sábado, 10 de agosto de 2013

Eliseu, um profeta que impactou a sua época

Eliseu, um profeta que impactou a sua época 
Texto – 2Rs 4:8-37
Eliseu foi um profeta que trouxe um profundo impacto sobre a sociedade em que viveu. Sua vida e sua história ficaram registradas de formas indeléveis no cenário em que viveu e tudo isto graças à maneira como Eliseu vivia. Segundo o texto em tela, podemos perceber algumas características na vida deste profeta que fizeram com que ele causasse tanto impacto na época em que viveu.
Era um santo homem de Deus – v.9
Santidade era a marca registrada de Eliseu, pois ele conseguiu deixar essa impressão bem visível no coração daquela mulher e é exatamente de uma vida de santidade que todos nós precisamos, pois não adiantam os dons espirituais, por mais extraordinários que sejam, se não houver em nós santidade. A igreja de Corinto era considerada como uma Igreja que possuía todos os dons espirituais, conforme relatado nos capítulos 12 e 14, contudo faltava santidade na vida dos membros daquela Igreja, conforme o relato do capítulo 5, onde Paulo condena a imoralidade no seio da Igreja.
John Wesley assim disse: “Dê-me cem pregadores que nada temam senão o pecado e nada desejem senão Deus, e não me importo se sejam clérigos ou leigos, tais homens sozinhos abalarão as portas do inferno”. Wesley Duewel, famoso escritor de Em Chamas Para Deus e Toque o Mundo Através da Oração, assim se expressou: “Não bastam apenas à piedade e as emoções, as alegrias e um comprometimento mental com as doutrinas da Escritura. É preciso ser santo e isto implica em que os olhos sejam claros para que o corpo possa ser inundado de luz e o coração deve ser puro, para que as atitudes, pensamentos e palavras sejam conscientemente puros”. Ele, ainda, afirma: “Nós devemos ter integridade na palavra, na ética pessoal, nas finanças e na ética ministerial”.
O que temos percebido, hoje, em nossas Igrejas é que muitas pessoas se julgam espirituais, contudo não são santas e se são não demonstram, pois pelo fruto se conhece a árvore.
Tinha poder em suas palavras – v.16 e 17
Benjamin Franklin assim disse a respeito de George Whitefield: “Eu vou assisti-lo porque eu posso vê-lo arder diante dos meus olhos”. É de homens como Whitefield que nós precisamos hoje, pessoas que consigam segurar o seu auditório graças ao poder de Deus que exalta através da sua mensagem. O grande expositor bíblico e teólogo britânico, Dr. Martin Lloyd Jones em sua obra Perchina and Preachers disse: “A pregação é a teologia procedente de alguém que está em chamas, quem não consegue queimar não tem o direito de estar no púlpito”.
Precisamos de ardor e de veracidade na vida dos nossos pregadores e dos nossos crentes, pessoas que tenham muito mais do que barulho, mas que tenham conteúdo, pois como afirmou o Rev. Dr. Hebér Carlos de Campos: “O crescimento do protestantismo no Brasil é como um grande rio que se espraia por todos os lados, porém raso e sem profundidade. É como o som de lata, quanto mais vazia, mais barulho faz. Nós precisamos de pessoas que estão inflamadas pela presença de Deus, como disse  Charles Spurgeon: “Precisamos de homens incandescentes, em brasa, que brilhem com calor intenso”, e, ainda, as sábias palavras de Samuel Chadwick, notável líder britânico, que disse: “O fogo do Pentecostes é uma  chama de entusiasmo moral e espiritual. É uma paixão por Deus que incendeia a personalidade. Cada parte do homem arde”.
Que o nosso desejo seja o mesmo de David Brainerd que assim expressou: “Oh, que eu possa ser uma chama ardente a serviço do Senhor”. Esta chama deve se revelar através do nosso caráter, das nossas atitudes e do nosso comportamento, para que a nossa vida pública reflita aquilo que vai dentro de cada de um de nós e, que não seja outra coisa senão que o poder de Deus fluindo através de nós.
O apóstolo  Paulo, escrevendo a Igreja de Éfeso, pedia as orações da Igreja para que ele pudesse ser intrépido no falar dos mistérios de Deus (Ef 6:19). É dessa intrepidez, ousadia e coragem que nós precisamos cada vez mais em nossas vidas.
Era sensível a dor do seu próximo – v.27-35
