domingo, 30 de junho de 2013

JEZABEL A FAMIGERADA DO MAL



TEXTOS BÁSICOS
1. Apocalipse 2:18 E ao anjo da igreja de Tiatira escreve: Isto diz o Filho de Deus, que tem os olhos como chama de fogo e os pés semelhantes ao latão reluzente: 19 Eu conheço as tuas obras, e a tua caridade, e o teu serviço, e a tua fé, e a tua paciência, e que as tuas últimas obras são mais do que as primeiras. 20 Mas tenho contra ti o tolerares que Jezabel, mulher que se diz profetisa, ensine e engane os meus servos, para que se prostituam e comam dos sacrifícios da idolatria.

2. Se alguém vem ter convosco e não traz esta doutrina, não o recebais em casa, nem tampouco o saudeis. 2 João 1:10

       Jezabel a famigerada rainha do mal e esposa do manipulado Rei Acabe. Ela utilizando-se da força que tinha como rainha, trouxe idolatria, engano, matança, apostasia e perseguição aos verdadeiros profetas de Deus, além de levar o povo a se corromper e esquecer da Palavra de Deus na nação de Israel lá pelo ano de 878 antes de Cristo. Maiores esclarecimentos sobre o fato, encontramos no livro de I Reis. Já no ano 66 DC, este mesmo espírito é encontrado na igreja de Tiatira, fazendo exatamente o mesmo que a rainha pagã fazia com a igreja do Velho Testamento como se segue no relato de Ap. 2:20-26: "Mas tenho contra ti que toleras Jezabel, mulher que se diz profetiza, ensina e engana meus servos, para que se prostituam e comam dos sacrifícios da idolatria. Aqui como Acabe, o anjo da igreja é duramente repreendido por tolerar que uma mulher agindo como a Jezabel, venha profetizar mentiras, distorções, engano, mundanismo, levando a igreja através de falsos ensinos, a negligenciarem quanto a abster-se da idolatria e do pecado, sobretudo, o da prostituição. Hoje o espírito de Jezabel está infiltrado nos diversos ministérios da igreja principalmente no pastoral. Ele geralmente age usurpando posições e autoridade que não lhe foi dado, violando princípios bíblicos que estão bem claros na Palavra de Deus. Outra forma deste espírito agir usando homens e mulheres orgulhosos e arrogantes (seus vasos prediletos), é o de promover o liberalismo ou o legalismo exagerado, o incentivo a rebelião contra o ministério constituído, a mundanização, a distorção bíblica, a fofoca, a contenda, a maledicência, a difamação do ministério dos irmãos ou do nome da igreja e por aí vai. Pessoas portadoras deste espírito, jamais se converteram ao Senhor, eles vem com uma caricatura de convertido, mas na verdade é um convencido (a), ele ou ela jamais nasceu de novo. É diferente do joio, porque o joio apenas não se converteu, mas não causa mal ao corpo de Cristo, mas o ímpio travestido de crente, não está a serviço do Senhor, mas da sua carne e do diabo. A estes, todo o rigor da disciplina bíblica e se for preciso, a exclusão. Esta mensagem pode parecer muito forte, mas se você meu amigo obreiro (digo obreiro porque este espírito não está infiltrado somente no ministério pastoral, mas nos demais ministérios da igreja de forma geral) permitir este espírito atuando na igreja e não tomar providencia, primeiro, você estará indo contra o ensino bíblico (Ap 2:20 Mas tenho contra ti o tolerares que Jezabel, mulher que se diz profetisa, ensine e engane os meus servos). Você sabe que a Jezabel só teve êxito porque o manipulado Rei Acabe a apoiava. Portanto, se você está permitindo isto em seu ministério, você está agindo não como o anjo da igreja, mas como o omisso Rei Acabe; segundo, você poderá estar trazendo a doença da destruição sobre a igreja sob sua responsabilidade. Se você ler todo o texto de Apocalipse capítulo 2 sobre a igreja de Tiatira, você observará que o anjo tinha muitas qualidades, mas a repreensão de Cristo foi muito severa, e isto nos mostra quão perigoso é este espírito da Jezabel atuando livremente dentro da igreja. Note que Cristo fez uma forte advertência ao anjo da igreja e está advertência serve para hoje ainda. E por fim querido irmão em Cristo, senti e creio ser da vontade de Deus escrever este artigo. Medite nele, e se você discordar, retenha o que é bom como diz as sagradas escrituras. Sem mais fique com Deus e que Ele abençoe seu ministério seja em que área for.
Pb Adalberto Pimentel da Silva

Medite nos textos abaixo
a) Qualquer que aborrece a seu irmão é homicida. E vós sabeis que nenhum homicida tem permanente nele a vida eterna. 1 João 3:15

b) Nisto são manifestos os filhos de Deus e os filhos do diabo: qualquer que não pratica a justiça e não ama a seu irmão não é de Deus. 1 João 3:10

c) Aquele que diz que está na luz e aborrece a seu irmão até agora está em trevas. 1 João 2:9

Do império das trevas ao Reino de Deus


Palavras-chave: Império das trevas, Reino de Deus, resgate, morte, vida eterna, nova vida

Olá, amigos leitores e amigas leitoras do Viver em Verdade. É com muita alegria que iniciamos mais um estudo bíblico a fim de compartilharmos a Palavra de Deus, que é o único meio de levar o homem à libertação e à verdadeira transformação.

Neste estudo bíblico, falaremos sobre a saída do Império das Trevas e a entrada no Reino de Deus, que só é possível àquele que crê na morte e na ressurreição de Jesus Cristo.

Oramos para que o Espírito Santo lhe dê toda a sabedoria para que você reconheça o perfeito amor de Deus e alegre-se compreendendo tudo o que Jesus fez simplesmente para resgatar a sua vida.

O que é o império das trevas? Quem é o imperador desse império? Eu vivo ou preciso viver no império das trevas? Jesus venceu o império das trevas? Essas e outras perguntas poderão ser respondidas após a leitura deste estudo bíblico.

Em Colossenses 1:13 está escrito:

"Ele (o Pai) nos tirou da potestade (império) das trevas e nos transportou para o Reino do Filho do seu amor"

Todos nós nascemos no império das trevas. Todos, sem exceção. Bonitos, lindos, feios, ricos, pobres, celebridades, padres, pastores, bispos, papas, etc. Porém, você pode perguntar: mas eu estou na igreja desde que me conheço por gente, eu também nasci no império das trevas? Sim, você também. Com exceção de um, o Senhor Jesus, todos pecaram e foram destituídos da glória de Deus (Romanos 3:23), "Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus"

No império das trevas, existe obviamente um imperador, que é Satanás. Um império se baseia em suprir e satisfazer completamente as vontades e os desejos de seu imperador. Em contrapartida, um rei busca o bem-estar e a qualidade de vida de seu Reino. Todos nasceram sujeitos às ordens e à opressão do imperador das trevas, Satanás, porém Deus enviou o Seu Filho Unigênito para vencê-lo.

Porém, fica a pergunta: como Jesus venceu o império das trevas?

Em Colossenses 2:15, está escrito que Jesus despojou os principados e potestades.

Colossenses 2:15
"E, despojando os principados e potestades, os expôs publicamente e deles triunfou em si mesmo."
Despojar é um termo militar muito usado nos textos do Antigo Testamento que representa a ação de tomar os bens e todas as posses do exército inimigo após vencê-lo.

Vamos pensar um pouco. Se Jesus despojou os principados e potestades, então quais eram as posses que eles tinham que Jesus queria conquistar? Como Jesus venceu esse exército inimigo?

Será que Jesus deu um chute no diabo ou enforcou todos os demônios? Não. Será que Ele rasgou Satanás com uma espada afiada? Também não. Jesus venceu Satanás e todo o império das trevas morrendo na cruz. Ele venceu morrendo, a cruz é a vitória. Nós pertencíamos ao império das trevas, mas na cruz Jesus o venceu e despojou-o permitindo que fôssemos transportados para o Seu Reino. Você e eu somos o despojo que Jesus tomou das trevas como está escrito em Colossenses 2:15. Jesus pagou as dívidas que tínhamos com o império das trevas.
Você e eu somos o despojo que Jesus queria conquistar

Ele não veio à terra como homem, deixando toda a Sua Glória, com interesse em ter um nome sobre todo nome; também não veio à terra com interesse em ter uma glória, porque Ele já tinha, Ele veio para nos tirar do império das trevas.

