sexta-feira, 30 de agosto de 2013

O Matrimônio é uma Bênção para a Humanidade (Ef 5.22-28).

INTRODUÇÃO

A Bíblia Sagrada apresenta o matrimônio como uma instituição divina, onde homem e mulher, cumprindo as exigências legais do país se constituem em família (Gn 2.24). Dentro dos padrões bíblicos, o matrimônio deve ser indissolúvel, onde somente a morte pode separar os cônjuges (1 Co 7.39).

I – O MATRIMÔNIO NA PERSPECTIVA BÍBLICA.
  1. O matrimônio é uma união perfeita (Ef 5.31).
  1. O propósito do matrimônio é o alcance de uma unidade, entretanto, não se alcança este objetivo de imediato. A compreensão mútua surge na medida em que o casal convive, desde que tenha Deus como seu orientador.
  1. Propósitos divino para o matrimônio:
  1. Companheirismo (Gn 2.18; 1 Co 11.9,11), satisfação amorosa do casal (Ec 9.9);
  2. Propagação do gênero humano (Gn 1.28), preservação da pureza moral na família e na sociedade (1 Co 7.2);
  3. Estabelecimento do lar (Mt 19.5).
II – OS DEVERES DO CASAL NO MATRIMÔNIO.
  1. Os deveres do marido.
  1. O marido deve amar honestamente a sua mulher como seu próprio corpo (Ef 5.28). Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo. O amor procura o bem e a felicidade do outro.
  2. O marido tem o dever de sustentar sua mulher materialmente. O marido ideal deve ser: amoroso, fiel, firme nas atitudes, gentil, carinhoso e cavalheiro.
  1. Os deveres da mulher.
  1. Deve sujeitar-se ao marido como ao Senhor (Ef 5.22; 1 Pe 3.1). A mulher obedece ao marido por amor e não por imposição, ela é orientada e dirigida pela Palavra de Deus.
  2. A mulher sábia deve evitar:
  • Criticar seu marido, falar mal do marido para os filhos e vizinhos, menosprezar o marido;
  • Inverter a ordem, colocando-se como cabeça. A mulher ideal deve ser: amorosa, cuidadosa, piedosa, caprichosa, trabalhadora, carinhosa, econômica, obediente, fiel, sábia e dócil (Pv 14.1).
  1. Os deveres do casal para com os filhos.
  1. Os pais não devem brigar e nem discutir diante dos filhos. Os pais devem tratar os filhos com igual afeto;
  2. Nunca se deve mentir a uma criança. Os pais devem ser afetuosos e atenciosos com os filhos;
  3. É preciso que haja confiança e certa camaradagem entre pais e filhos. Os pais devem receber bem os amigos de seus filhos;
  4. Não se deve repreender, nem castigar os filhos na presença de outras pessoas, deve-se sempre indicar o motivo do castigo;
  5. Notem e encorajem as qualidades dos filhos e não salientem seus defeitos. Não há quem não se deixe cativar por um elogio;
  6. Os pais devem responder as perguntas dos filhos, conforme as exigências de sua idade. Os filhos tem o direito de aprender com os pais tudo que se refere à vida (Ef 6.4).
III – ATITUDES DO CASAL NO MATRIMÔNIO.
      1. Atitudes de alguns maridos.
  1. Marido Passivo. É Sem ação, indiferente. É aquele que raramente toma decisão a respeito da família. Ele pensa que dando o alimento deu tudo. Não assume a liderança do lar, e facilmente a transfere para a esposa.
  2. Marido Ditador. É autoritário, dominador, violento, opressor e abusa da sua autoridade. Aqui não há liberdade para a família. Se você é um ditador na sua casa, é ora de fazer uma avaliação. Afinal você está liderando é sua esposa e seus filhos.
  3. Marido Democrático. É popular, distribui poderes, as decisões são baseadas no voto. Esse não assume a sua responsabilidade. Quem tem que tomar a decisão é o marido. Essa responsabilidade, ele não pode deixar, nem transferir.
  4. Marido Teimoso. É obstinado, birrento, insistente. Este é um homem difícil, porque nunca admite estar errado. Pai e mãe que não admite seus erros é o caos para a família. Os filhos seguem a trilha de conduta e comportamento dos pais.
  5. Marido Insensível. Não tem sensibilidade, é indiferente e impassível. Não é sensível aos medos, segredos, alegrias ou sonhos de sua esposa. Sensibilidade é ter disposição para ouvir, comunicar e cuidar.
  6. Marido Silencioso. Não se comunica, não fala, não conversa. Ele governa o seu lar sem comunicação verbal, só com os olhos. O marido precisa compartilhar, com a esposa e os filhos, suas alegrias e suas dificuldades.
  7. Marido Explosivo. É inflamável, produz explosão, detona. Este tipo de marido traz muita insegurança e medo ao lar, porque a família nunca sabe quando ele vai explodir (Ef 4.31,32).
