de conformação com o erro. Errar é humano, mas existem erros que são irreparáveis. Por isso, não podemos nos dar ao luxo de cometê-los.
Todo pecado desagrada a Deus, mas alguns são classificados como abominação aos seus olhos.
O que seria abominação?
Imagine que alguém lhe sirva uma refeição com arroz, feijão, carne, e alguns pedaços de fezes por cima, e, como acompanhamento, um copo de vômito. Talvez você tenha dito "eco!" ou "argh!". Isto é abominação: nojo, repulsa, aversão extrema a ponto de se querer vomitar ou até mesmo agredir quem faz tais coisas ( Ex.8.26).
Desculpe-me por escrever coisas tão nojentas, mas é só para dar uma idéia da reação divina diante de alguns pecados.
Você ficou enojado com tudo isso?
Deus também fica, quando se faz aquilo que é detestável aos seus olhos.

Vejamos exemplos bíblicos de atitudes ou ações que são consideradas abominações diante do Senhor:

- Ato homossexual e outras devassidões – Lv.18.22-30; Lv.20.13; Dt.22.5; Ez.22.11;
- Incesto – Ez.22.11 ;
- Idolatria – Lv.26.30; Dt.7.25-26; Dt.12.31; Dt.13.13-14; Dt.27.15; Dt.29.17; Dt.32.16; Jr.16.18; Jr.44.3-4;
- Oferta defeituosa ou fruto de pecado – Dt.17.1; Dt.23.18;
- A oferta e o sacrifício do ímpio - Pv.15.8; Pv.21.27;
- Adivinhação, feitiço e consulta aos mortos – Dt.18.9-12.
- Roubo em transações comerciais - Dt.25.13-16; Pv.11.1; Pv.20.10,23;
- O sanguinário e o fraudulento – Salmo 5.6.
- O perverso – Pv.3.32.
- O arrogante – Pv.16.5;
- O que causa contenda entre os irmãos – Pv.6.16-19.
- A mentira – Pv.12.22;
- Condenar o justo e justificar o ímpio – Pv.17.15.
- A oração do desobediente – Pv.28.9;
- Furto, homicídio, adultério e falso juramento – Jr.7.9-10; Ez.22.11; Ez.33.26;
- A prostituição – Jr.13.27; Ez.16.25;
- O divórcio – Mal.2.16 (foi permitido em algumas situações, mas não é algo normal e agradável a Deus).

Observa-se que as abominações estão geralmente relacionadas a graves injustiças, aberrações sexuais e atos religiosos ofensivos a Deus. Se fôssemos fazer nossa própria lista, talvez não incluíssemos questões religiosas, como oferta, etc, mas a bíblia nos mostra o quanto essas coisas agridem a santidade divina.
Nós, como filhos de Deus, devemos abominar aquilo que ele abomina e amar o que ele ama (Sl.119.163).

Os profetas do Velho Testamento se levantaram para denunciar as abominações praticadas em Israel e Judá. Como não lhes deram ouvidos, o Senhor permitiu que os inimigos viessem e levassem aquele povo para o cativeiro na Assíria e na Babilônia.
"O Senhor não podia por mais tempo suportar a maldade das vossas ações, as abominações que cometestes; pelo que se tornou a vossa terra em desolação, e em espanto, e em maldição, sem habitantes, como hoje se vê" ( Jr.44.22).
Toda abominação atrai a ira de Deus (Dt.32.16). "Agora depressa derramarei o meu furor sobre ti, e cumprirei a minha ira contra ti, e te julgarei conforme os teus caminhos; e te punirei por todas as tuas abominações" ( Ez.7.8).
Não é de se estranhar que aqueles que não conhecem o Senhor pratiquem abominações (e existem muitos ímpios que não chegam a fazê-las – ICo.5.1). O cristão, entretanto, não pode cometê-las de modo nenhum, pois trará sobre si a ira de Deus, podendo, inclusive cair nas mãos de Satanás ( ICo.5.1-5,11), pois a abominação traz consigo o assolador (Dn.9.27).
"Desviando-se o justo da sua justiça, e cometendo a iniqüidade, fazendo conforme todas as abominações que faz o ímpio, porventura viverá? De todas as suas justiças que tiver feito não se fará memória; pois pela traição que praticou, e pelo pecado que cometeu ele morrerá" ( Ez.18.24).
Não estamos debaixo da lei mosaica para que apedrejemos quem pratica abominação, mas isso não diminui a agressão que se faz à santidade de Deus quando se comete tais pecados.

Se houver arrependimento, Deus perdoará as abominações cometidas, mas isto não pode servir como licença para pecar, pois, mesmo havendo perdão, haverá conseqüências terríveis. Davi adulterou, arrependeu-se e foi perdoado. Contudo, o filho do adultério morreu e outras conseqüências vieram sobre o rei .
"Pois a terra que embebe a chuva, que cai muitas vezes sobre ela, e produz erva proveitosa para aqueles por quem é lavrada, recebe a bênção da parte de Deus; mas se produz espinhos e abrolhos, é rejeitada, e perto está da maldição; o seu fim é ser queimada. Mas de vós, ó amados, esperamos coisas melhores, e que acompanham a salvação..." ( Heb.6.7-9).
Buscai ao Senhor enquanto ainda está perto,enquanto ainda se pode achar.Amém !!!

Pense nisso.

Um domingo na Graça!

Guto Lopes

A Paz e a Graça Sejam convosco.
Fonte: http://flogvip.net/conversandocomdeus/7520425