Porém, muitas pessoas não conseguem entender ou aceitar que a morte de Jesus é a vitória. Por quê? Porque, no império das trevas, nós vemos a morte como perda, porém, no Reino de Deus, a morte de Jesus trouxe a vida. Pertencendo ao Reino de Deus, a morte do nosso corpo físico não é o fim, porque Jesus nos deu a vida eterna. Jesus morreu para nos tirar da morte e dar-nos a vida.

Quando alguém é transportado para o Reino de Deus?

Na cruz, Jesus deu o direito a todas as pessoas de serem transportadas para o Reino de Deus, porém isso só acontece quando uma pessoa reconhece que isso é uma verdade, que Jesus morreu na cruz e pagou a dívida que ela tinha com o império das trevas.

A frase "está consumado" que Jesus disse antes de morrer na cruz significa que a obra foi feita completamente. No momento em que nós acreditamos nisso, nós somos transportados do império das trevas para o Reino de Deus.

No império das trevas, nós pensávamos de uma maneira, porém, quando somos transportados para o Reino de Deus, devemos pensar de uma forma totalmente diferente. O império das trevas valoriza o TER, porém o nosso Rei, o Deus Todo-Poderoso, valoriza o SER.

O império das trevas e o Reino de Deus possuem valores totalmente diferentes. Quando uma pessoa encontra um amigo que não via há algum tempo, eles se cumprimentam e perguntam: "Tudo bem?"; após isso, é muito comum perguntarem "onde você está trabalhando?", "o que você está fazendo?", "já fez mestrado?". Se a resposta for "estou desempregado", a conversa já ganha um ar de tristeza e pessimismo, porque o que é valorizado no império das trevas é o TER. Raramente, uma pessoa pergunta à outra "você está feliz?". No império das trevas, se você não tem nada, você não é nada. No Reino de Deus, você é o que você é e não que você tem.

Aprenda isto: o império das trevas e o Reino de Deus são totalmente opostos.

Portanto, não é possível vivermos no Reino de Deus pensando nas mesmas coisas que pensávamos no império das trevas. O problema de muitos cristãos é querer viver no Reino de Deus debaixo da religiosidade e da superstição que tinham no império das trevas. Mas Jesus nos ensinou a recebermos o Reino de Deus como uma criança (Marcos 10:15).

Marcos 10:15

"Em verdade vos digo que qualquer que não receber o Reino de Deus como uma criança de maneira nenhuma entrará nele."

Por que Jesus disse isso? Porque é necessário que aprendamos tudo de novo no Reino de Deus. Não podemos ter a mesma vida que tínhamos no império das trevas, nem podemos manter os conceitos que criamos ao longo da vida, pois o Reino de Deus é totalmente diferente.

Jesus ainda disse aos fariseus que não é possível remendar pano velho com pano novo e nem colocar vinho novo em odres velhos (Marcos 2:21-22).

Marcos 2:21-22

"21Ninguém costura remendo de pano novo em veste velha; porque o mesmo remendo novo rompe o velho, e a rotura fica maior. 22E ninguém põe vinho novo em odres velhos; do contrário, o vinho novo rompe os odres, e entorna-se o vinho, e os odres estragam-se; o vinho novo deve ser posto em odres novos."

Nessa passagem, Jesus estava ensinando aos fariseus que não era possível entrar no Reino de Deus com o judaísmo religioso em que eles viviam.

Jesus veio anunciar o Reino de Deus por meio das Boas Novas, o Evangelho. Por quê?

Porque Ele veio nos preparar para sairmos do império das trevas e sermos transportados para o Seu Reino. Sem o anúncio das Boas Novas não é possível sair do império das trevas, porque sem elas não se conhece o Reino de Deus.

E qual a boa notícia que Jesus nos trouxe? A boa notícia é que ninguém mais precisa viver no império das trevas sob o jugo da servidão, pois há um Reino de amor e de paz para todo aquele que crê que Jesus pagou todas as dívidas com aquele império.

Jesus poderia muito bem ter vindo simplesmente, morrido por toda a humanidade (como fez) e transportado todos para o Reino de Deus, não é? Não, porque relacionar-se com Deus é uma escolha. Você escolhe andar com Ele ou não. Esse é o livre-arbítrio.

Por isso, o Senhor nos ensinou por meio de Paulo a renovarmos a nossa mente (Romanos 12:2).

Romanos 12:2

"E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus."

Para viver a plenitude do que Deus tem para nós, é necessário renovarmos completamente a nossa mente, permitindo que Ele nos transforme à medida do caráter de Cristo.

Sem fé na morte e ressurreição de Jesus, ninguém sai do império das trevas. Por quê? Porque é necessário reconhecer que Ele pagou as suas dívidas no império das trevas.

Sem Palavra de Deus, ninguém tem fé. Por quê? Porque a Palavra de Deus nos permite conhecer o Reino Dele, e assim podemos crer nesse Reino. Do contrário, como você creria em algo de que nunca ouviu falar?

Quando você entende que faz parte do Reino de Deus, você esquece o que tinha no império das trevas.

Filipenses 3:8

“8E, na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas e as considero como esterco, para que possa ganhar a Cristo”

Nos versículos acima, Paulo escreveu que considerava toda a sua vida antes de conhecer Cristo como esterco. Essa palavra dá um pouco de nojo, não é? Mas é exatamente isso que devemos sentir da nossa vida antes de Cristo: nojo. E você deve sentir mais nojo ainda ao saber que a palavra "esterco" nesse versículo refere-se a fezes humanas, segundo o texto original escrito em grego. Ou seja, Paulo considerava que tudo aquilo que tinha antes de conhecer Cristo não valia nada e não servia para nada. O que você faz com as suas fezes? Você reaproveita?

Se, estando no Reino de Deus, você ainda deseja o que tinha antes de Cristo, então você está voltando às suas fezes.

Será que nós negamos completamente o império das trevas?

Por acaso você disfarça, vê se ninguém está olhando, se o pastor ou algum irmão não está por perto e dá aquela "pecadinha" e depois volta à sua postura de "santo" para manter a reputação na igreja? Se você age assim, então você ainda não negou totalmente o império das trevas e ainda não reconheceu que a nova vida em Cristo é infinitamente melhor que a vida naquele império.

Aprenda isto: Ninguém entra para o Reino de Deus quando entra em algum lugar simplesmente, porque o Reino de Deus não é um lugar físico.

Jesus ensinou que o Reino de Deus não vem com aparência exterior (Lucas 17:20-21).

Lucas 17:20-21

“20E, interrogado pelos fariseus sobre quando havia de vir o Reino de Deus, respondeu-lhes e disse: O Reino de Deus não vem com aparência exterior. 21Nem dirão: Ei-lo aqui! Ou: Ei-lo ali! Porque eis que o Reino de Deus está entre vós.”

Decida por seguir a Jesus Cristo diariamente, pois o que diz se você pertence ou não ao Reino de Deus não são os lugares que você frequenta, mas sim a sua nova vida em Cristo.

Efésios 5:8-9

“Porque, noutro tempo, éreis trevas, mas, agora, sois luz no Senhor; andai como filhos da luz (porque o fruto do Espírito está em toda bondade, e justiça, e verdade),”

Negue tudo o que você valorizava no império das trevas e que não está de acordo com os princípios eternos de Deus. Permita que o Espírito Santo o(a) guie diariamente e você sempre andará em vitória.

Que a graça e a paz do Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo permaneça em sua vida!

Amém! http://www.viveremverdade.com.br/do+imperio+das+trevas+ao+reino+de+deus.html


sábado, 29 de junho de 2013

Igreja da Fé Apostolica
Apostolic Faith Church - EUA 
maio/junho 2013
Abaixo, uma mensagem de nossos irmãos em Cristo nos EUA. Somos gratos a eles, porque além de ser nossos irmãos na fé, sempre nos enviam material evangelístico da melhor qualidade na língua portuguesa, e que usamos em nosso evangelismo aqui em nossos bairros. que Deus abençoe a todos eles. 