Quando lemos a história dos reformadores e descobrimos, entre eles, o pai do presbiterianismo, o escocês John Knox, descobrimos em sua vasta biografia que de fato ele era um homem sensível à dor do seu povo, pois passava noites inteiras intercedendo em favor dos seus compatriotas escoceses. Seu compromisso com o seu povo era tão grande que certa noite sua esposa falou para que ele parasse de orar e fosse dormir e ele respondeu: “Como posso dormir enquanto a minha pátria não estiver salva”. O historiador Payne, conta que muitas vezes Knox orava a noite inteira em voz agonizante, dizendo: “Senhor, dê-me a Escócia ou eu morro”. O grande pastor Oswald Smith disse: “Oh, queimar para Deus! Tudo, tudo, por Ele. Só Jesus! Almas! Almas! Almas! Estou decidido a ser um ganhador de almas. Deus me ajude”, e o Dr. George W. Peters dizia: “Deus, a igreja e o mundo estão procurando homens com o coração em chamas, corações cheios de amor de Deus, cheios de compaixão pelos males da Igreja e do mundo, cheios de paixão pela glória de Deus, pelo evangelho de Jesus Cristo e pela salvação dos perdidos”.
É de crentes assim que nós precisamos, crentes que não estejam interessados em favores pessoais em crescimento material, ditando normas para que Deus cumpra, determinando aquilo que o Senhor deve fazer, mas de pessoas que tenham a alma cheia de compaixão e que chorem não em busca de bens materiais ou de interesse próprio, mas em favor daqueles que estão vivendo na miséria.
Cremos que o maior exemplo que temos é o do nosso Senhor Jesus Cristo, que tudo deixou por amor de nós, que não veio para fazer a sua vontade e sim a do Pai, que não era outra senão a demonstração do seu imenso amor para conosco. Precisamos resgatar em nosso ministérios esse sentimento de compaixão e misericórdia e dessa forma chorarmos pelo mundo, assim como Cristo chorou por Jerusalém.
Era dependente de Deus – v.33
Encontramos muitas passagens na Bíblia em que servos de Deus demonstram que eram de fato pessoas dependentes do Senhor, porém o caso de Eliseu é especial, pois sendo ele profeta e tendo sobre si a unção de Deus, bem que poderia se achar autossuficiente e na força da sua unção, desempenhar o seu ministério, porém, aqui nós o vemos de joelhos, orando.
Eu creio que a oração é a coisa mais importante na vida das pessoas que querem trabalhar para o Reino de Deus, é tão importante, que os Apóstolos se negaram a servir as mesas, não por negligência, mas por entenderem que “a oração e o ministério da Palavra” (Atos 6:4), eram prioridades.
Orar é fazer parceria com o Eterno. Orar é sinônimo de incompetência de nossa parte. Talvez seja por isso que nós não oramos, pois nós nos julgamos tão capazes e competentes.
Billy Graham tem dito constantemente: “Se Deus tirar as mãos da minha vida, estes lábios se tornarão lábios de barro”. E. M. Bounds, o apóstolo da oração, escreveu: “Muita oração é sinal e selo dos grandes líderes de Deus”. Ele, ainda, afirma: “Nenhum conhecimento substitui a oração ou a falta dela. Nenhuma sinceridade, diligência, estudo, dom suprirá a sua falta. Falar com os homens sobre Deus é uma grande coisa, mas falar com Deus sobre os homens é uma coisa ainda maior. Pois palavras sem oração… são palavras mortas”. O grande pregador Spurgeon respondendo sobre o sucesso de seu ministério disse: “Trabalho de joelhos! Trabalho de joelhos!”. Bounds, outra vez, afirma: “Líderes que não oram prejudicam a causa de Deus” e Wesley L. Duewel, em seu livro Em Chamas Para Deus, diz: “O sucesso do ministério pastoral não está no tamanho da sua igreja, nem na sua arrecadação, nem nos planos e métodos de trabalho, mas, antes no tempo em que o seu líder investe em oração”.
O nosso desejo é que os crentes em Jesus Cristo, em toda a face da terra, possam impactar a época e o lugar onde vivem e que sejam pessoas santas, que tenham poder quando falam, sensíveis à dor do seu próximo e totalmente dependentes de Deus, pois como disse o mestre Jesus em João 5:5: “Sem mim nada podeis fazer”.
Texto: Pr. Carlos Alberto Henrique
Fonte: http://espiritoepoder.com.br/?p=2318

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço e será um prazer receber seu comentário que depois de aprovado será publicado.