  1. Marido Crítico. É perigoso, embaraçoso e só faz apreciação desfavorável. É o marido que sempre vê algo errado. O bife está duro demais. O café está frio. A esposa está gorda. O filho só tirou 9 na prova. A casa está desarrumada. Você marido, já disse alguma vez a sua esposa: a janta está deliciosa. O café está gostoso. Hoje você está mais bonita... (Pv 5.18).
  2. Marido Brincalhão. Ele está sempre disposto a brincar. Tudo para ele é motivo de graça, nada o faz ficar sério. Nem sempre a esposa quer brincar, as vezes o assunto é sério e requer um momento de reflexão.
  3. Marido Indeciso. Não é decidido, é hesitante, é duvidoso. Nunca toma uma decisão firme. Deixa todos no ar. Será que existe este tipo de marido ?  Ele gosta de ficar sempre em cima do muro. Quando dá certo, ele grita: eu falei. Quando não há acordo, ele fala: eu já sabia.
      1. Atitudes de algunas esposas.
  1. Mulher Passiva. Não exerce ação, não atua, é indiferente. Ela não ajuda o marido na sua missão.
  2. Mulher Dominadora. Ela domina, ela tem autoridade, ela infunde e inspira respeito. Deus fez a mulher para ajudar o homem, e não para tentar dominá-lo (Gn 2.18).
  3. Mulher Insubmissa. Ela não obedece, ela é independente, ela não é dócil (Tt 2.5).
  4. Mulher Vaidosa. Vaidade é o desejo exagerado de querer atrair a admiração dos outros. A vaidade é instável e de pouca duração (Pv 31.30).
  5. Mulher Agressiva. Ela tem tendência para agredir. Ela só fala alto, ela quer liderar a família. A mulher é para completar o seu marido, e não para competir com ele.
  6. Mulher Relaxada. Ela não cuida das suas obrigações, esquece dos filhos, não cuida da casa, acorda tarde, tudo fica por fazer. Ela não controla o horário das refeições, os filhos chegam sempre atrasados na escola, não dá ao marido a devida honra. A mulher descuidada, a preguiça está sempre ao seu lado (Pv 31.27-29).
IV – RESOLVENDO OS CONFLITOS NO LAR.
  1. Maneiras de lidar com os conflitos.
  1. Afastar-se dos conflitos.
  2. Fazer prevalecer a sua vontade, custe o que custar;
  3. Desistir da sua própria vontade sempre.
  4. Resolver os conflitos.
  1. Como resolver os conflitos ?
  1. Pense duas vezes antes de falar. Não seja precipitado ao responder. Fale de tal maneira que a outra pessoa entenda e aceite aquilo que você diz (Pv 21.23; 15.23);
  2. Fale sempre a verdade. Mas fale com amor, não exagerando (Ef 4.25; Cl 3.9);
  3. Não se envolva em rixas. É possível discordar sem causar brigas (Pv 20.3);
  4. Não responda com raiva. Use palavras brandas e respostas bondosas (Pv 14.29);
  5. Não use o silêncio para frustar o seu parceiro. O silêncio por parte do marido representa para a esposa uma resposta negativa;
  6. Evite aborrecer seu conjugue ou seus filhos (Pv 10.19; Ef 6.4);
  7. Quando estiver errado, admita e peça perdão (Tg 5.16). Quando alguém lhe pedir perdão, comunique-lhe que você o perdoou (Cl 3.13);
  8. Não culpe ou critique, mas por outro lado, restaure, encoraje e edifique (Gl 6.1; Rm 14.13);
  9. Procure entender a opinião dos membros de sua família. Coloque-se na situação do outro (Fp 2.1-4);
  10. Controle-se, não perca a calma. Você pode até ficar nervoso, mas não permita que esse sentimento tome conta de você (Pv 15.1; 18.21);Não deixe o problema estender-se por muito tempo. Procure não dormir sem resolver o problema. Escolha uma hora apropriada para conversarem a respeito (Pv 15.23);

  11. Lave a “roupa suja” em casa. Resolva o problema particularmente. Não utilize zombaria, escárnio ou cinismo (Ef 4.31);
  12. Orem juntos, pedindo orientação de Deus e graça suficiente para operar mudanças em suas vidas.

CONCLUSÃO
Vivemos dias de questionamentos, onde as pessoas investigam a validade do matrimônio. As frustações com relação ao matrimônio têm aumentado a cada dia, devido ao total desrespeito aos propósitos pelos quais o Senhor Deus o estabeleceu. A Igreja, como coluna e firmeza da verdade, não deve permitir que o matrimônio se torne em algo banal, mas deve lutar para sua total validade e bênção ao mundo.
Pr. Wagner Prav
Fonte: http://assembleiadedeusemcavalcanti.blogspot.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço e será um prazer receber seu comentário que depois de aprovado será publicado.