      Estimado amigo,
Saudações! Nós temos desfrutado dos raios de sol brilhantes e todas a nova vida que traz! Esta época do ano é um lembrete maravilhoso da vida nova que Jesus concede no momento da salvação. Que beleza Ele traz a vida que se entrega a Ele!
      Na nossa reunião de jovens no dia 5 de abril, sexta-feira à noite, o ministro pregou sobre o texto de João 3:16, “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” Ele começou falando do sacrifício de Jesus, como Ele nos amou tanto que deu tudo dEle para nós. Fomos encorajados a confiar no amor de Deus, e a submeter a nós mesmos completamente a Ele. O ministro nos fez várias perguntas que nos fazem pensar, direcionadas a um autoexame. Ele perguntou “Qual é a sua maior meta na vida? Está isso consagrado a Deus? Qual é a sua coisa favorita para fazer? Você deu isso a Ele? Talvez Ele não queira que você faça mais isso. Ou talvez, ao invés disso, Ele queira que você o faça para Ele ... isso é consagração.” O ministro nos recordou que mesmo depois de submetermos nossas vidas a Deus no momento da salvação, as coisas irão continuar aparecendo e nós precisaremos consagrá-las.        
      Ele nos animou a manter nossas consagrações em dia, assim podemos ser efetivos ao compartilhar o amor de Deus com outros.
      No dia 12 de abril, sexta-feira à noite, muitos jovens se reuniram num acampamento em Oregon para um “Desafio dos Jovens”. O tema dessa reunião foi “Investimento Celestial”, com enfoque nos versículos tirados do texto de Mateus 6:20-21. Os jovens foram encorajados a guardar a Palavra de Deus profundamente nos seus corações, e tomar cuidado a quem eles permitem influenciar seus valores e decisões. No término do fim de semana eles foram desafiados a aplicar tudo o que eles aprenderam, e a colocar em prática em suas vidas diárias.
      Na sexta-feira seguinte, à noite, desfrutamos de um estudo maravilhoso que teve como assunto “A Benção do Quebrantamento”. Quando os tempos difíceis chegam a nossas vidas, nós escolhemos como vamos responder: nós podemos nos tornar amargos e desiludidos, ou podemos escolher depender de Deus. A palestrante leu a Escritura em Isaías 41:10, que diz, “Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou teu Deus: eu te esforço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça.” No nosso quebrantamento é bom ir a Palavra de Deus, pois aí podemos encontrar consolo. Jesus promete que Ele estará conosco. Ele vê as nossas lágrimas, e conhece os nossos corações.
      Em abril, ouvimos muitos testemunhos maravilhosos das bênçãos, proteção, direção e cura de Deus. Uma mulher contou como no dia 1º de janeiro ela estava descendo as escadas e caiu. Ela torceu gravemente o seu joelho, e desde então tem estado com uma dor excruciante. Recentemente ela sentiu como se não aguentasse mais essa dor e clamou a Deus. Ela pediu por um lenço ungido do escritório da igreja matriz, e depois que ela o recebeu o Senhor tirou a sua dor. Ela não teve mais dor em seu joelho! Ela sobe e desce as escadas e até caminhou ao redor de uma granja de tulipas sem dor. O Senhor a curou!
      Muitos também testificaram das bênçãos de Deus em maio no primeiro encontro de jovens. Um jovem disse, “Sendo Cristão quando estava crescendo, eu ria quando as pessoas diziam que a vida cristã era sem graça; essa nunca foi a minha experiência. Eu encontrei muitas coisas para desfrutar na vida, mas eu não tenho que olhar para essas atividades para encontrar contentamento. Deus me deu contentamento – eu deito na cama todas as noites com paz no meu coração.”
      Nessa noite o ministro pregou em Provérbios 28:13, “O que encobre as suas transgressões, nunca prosperará; mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia.” Ele usou muitos exemplos incluindo Adão e Eva. As consequências do seu pecado afetou toda a raça humana. O ministro disse que a pior consequência do pecado é a separação de Deus, mas através da oração e arrependimento podemos ter paz com Deus.
      No domingo, 12 de maio foi um lindo e ensolarado Dia das Mães. Darrel Lee usou 2 Reis 4:1-2 como seu texto. Ele disse que não existe “mãe perfeita”, porém dar um exemplo piedoso é o melhor treinamento que uma mãe pode dar a seus filhos. Em Deuteronômio 11:19 Moisés ordenou aos Filhos de Israel ensinar a seus filhos a respeito de Deus quando “andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te”. Os filhos aprendem lições valiosas ao observarem suas mães. Se a mãe ora e vai a igreja, seus filhos quase certo irão seguir seu exemplo.
      No dia 26 de maio o irmão Darrel deu uma oportuna mensagem em 1Crônicas 16:28-29 em relação a dar ao Senhor. Ele disse que assim como honramos àqueles que deram suas vidas por nosso país, devemos considerar o que vamos dar ao Senhor. No Velho Testamento as pessoas tinham que considerar como elas se aproximavam de Deus e que tipos de ofertas trariam. Não podia ser um animal com nenhum tipo de mancha; precisava ser o melhor. Nós também precisamos dar a Deus o nosso melhor de bom grado. Deus pode falar aos nossos corações e nos pedir para limpar a igreja, ensinar na escola dominical, tocar música ou ser um guerreiro de oração. Precisamos fazer nosso melhor para Ele.
      Durante o nossa reunião de Santa Ceia no domingo a noite um maravilhoso espírito de unidade foi sentido. Esse tempo especial foi para comemorar a morte do Senhor e para lavar os pés de cada um como é instruído em 1 Coríntios 11:24-30 e em João 13:2-17. No dia seguinte, a nossa tradição de limpar o acampamento foi realizada em preparação para as nossas reuniões anuais do acampamento que começará no dia 30 de junho.
      Enquanto esperamos pelas reuniões do acampamento, pedimos e valorizamos suas orações. O nosso desejo é ver almas salvas e prontas para a vinda do Senhor que se aproxima. Que Deus o abençoe de uma forma muito especial.
                                                            Em Seu serviço,
                                                            Igreja da Fé Apostolica
Pt 3-sl
Obs. Como você solicitou, estamos enviando-lhe literatura adicional para distribuição. Oramos para que Deus o abençoe e a todos aqueles que a receberem.

image001.jpgimage001.jpg
1382K   Visualizar   Baixar  
image003.jpgimage003.jpg
106K   Visualizar   Baixar  
image005.jpgimage005.jpg
998K   Visualizar   Baixar  
image007.jpgimage007.jpg
86K   Visualizar   Baixar  

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Sete marcas de um falso mestre

Tim Challies

Nada enriquece mais o inferno do que falsos mestres.  Ninguém tem maior alegria em atrair as pessoas para longe da verdade, levando-as ao erro. Falsos mestres tem estado presentes em todas as eras da história humana; eles tem sempre sido uma praga e sempre estiveram no ramo da falsificação da verdade. Enquanto suas circunstâncias podem mudar, seus métodos permanecem constantes. Aqui estão sete marcas dos falsos mestres.
1. Falsos mestres são bajuladores dos homens. O que eles ensinam é para agradar mais aos ouvidos do que beneficiar o coração. Eles fazem cócegas nos ouvidos de seus seguidores com lisonjas e, enquanto isso, tratam coisas santas com esperteza e negligência ao invés de reverência e temor. Isso contrasta bruscamente com um verdadeiro mestre da Palavra que sabe que é responsável perante Deus e que, por isso, anseia mais agradar a Deus do que aos homens. Como Paulo diria, “pelo contrário, visto que fomos aprovados por Deus, a ponto de nos confiar ele o evangelho, assim falamos, não para que agrademos a homens, e sim a Deus, que prova o nosso coração” (1 Tessalonicenses 2.4).
2. Falsos mestres guardam suas críticas mais severas aos servos mais fiéis de Deus. Falsos mestres criticam aqueles que ensinam a verdade e guardam suas críticas mais acentuadas para aqueles que se apóiam com firmeza no que é verdadeiro. Nós vemos isso em muitos lugares na Bíblia, como quando Corá e seus amigos se levantaram contra Moisés e Arão (Números 16.3) e quando o ministério de Paulo estava ameaçado e minado pelos críticos que diziam que, enquanto suas palavras eram fortes, ele mesmo era fraco e sem importância (2 Coríntios 10.10). Vemos isso mais notavelmente nos ataques viciosos das autoridades religiosas contra Jesus. Falsos mestres continuam a repreender e menosprezar servos fiéis de Deus hoje. Entretanto, como Agostinho declarou, “Aquele que prontamente calunia meu bom nome, prontamente aumenta a meu galardão”
3. Falsos mestres ensinam sua própria sabedoria e visão. Isso certamente era verdade nos dias de Jeremias quando Deus disse “Os profetas profetizam mentiras em meu nome, nunca os enviei, nem lhes dei ordem, nem lhes falei; visão falsa, adivinhação, vaidade e o engano do seu íntimo são o que eles vos profetizam” (Jeremias 14.14). E, hoje também, falsos mestres ensinam a loucura dos meros homens ao invés de ensinarem a mais profunda e rica sabedoria de Deus. Paulo sabia: “pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos” (2 Timóteo 4.3).
4. Falsos mestres deixam passar o que é de suma importância e, ao contrário, se focam nos pequenos detalhes. Jesus diagnosticou essa tendência nos falsos mestres de seu tempo, advertindo-os, “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho e tendes negligenciado os preceitos mais importantes da Lei: a justiça, a misericórdia e a fé; devíeis, porém, fazer estas coisas, sem omitir aquelas!” (Mateus 23.23). Falsos mestres colocam uma grande ênfase na sua aderência aos pequenos comandos mesmo quando ignoram os grandes. Paulo advertiu Timóteo daquele que “é enfatuado, nada entende, mas tem mania por questões e contendas de palavras, de que nascem inveja, provocação, difamações, suspeitas malignas,  altercações sem fim, por homens cuja mente é pervertida e privados da verdade, supondo que a piedade é fonte de lucro” (1 Timóteo 6.4-5).
5. Falsos mestres obscurecem sua falsa doutrina por trás de um discurso eloquente e do que parece ser uma lógica impressionante. Assim como uma prostituta se pinta e se perfuma para parecer mais atraente e sedutora, o falso mestre esconde sua blasfêmia e doutrina perigosa atrás de argumentos poderosos e de um uso eloquente da linguagem. Ele oferece aos seus ouvintes o equivalente espiritual a uma pílula venenosa revestida de ouro; embora possa parecer bonita e valiosa, permanece sendo mortal.
6. Falsos mestres estão mais preocupados em ganhar os outros para a sua opinião do que em ajudá-los e melhorá-los. Esse é outro diagnóstico de Jesus quando ele refletiu sobre as normas religiosas dos seus dias. “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque rodeais o mar e a terra para fazer um prosélito; e, uma vez feito, o tornais filho do inferno duas vezes mais do que vós!” (Mateus 23.15). Falsos mestres não estão em última instância no ramo de melhorar vidas e salvar almas, mas no ramo de convencer mentes e ganhar seguidores.
7. Falsos mestres exploram seus seguidores. Pedro avisa acerca desse perigo, dizendo: “Assim como, no meio do povo, surgiram falsos profetas, assim também haverá entre vós falsos mestres, os quais introduzirão, dissimuladamente, heresias destruidoras, até ao ponto de renegarem o Soberano Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição. E muitos seguirão as suas práticas libertinas, e, por causa deles, será infamado o caminho da verdade; também, movidos por avareza, farão comércio de vós, com palavras fictícias; para eles o juízo lavrado há longo tempo não tarda, e a sua destruição não dorme” (1 Pedro 2.1-3). O falso mestre explora aqueles que o seguem porque eles são gananciosos e desejam as riquezas desse mundo. Sendo essa uma verdade, eles sempre ensinarão princípios que satisfazem a carne. Falsos mestres estão preocupados com os bens deles, não com o seu bem; querem servir a si mesmos mais do que aos perdidos; estão satisfeitos em Satanás ter a sua alma contanto que eles possam ter as suas coisas.
Traduzido por Kimberly Anastacio | iPródigo.com | Original aqui
Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Lição 13: Eu e minha casa serviremos ao Senhor

Lições Bíblicas CPAD -Jovens e Adultos

2º Trimestre de 2013
Título: A Família Cristã no século XXI — Protegendo seu lar dos ataques do inimigo
Comentarista: Elinaldo Renovato de Lima
Lição 13: Eu e minha casa serviremos ao Senhor
Data: 30 de Junho de 2013

TEXTO ÁUREO


Porém, se vos parece mal aos vossos olhos servir ao SENHOR, escolhei hoje a quem sirvais: se os deuses a quem serviram vossos pais, que estavam dalém do rio, ou os deuses dos amorreus, em cuja terra habitais; porém eu e a minha casa serviremos ao SENHOR(Js 24.15).

VERDADE PRÁTICA


Com a graça de Deus, a família cristã vencerá os desafios da vida.

HINOS SUGERIDOS


225, 256, 354.

LEITURA DIÁRIA


Segunda - Gn 7.1
A salvação de uma família


Terça - Ef 6.4
Doutrina e conselho para filhos


Quarta - Pv 22.6
Instruindo o filho no caminho do Senhor


Quinta - Êx 20.12
O primeiro mandamento com promessa


Sexta - 2Tm 3.14-17
A perfeita instrução para uma vida feliz


Sábado - 2Pe 3.18
Crescendo na graça e no conhecimento

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Josué 24.14-18,22,24.


14 - Agora, pois, temei ao Senhor, e servi-o com sinceridade e com verdade, e deitai fora os deuses a que serviram vossos pais dalém do rio, e no Egito, e servi ao Senhor.
15 - Porém, se vos parece mal aos vossos olhos servirdes ao SENHOR, escolhei hoje a quem sirvais; se aos deuses a quem serviram vossos pais, que estavam além do rio, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra habitais; porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor.
16 - Então, respondeu o povo, e disse: nunca nos aconteça que deixemos ao SENHOR para servirmos a outros deuses:
17 - porque o Senhor é o nosso Deus; ele é quem nos fez subir, a nós e a nossos pais, da terra do Egito, da casa da servidão, e o que tem feito estes grandes sinais aos nossos olhos, e nos preservou por todo o caminho em que andamos, e entre todos os povos pelo meio dos quais passamos.
18 - E o Senhor expeliu de diante de nós a todas essas gentes, até ao amorreu, morador da terra. Também nós serviremos ao Senhor, porquanto é nosso Deus.
22 - E Josué disse ao povo: Sois testemunhas contra vós mesmos de que escolhestes o SENHOR, para o servir. E disseram: Somos testemunhas.
24 - E disse o povo a Josué: Serviremos ao SENHOR, nosso Deus, e obedeceremos à sua voz.

INTERAÇÃO


Caro professor, chegamos ao fim de mais um trimestre. É o momento de pararmos e refletirmos sobre o exercício magisterial deste semestre que passou. Como foi? Como professor, os objetivos foram cumpridos? Temos ainda mais um semestre pela frente e pensarmos e repensarmos a nossa prática de ensino é auspicioso para corrigirmos erros e vislumbrarmos acertos no futuro. Professor, a sua classe espera de você comprometimento, seriedade e conteúdo. Por isso, esforça-te em estudar e pensar a fé cristã. Leia, leia sempre. Pois a leitura é tremendamente libertadora — “Conhecereis a verdade, e esta te libertará”. Reflita!
 OBJETIVOS


Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Conhecer o exemplo de Noé.
  • Imitar a decisão de Josué.
  • Compreender a fidelidade dos recabitas.
 ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA


Prezado professor, para introduzir a lição dessa semana sugerimos que reproduza, conforme as suas possibilidades, o esquema abaixo. Este apresenta um breve resumo dos três personagens centrais da nossa lição. Explique à classe que, sem exceção, ambos os personagens viveram numa sociedade oposta aos princípios de sua fé e nem por isso deixaram de se posicionar contra as imoralidades daquela época. Afirme que é assim que devemos nos comportar diante de uma sociedade corrupta. Boa aula!


POSICIONAMENTOS EM TEMPOS DE CRISE


NOÉ
Ele andou com Deus. Viveu numa sociedade absolutamente corrompida. Esta era marcada por uma imoralidade incontrolável. Ali, não havia temor a Deus. Mesmo assim Noé não hesitou em tomar a decisão de fazer a arca e anunciar o juízo de Deus para aquela sociedade. Pela decisão de entrarem na Arca, o Senhor livrou Noé e sua família do juízo...


JOSUÉ
Canaã estava num tempo de lassidão moral e idolatria. Naturalmente, o povo de Deus foi influenciado por este contexto de trevas. Mas Josué não deixou de se posicionar e, categoricamente, afirmou: “se vos parece mal aos vossos olhos servir ao Senhor, escolhei hoje a quem sirvais: [...]; porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor”.


RECABITAS
A sociedade judaica estava corrompida e carregada de vícios. Indignidade e infidelidade eram características dela. Nesse contexto é que o profeta Jeremias apresenta os Recabitas. Estes compunham uma tribo nômade que havia recebido do seu ancestral os princípios da lei do Senhor. Passaram-se duzentos anos e os recabitas não se dobraram à indignidade daquele tempo. Eles honraram ao Senhor e aos seus ancestrais.


COMENTÁRIO

 Introdução


Palavra Chave
Casa: Lar, Família.


Neste trimestre estudamos os diversos males que têm assolado a família e vimos também que Deus é a única resposta para os nossos dias. Por isso, devemos ter o Senhor Jesus como o esteio e o centro de nosso lar. Se orarmos, jejuarmos, lermos a Bíblia e fizermos o culto doméstico, teremos condições de lutar contra as forças do mal e vencê-las em nome de Jesus. Frequentemos assiduamente a igreja e não faltemos à Escola Dominical. A família que fielmente serve ao Senhor jamais será destruída.
Vigiemos e oremos em todo o tempo, para que a nossa casa não seja alcançada pelas águas do dilúvio moral que encobre o presente século. Digamos, pois, ousadamente: “Eu e a minha casa serviremos ao Senhor”.


I. O EXEMPLO DECISIVO E CORAJOSO DE NOÉ


1. Noé andou com Deus. A vida de Noé revela as qualidades indispensáveis de um servo de Deus: “varão justo”, “reto em suas gerações” e que “andava com Deus” (Gn 6.9). Por isso mesmo, o patriarca “achou graça aos olhos do Senhor” (Gn 6.8). Todas essas características revelaram-se intensa e visivelmente na vida de Noé em meio a uma sociedade perversa, violenta, imoral e inimiga do Santíssimo Deus. O patriarca é um exemplo para os pais de família destes últimos dias.
2. Vivendo numa sociedade corrompida. A época de Noé foi marcada por uma imoralidade incontrolável e por uma ausência completa de temor a Deus (Gn 6.11,12). Não poderia haver mundo pior. Quando analisamos a chamada sociedade pós-moderna, depressa concluímos: não há diferença entre o nosso século e o século no qual vivia o santo patriarca. Eis aí um dos mais fortes prenúncios da iminente volta de Jesus (Mt 24.37,39).
Portanto, que o exemplo de Noé nos inspire a confiar em Deus e a agir como Ele requer de todos os seus filhos. É hora de lutar por nossas famílias, a fim de que Satanás não as destrua.
3. A salvação de Noé e sua família. No mundo antigo, apenas Noé e a sua família escaparam do cataclismo que devastou a terra (Gn 7.1). A fé de Noé estendeu-se aos seus filhos, estes creram em Deus e foram salvos do dilúvio. Não havia nada que pudesse salvá-los, a não ser a firme decisão de dizer “sim” ao Senhor. Somente a graça de Deus, que alcançou o patriarca e a sua casa, pode salvar o nosso lar da destruição moral e espiritual de nossos dias.


SINOPSE DO TÓPICO (I)


Noé andou com Deus mesmo numa sociedade corrompida. Sua decisão e coragem é um exemplo para nós.


II. JOSUÉ — UMA DECISÃO EXEMPLAR


1. A firme tomada de posição. Josué tomou uma firme e decisiva posição, a fim de preservar a sua família da idolatria e da lassidão moral de Canaã (Js 24.15). É um exemplo que todo crente deve seguir. Caso contrário, nosso cônjuge e filhos serão destruídos pela iniquidade. Há muitos lares que, apesar de serem conhecidos como cristãos, não mais servem a Cristo. Os pais já abdicaram de suas responsabilidades quanto à formação espiritual, moral e ética de seus filhos. Não mais os educam com amor e firmeza; não lhes impõem qualquer limite. E o que dizer da violência doméstica? Não podemos confundir disciplina com truculência e brutalidade, pois a esse respeito a Palavra de Deus é bastante clara: “E vós, pais, não provoqueis a ira a vossos filhos, mas criai-os na doutrina e admoestação do Senhor” (Ef 6.4).
2. O perigo da omissão dos pais. A Palavra de Deus recomenda aos pais que criem os seus filhos “na doutrina e admoestação do Senhor” (Ef 6.4b). Isso significa que não podemos nos omitir. Veja mais uma vez o exemplo de Josué. Ele não se omitiu, mas levou toda a sua casa a servir somente a Deus (Js 24.15). De igual modo, devemos educar nossos filhos. Essa decisão tem de ser prioritária em nossa vida. Assim agiu Josué, porque ele sabia que, doutra forma, não haveria esperança para o seu lar.


SINOPSE DO TÓPICO (II)


O patriarca Josué não se omitiu diante da idolatria que ameaçara as tribos israelitas. Ele tomou uma firme decisão juntamente com a sua família: servir ao Senhor.


III. O EXEMPLO DOS RECABITAS


1. Uma família exemplar. A Bíblia de Estudo Pentecostal afirma que os recabitas eram um povo que “fazia parte de uma tribo nômade aparentada com os queneus e com Jetro, sogro de Moisés (cf. Jz 1.16; 1Cr 2.55). Seu ancestral, Jonadabe (cf. 2Rs 10.15-27), ordenara a seus filhos, mais de duzentos anos antes, que não bebessem nenhum tipo de vinho”.
Mais tarde, o próprio Deus tomou os recabitas como exemplo, para mostrar como uma família pode e deve comportar-se. Eles agiam com dignidade, moderação e fidelidade ao Senhor em meio a uma sociedade corrompida e carregada de vícios (Jr 35.1-19).
2. Um exemplo de fidelidade. Aos seus filhos, Recabe transmitira fielmente os princípios da lei de Deus. Passados duzentos anos, seus descendentes continuavam a observar-lhe as ordenanças e a respeitar-lhe as tradições. Por isso, o Senhor resolveu mostrá-los como exemplo de fidelidade aos filhos de Judá. Instruído por Deus, Jeremias leva-os a uma das câmaras do Santo templo e oferece vinho àqueles homens (Jr 35.1-14). Mas eles se recusam a beber, porque se mantinham obedientes à voz de Recabe: “Não beberemos vinho, porque Jonadabe, filho de Recabe, nosso pai, nos mandou, dizendo: Nunca bebereis vinho, nem vós nem vossos filhos; [...] Obedecemos, pois, à voz de Jonadabe, filho de Recabe, nosso pai, em tudo quanto nos ordenou [...]” (Jr 35.6,8).
Em virtude de sua obediência, os recabitas foram grandemente abençoados: “visto que obedecestes ao mandamento de Jonadabe, vosso pai, e guardastes todos os seus mandamentos, e fizestes conforme tudo quanto vos ordenou, assim diz o Senhor dos Exércitos, Deus de Israel: Nunca faltará varão a Jonadabe, filho de Recabe, que assista perante a minha face todos os dias” (Jr 35.18,19). Quando da destruição de Jerusalém pelos babilônios, eles foram poupados por Deus ao passo que os judeus infiéis vieram a perecer.
Se encaminharmos nossos filhos nas Sagradas Escrituras, eles também serão preservados da tribulação que virá sobre este mundo que jaz no maligno. Portanto, instrua sua casa na doutrina e na admoestação do Senhor.


SINOPSE DO TÓPICO (III)


Os recabitas são um exemplo de fidelidade aos princípios ensinados pelo seu ancestral, Recabe.


CONCLUSÃO


Diante de todo o Israel, Josué foi decisivo: “Eu e a minha casa serviremos ao Senhor”. Se não agirmos da mesma forma, corremos o risco de ver o nosso lar destruído pelo Maligno. O momento requer firmeza e coragem. O que estamos esperando? Neste momento, reúna o seu cônjuge e filhos e renove os seus votos de fidelidade a Deus. Agindo assim, você terá o Senhor Jesus como o seu hóspede permanente. Oremos e lutemos pela família cristã.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA


PFEIFFER, C. F.; VOS, H. F.; REA, J. (Eds.) Dicionário Bíblico Wycliffe. 1 ed., RJ: CPAD, 2009.
DEVER, M. A Mensagem do Antigo Testamento: Uma Exposição Teológica e Homilética. 1 ed., RJ: CPAD, 2008.
ZUCK, R. B. (Ed.). Teologia do Antigo Testamento. 1 ed., RJ: CPAD, 2009.

EXERCÍCIOS


1. Cite as qualidades indispensáveis de servo de Deus na vida de Noé.
R. “Varão justo”, “reto em suas gerações” e que “andava com Deus”.


2. Qual era a marca da época de Noé?
R. Imoralidade incontrolável e uma ausência completa de temor a Deus.


3. O que a Palavra de Deus recomenda aos pais na criação dos seus filhos?
R. A Palavra de Deus recomenda aos pais que criem os seus filhos “na doutrina e admoestação do Senhor”.


4. Quem eram os recabitas?
R. Eram um povo que fazia parte de uma tribo nômade aparentada com os queneus e com Jetro, sogro de Moisés.


5. Você tem instruído a sua família na Palavra de Deus?
R. Resposta pessoal.

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO I


Subsídio Teológico


“NOÉ, UM SEGUNDO ADÃO
O pecado do homem nos dias de Noé era atroz e doloroso ao Senhor, que se arrependeu de ter criado o homem. Ele determinou enterrar o homem sob as águas do mar da mesma maneira que enterrara Adão sob a superfície da terra. As águas caóticas, que se submeteram obedientemente à mão do Criador para que a terra seca aparecesse, agora seriam soltas pelo Criador como instrumento da ira vingativa divina. Mas mesmo assim os propósitos criativos originais não seriam frustrados e reduzidos, porque Deus começaria novamente com outro Adão, outra imagem que manteria o mandato da soberania. Claro que este ‘Adão’ era nada mais nada menos que Noé.
Noé, embora justo e inocente, foi escolhido não por causa da sua condição reta, mas como objeto da graça eletiva de Deus (Gn 6.8). Essa eleição tinha óbvias implicações salvíficas — ele foi salvo do Dilúvio —, mas, além disso, e mais fundamentalmente, era a escolha pelo ajuste do concerto para o qual Adão fora criado. Noé tinha de ser o começo de um novo empreendimento de compromisso do concerto, um novo vice-regente por meio de quem os propósitos soberanos de Deus tornar-se-iam realidade” (ZUCK, R. B. (Ed.). Teologia do Antigo Testamento. 1 ed., RJ: CPAD. 2009, p.36).

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II


Subsídio Teológico e Homilético


“A Promessa de Temer e Obedecer a Deus
Quase todo o relato de Josué é preenchido com a conquista e a divisão da terra pelos israelitas. Nesse sentido, isso é o assunto de que o livro trata. No entanto, encontramos um subtexto importante que precede essa atividade e continua ao longo dela. O povo fez isso porque prometeu temer e obedecer a Deus.
Pergunto-me se você notou isso ao ler Josué ou se apenas seguiu as histórias extraordinárias de espiões e de queda de muros. No capítulo 1, eles prometeram obedecer a Josué, o porta-voz do Senhor (1.16-18). No capítulo 5, eles, depois de atravessar o Jordão, mas antes de ir para Jericó, começam de novo a praticar a circuncisão e a comemorar a Páscoa (5.7-10). Na época do Êxodo, quarenta anos atrás, o Senhor dera essas duas práticas ao seu povo, todavia, desde essa época tinham negligenciado essas práticas. O povo prometeu ter o Senhor como seu Deus ao reinstituir essas práticas. Em certo sentido, eles voltavam a ser o povo do Senhor após o período de quarenta anos no deserto, quando viveram em um estado de verdadeira suspensão do entusiasmo. A seguir, no capítulo 8, o povo escuta Josué reler toda a lei de Moisés (8.34,35) após a derrota de Jericó e de Ai que marcou o início da conquista da terra. Esse tempo incrível de ensino — é um símbolo poderoso de que, na verdade, eles são o povo do Senhor.
No final do livro, no registro de seus últimos atos públicos como líder deles, Josué leva o povo a renovar sua aliança com o Senhor. No que é uma das mais incomuns declarações da Bíblia, Josué soa como se incitasse o povo a não escolher seguir ao Senhor. Claro que não é esse o caso, ele tenta garantir que entendam a seriedade da escolha que estavam para fazer.
[...] Os anos (ou mesmo décadas) narrados nesse livro, mostra-nos que é exatamente isso que o povo faz. Ele mantém sua promessa de servir ao Senhor como o Deus deles. Entretanto, ao mesmo tempo em que fazem isso, eles continuam a pecar” (DEVER, M. A Mensagem do Antigo Testamento: Uma Exposição Teológica e Homilética. 1 ed., RJ: CPAD, 2008, pp.189-90).

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO


EU E MINHA CASA SERVIREMOS AO SENHOR


A Palavra de Deus nos mostra diversos homens que conduziram suas famílias em comunhão com Deus. Não eram famílias perfeitas, que viviam em um ambiente sem lutas ou adversidades, mas eram famílias que foram apresentadas a Deus e aos Seus cuidados. Dentre essas famílias, destacamos as de Noé e Josué.
A família de Noé viveu no período do Dilúvio. Ela presenciou a chamada de Deus a Noé, para que construísse uma arca gigantesca, nos moldes de um verdadeiro navio, a fim de abrigar as espécies animais de uma grande inundação que viria. Aquela família trabalhou com Noé durante décadas para que aquela obra pudesse ser concluída, pois entendeu que aquela construção era também a obra que salvaria suas vidas. Terminado o trabalho, toda a família foi salva das águas que destruíram a humanidade porque creram em Deus e respeitaram a liderança de seu pai. Imagine os anos de zombaria aos quais eles se submeteram para realizar aquilo que Deus ordenara. Ainda assim, foram recompensados tendo suas vidas preservadas daquela catástrofe.
Outro exemplo a analisar é o de Josué. Nascido como escravo no Egito, Josué tornou-se ajudante de Moisés e homem escolhido por Deus para suceder o grande legislador. Josué viu os milagres de Deus no Egito, a providência divina no deserto, a terra prometida e desprezada pela sua geração, o preço pago por seus amigos por não crerem nas palavras de Deus e as rebeliões de Seu povo até chegarem na terra prometida. Josué é o exemplo de um homem que persistiu em ser fiel a Deus e que foi recompensado por sua fé. Mas ele fez questão de reafirmar a fé em Deus para sua família.
Ele reuniu o povo de Israel, lembrou-lhes de tudo o que Deus fizera por eles, da origem escrava que tiveram e da condição de pessoas livres e proprietários de terras em que agora estavam. Eles eram livres, tinham uma terra e uma promessa divina de bênçãos sem medida. Mas aquele povo também guardava suas idolatrias, e que foram aprendidas com seus pais!
Josué 24.14 toca em um ponto muito delicado. Os filhos de Israel entraram na terra que Deus lhes dera por promessa, mas não deixaram para trás os deuses que os seus pais serviram. E Josué os advertiu: “Porém, se vos parece mal aos vossos olhos servir ao Senhor, escolhei hoje a quem sirvais: se os deuses a quem serviram vossos pais, que estavam dalém do rio, ou os deuses dos amorreus, em cuja terra habitais; porém eu e a minha casa serviremos ao SENHOR” (Js 24.15).

ABAIXO

Tendo em vista que a lição faz menção a geração do tempo de Noé, abaixo postei alguns texto do site: http://www.apazdosenhor.org.br/, com matérias que já foram ministradas anteriormente para que o leitor possa entender um pouco mais aquela época e compará-la com a de hoje.

LIÇÃO 06 - NOÉ, UM HOMEM JUSTO E INCORRUPTÍVEL - TERCEIRO TRIMESTRE DE 2007
TEMA: “A busca do caráter cristão: aprendendo com homens e mulheres da Bíblia”.
Comentarista: Eliezer de Lira e Silva
 
Um dos sinais que apontam para o fim dos tempos e a segunda vinda de JESUS CRISTO. As palavras de JESUS mostram igualmente que a situação é semelhante à do passado remoto dos dias de Noé.
Mateus 24:36-44
“Mas a respeito daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, senão somente o Pai.
Pois assim como foi nos dias de Noé, também será a vinda do Filho do homem.
Porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio, comiam e bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca,
E não o perceberam, senão quando veio o dilúvio e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem.
Então dois estarão no campo, um será tomado, e deixado o outro;
Duas estarão trabalhando num moinho, uma será tomada, e deixada a outra.
Portanto, vigiai, porque não sabeis em que dia vem o vosso Senhor.
Mas considerai isto: Se o pai de família soubesse a que hora viria o ladrão, vigiaria e não deixaria que fosse arrombada a casa.
Por isso ficai vós apercebidos; porque, à hora em que não cuidais, o Filho do homem virá.”
 
Eram de consternar as condições morais dos dias de Noé: “ Viu o Senhor que a maldade do homem se havia multiplicado na terra, e que continuamente era mau todo desígnio do seu coração” (Gn 6.5) “A terra estava corrompida à vista de DEUS, e cheia de violência.” (Gn 6.11).
 
Estas condições exibem marcada semelhança com as condições morais do mundo de hoje.
Cento e vinte anos foram o prazo que DEUS deu a geração de Noé para o arrependimento, e embora Noé, o pregoeiro da justiça advertisse o povo da aproximação do dilúvio, sua advertência não foi ouvida. Pouca atenção lhe deu à admoestação.
 
Do mesmo modo, nós, os salvos, como pregoeiros da justiça, já há mais de dois milênios, anunciamos ao mundo a volta de CRISTO e o Juízo de DEUS, e , como Noé, somos desprezados e taxados de loucos e fanáticos. Pregamos o arrependimento e apontamos para a Arca, o Senhor JESUS CRISTO, O ÚNICO MEIO DE SALVAÇÃO: “Quem entrar por mim, salvar-se-á” (Jo 10.9).
 
"Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de DEUS inculpáveis no meio duma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo" (Fp 2.15).

 
Todo cristão deve influenciar a sociedade em que vive, por meio de atitudes que enalteçam o nome do Senhor.
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE = Gênesis 6.1-12.
1E aconteceu que, como os homens começaram a multiplicar-se sobre a face da terra, e lhes nasceram filhas, 2\viram os filhos de DEUS que as filhas dos homens eram formosas; e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram.3 Então, disse o SENHOR: Não contenderá o meu ESPÍRITO  para sempre com o homem, porque ele também é carne; porém os seus dias serão cento e vinte anos. 4 Havia, naqueles dias, gigantes na terra; e também depois, quando os filhos de DEUS entraram às filhas dos homens e delas geraram filhos; estes eram os valentes que houve na antiguidade, os varões de fama. 5 E viu o SENHOR que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente. 6 Então, arrependeu-se o SENHOR de haver feito o homem sobre a terra, e pesou-lhe em seu coração. 7 E disse o SENHOR: Destruirei, de sobre a face da terra, o homem que criei, desde o homem até ao animal, até ao réptil e até à ave dos céus; porque me arrependo de os haver feito. 8 Noé, porém, achou graça aos olhos do SENHOR. 9 Estas são as gerações de Noé: Noé era varão justo e reto em suas gerações; Noé andava com DEUS. 10 E gerou Noé três filhos: Sem, Cam e Jafé. 11 A terra, porém, estava corrompida diante da face de DEUS; e encheu-se a terra de violência. 12 E viu DEUS a terra, e eis que estava corrompida; porque toda carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra.
 
6.2 OS FILHOS DE DEUS. Esses filhos de DEUS , sem dúvida, eram os descendentes da linhagem piedosa de Sete (cf. Dt 14.1; Sl 73.15; Os 1.10); eles deram início aos casamentos mistos com as filhas dos homens , i.e., mulheres da família ímpia de Caim (ver 4.16). A teoria de que os filhos de DEUS eram anjos, não subsiste ante as palavras de JESUS, que os anjos não se casam (Mt 22.30; Mc 12.25). Essa união entre os justos e os ímpios levou à maldade do versículo 5, i.e., os justos passaram a uma vivência iníqua. Como resultado, a terra corrompeu-se e encheu-se de violência (vv. 11-13)
 
6.5 A MALDADE DO HOMEM SE MULTIPLICARA. Nos dias de Noé, o pecado abertamente se manifestava no ser humano, de duas principais maneiras: a concupiscência carnal (v. 2) e a violência (vv. 11,12). A degeneração humana não mudou; o mal continua irrompendo desenfreado através da depravação e da violência. Hoje em dia, a imoralidade, a incredulidade, a pornografia e a violência dominam a sociedade inteira (ver Mt 24.37-39; ver Rm 1.32).
 
6.6 ENTÃO, ARREPENDEU-SE O SENHOR. DEUS se revela, já nestes primeiros caps. da Bíblia, como um DEUS pessoal para com o ser humano, e que é passível de sentir emoção, desagrado e reação contra o pecado deliberado e a rebelião da humanidade.
(1) Aqui, a expressão arrependeu-se significa que, por causa do trágico pecado da raça humana, DEUS mudou a sua disposição para com as pessoas; sua atitude de misericórdia e de longanimidade passou à atitude de juízo.
(2) A existência de DEUS, o seu caráter e seus eternos propósitos traçados, permanecem imutáveis (1 Sm 15.29; Tg 1.17), porém, Ele pode alterar seu tratamento para com o homem, dependendo da conduta deste. DEUS altera, sim, seus sentimentos, atitudes, atos e intenções, conforme as pessoas agem diante da sua vontade (Êx 32.14; 2 Sm 24.16; Jr 18.7-10; 26.3,13,19; Ez 18.4-28; Jn 3.8-10).
(3) Essa revelação de DEUS como um DEUS que pode sentir pesar e tristeza, deixa claro que Ele, em relação à sua criação, age pessoalmente, como no recesso de uma família. Ele tem um amor intenso pelos seres humanos e solicitude divina ante a penosa situação da raça humana (Sl 139.7-18).
 
6.9 NOÉ ERA VARÃO JUSTO E RETO EM SUAS GERAÇÕES. Em meio à iniqüidade e maldade generalizadas daqueles dias (v. 5), DEUS achou em Noé um homem que ainda buscava comunhão com Ele e que era varão justo .
(1) Reto em suas gerações , equivale dizer que ele se mantinha distanciado da iniqüidade moral da sociedade ao seu redor. Por ser justo e temer a DEUS e resistir à opinião e conduta condenáveis do público, Noé achou favor aos olhos de DEUS (v. 8; 7.1; Hb 11.7; 2 Pe 2.5).
(2) Essa retidão de Noé era fruto da graça de DEUS nele, por meio da sua fé e do seu andar com DEUS (v. 9). A salvação no NT é obtida exatamente da mesma maneira, i.e., mediante a graça e misericórdia de DEUS, recebidas pela fé, cuja eficácia conduz o crente a um esforço sincero para andar com DEUS e permanecer separado da geração ímpia ao seu redor (v. 22; 7.5,9,16; At 2.40). Hebreus 11.7 declara que Noé foi feito herdeiro da justiça que é segundo a fé.
(3) O NT também declara que Noé não somente era justo, como também pregador da justiça (2 Pe 2.5). Nisso, ele é exemplo do que os pregadores devem ser.
 
Hb 11.7 Pela fé, Noé, divinamente avisado das coisas que ainda não se viam, temeu, e, para salvação da sua família, (grifo nosso)
18preparou a arca, pela qual condenou o mundo, e foi feito herdeiro da justiça que é segundo a fé.
 
O ARREBATAMENTO DA IGREJA VEM AÍ, O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO PARA SALVAR SUA FAMÍLIA DA GRANDE TRIBULAÇÃO QUE VIRÁ?
 
OBSERVAÇÕES SOBRE NOÉ - 1
NOÉ (Seu nome Significa "Descanso") Filho de Lameque da descendência de Sete (Gn 5.28-32). Noé era um homem JUSTO 4). Quando DEUS decidiu destruir o mundo através de um DILÚVIO, ele escolheu Noé e sua família para escaparem da destruição. Durante o dilúvio, Noé e sua esposa, seus três filhos e suas esposas e muitos animais permaneceram dentro de uma ARCA que havia sido construída por Noé. Depois que as águas secaram, Noé e sua família saíram da arca e receberam de DEUS a ordem e a bênção para povoarem de novo a terra. Noé viveu 950 anos (Gn 6—9).
Noé era um homem correto que protegeu sua fiel família do julgamento de DEUS. Ele era o filho de Lameque e neto de Matusalém, um descendente de Sete, terceiro filho de Adão (Genesis 5:13-20). Lameque nomeou seu filho Noé, um nome que soa como um termo em Hebraico que significa "alívio" ou "conforto". Quando Lameque escolheu esse nome, ele disse "Ele nos trará alívio do trabalho doloroso de cultivar essa terra que o Senhor amaldiçoou" (Genesis 5:29). DEUS estava determinado a destruir a criação por causa da perversão difundida (compare Mateus 24:37-39, Lucas 17:26-27). Mas DEUS fez uma exceção com Noé, um homem correto aos olhos de DEUS e inocente diante as pessoas (Genesis 6:39). Depois de seguir as instruções precisas de DEUS, Noé construiu uma arca. Somente oito pessoas poderiam entrar na arca: Noé, sua esposa, os três filhos e suas esposas. Entrou também na arca todos os tipos de criaturas com seus pares. Todos eles foram protegidos do dilúvio no qual todas as coisas vivas restantes foram destruídas(Genesis 6:14, 8:19). Quando emergiram da arca, Noé construiu um altar e queimou ofertas para agradecer a DEUS. DEUS prometeu que a inundação nunca mais aconteceria e a seqüência das estações não seria interrompidas apesar do pecado do homem (Genesis 8:20-9:17). Noé suportou poderosas tentações. Entretanto, mais tarde, na idade velha, ficou negligente e tornou-se bêbado. Os membros da família reagiram diferentemente e foram julgados de modo devido. Sem e Jafé receberam a benção. Cam não recebeu nenhuma benção, mas o seu filho Canaã foi amaldiçoado (Genesis 9:20-27). Noé tinha 950 anos quando morreu, 350 anos depois do dilúvio. Noé, Daniel e Jó são especialmente citados por terem sido justo em Ezequiel 14:12-14, 19-20). A carta aos Hebreus elogia Noé pela fé, medo santo e a rejeição do mundo tornou-se herança da justiça(Ezequiel 11:7). Em 2 Pedro 2:5, Pedro o chama de pregador da justiça.
 
OBSERVAÇÕES SOBRE NOÉ - 2
NOÉ, o construtor da arca.
Origem e primeiros anos. Nada se sabe sobre a parte inicial de sua vida. Aparece pela primeira vez nas Escrituras com quinhentos anos de idade. Seu bisavô Enoque foi homem extremamente piedoso e, pela graça divina, escapou da morte. Foi trasladado, Gn 5:22-24; Hb 11:5. Seu avô Matusalém foi o homem que mais viveu, Gn 5:25-27.
Seu pai chamava-se Lameque, aparentemente homem religioso, que deu ao filho o nome que significa “descanso”, Gn 5:29. Condições da sociedade na época. Noé viveu em uma época irremediavelmente corrupta. A humanidade tornara-se tão depravada que o Senhor determinou destruir a raça humana, Gn 6:1-7. Em meio a essa escuridão moral, a vida de Noé brilhou com sua justiça, Gn 6:8,9. Seu chamado. Devido à maldade então existente, DEUS revelou a Noé que enviaria um grande dilúvio a fim de exterminar o homem da face da terra. DEUS encarregou-o de realizar uma tarefa estranha e impossível do ponto de vista humano. Construir um imenso barco para preservar a vida da família e de certas espécies do reino animal. A magnitude de tal tarefa é difícil de entender. Noé estava rodeado de incrédulos malvados que riam de seu trabalho. Converteu-se em motivo de zombaria. No entanto, manteve a fé e continuou o trabalho ano após ano, tarefa que para os vizinhos parecia indicar que ficara louco.
Considerando seu meio ambiente, a grandiosidade da obra para a qual foi chamado e tantos anos de trabalho árduo, destaca-se como insuperável, ou talvez inigualável, entre todas as personagens bíblicas com fé persistente. A arca. Não é possível determinar com exatidão as dimensões da arca, pois estão especificadas em côvados antigos. Para nossos cálculos, consideramos a medida de 45 cm. (Quanto ao tempo investido na construção, comp. Gn 5:32 com 7:6.) Noé aparentemente admoestava o povo enquanto trabalhava na arca, 2Pe 2:5. Os dias imediatamente anteriores ao Dilúvio. A reunião dos animais e a entrada de Noé e sua família na arca, Gn 7:1-16. O Senhor fecha a porta da arca, Gn 7:16.
 
Entra na arca, tu e toda a tua casa, porque reconheço que tens sido justo diante de mim no meio desta geração. De todo animal limpo levarás contigo sete pares: o macho e sua fêmea; mas dos animais imundos, um par: o macho e sua fêmea. Também das aves dos céus, sete pares: macho e fêmea; para se conservar a semente sobre a face da terra.
 
Na arca entraram assim ordenados os animais:
Animais limpos sete pares de cada espécie e
Animais imundos um par de cada espécie.
 
  De acordo com Gênesis, a Arca de Noé era uma grande embarcação em forma de caixa, construída de madeira, provavelmente de cipreste, e impermeabilizada com alcatrão. Baseado no cálculo do côvado comum como tendo 44,5 cm, as suas dimensões seriam 133,5 m de comprimento, por 22,30 m de largura, 13,40 m de altura. Tinha uma porta lateral. Certamente, o teto deveria tido um ligeiro grau de inclinação para escoar a água da chuva. Esta relação entre comprimento e largura, de 6 para 1, é usada pelos modernos engenheiros navais. Isto daria à arca cerca de 40 mil m³ de volume bruto. Internamente, seus 3 conveses forneceriam uma área total de mais de 8 900 m² de espaço útil. A lista de passageiros da arca era bastante impressionante. Além de Noé e sua família, espécies básicas dos animais terrestres e de aves. (Gênesis 6:18-21) (http://pt.wikipedia.org/wiki/Arca_de_No%C3%A9-07-08-2007).
 
Como todos os animais poderiam caber na arca?
A arca foi projetada para incluir apenas vertebrados terrestres -- aqueles que caminham sobre a terra e respiram através de narinas (Gênesis 7:22). Isso não inclui animais marinhos, vermes, insetos e plantas. Há menos de 350 famílias de vertebrados terrestres vivos. A maioria destes são do tamanho de um gato doméstico ou menor. Se cada família taxonômica estivesse representada na arca por um par de espécimes, e com as poucas famílias "limpas" representadas por sete pares, a arca deveria conter menos do que 1000 indivíduos. A arca poderia provavelmente acomodar dez vezes este número. A questão de espaço para os animais na arca não é um problema difícil. (http://www.scb.org.br/pergresp/arcanoe.htm-07-08-2007).
 
Noé pode aprender muito sobre DEUS, pois viveu o suficiente para conhecer muitos patriarcas, desde Enos até Matusalém; e tempo suficiente para passar seus ensinos para gerações futuras até Abraão.
  
OBSERVAÇÕES SOBRE NOÉ - 3
O caráter de NOÉ, filho de Lameque
Referências gerais: Gn 5:29; 6:8; 7:1; 8:1,20; 9:1,17,29; Mt 24:37; Hb 11:7; 1Pe 3:20; 2Pe 2:5.
Fatos relacionados:
1- Andou com DEUS em um ambiente mau, Gn 6:8-12.
2- Obedeceu quando lhe foi dada uma tarefa difícil, Gn 6:14,22; 7:5.
3- Lembrado por DEUS e salvo da morte, Gn 8:1.
4- Pela fé, trabalhou para sua salvação e de sua Família, Hb 11:7.
5- Advertiu os vizinhos acerca do juízo vindouro, 2Pe 2:5.
6- Edificou o primeiro altar de que há registro, Gn 8:20.
7- Honrado pelo Senhor com uma aliança eterna, Gn 9:12-17.   
 
Ver tb: Gn 7:13, 1Cr 1:4, Sl 22:31, Lc 3:36, Lc 17:26  
 
Problemas (defeitos?) de Noé:
Em certa ocasião bebeu demais e não intercedeu pelos pecadores de sua época junto a DEUS, também não conseguiu mudar a situação dos que viviam à sua volta.
 
RESUMO. No tocante à eleição e predestinação, podemos aplicar a analogia de um grande navio (Uma ARCA?) viajando  para o céu (Nova Vida). DEUS escolhe o navio (a igreja) para ser sua própria nau. CRISTO é o Capitão e Piloto desse navio. Todos os que desejam estar nesse navio eleito, podem fazê-lo mediante a fé viva em CRISTO. Enquanto  permanecerem no navio, acompanhando seu Capitão, estarão entre os eleitos. Caso alguém abandone o navio  e o seu Capitão, deixará de ser um dos eleitos. A predestinação concerne ao destino do navio e ao que DEUS preparou para quem nele permanece. DEUS convida todos a entrar a bordo do navio eleito mediante JESUS  CRISTO. As águas do dilúvio prefiguram o juízo de DEUS sobre os pecadores que não se arrependerem de seus pecados. Entre rápidamente para a arca.
 
DISPENSAÇÃO DO GOVERNO HUMANO, Gn 8 15 11.19.
ALIANÇA NOÉTICA
Neste trecho de Noé e seus descendentes, contém alguns pontos que pedem a nossa atenção: a bênção e a promessa de DEUS', o pacto que fez com Noé e com toda a alma vivente. O arco-íris, Gn 9.12,17. Alguns pensam que antes do Dilúvio, nunca houve chuva, Gn 2.6. Ezequiel teve uma visão, Ez l .28: "Como o aspecto do arco que aparece no dia da chuva, assim era o aspecto do resplendor em redor. Este era o aspecto da semelhança da glória do Senhor; e, vendo isto, caí sobre o meu rosto, e ouvi a voz de quem falava".
Em Gn 9.21, lemos sobre a embriaguez, de Noé que nos faz ver que até um homem ricamente abençoado por DEUS pode ser vencido por pecados carnais.
De passagem, notamos o procedimento correio de Sem e Jafé, que em tempos remotos tiveram um sentimento moral tão desenvolvido como o dos mais ilustrados de hoje.
Notamos também, como a maldição caiu sobre Canaã, o filho mais moço de Cão, e não sobre seu pai, e desde então os Cananitas foram adversários do povo de DEUS, até serem totalmente extintos da Terra, Is 17.18.
Se a Bíblia não tivesse registrado: a embriaguez de Noé; o adultério de Davi e a mentira de Pedro, estaríamos imaginando que os homens piedosos do passado eram diferentes de nós mesmos, pois temos tido nossos lapsos na senda da retidão. Verificamos que tal falha não nos autoriza cairmos no mesmo delito, porque deles já temos a história e o aviso: "Olha, Não Caia".