quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Os benefícios de ter prazer na Lei do Senhor - Parte I

por Cleison Brugger
Existem implicações diretas concernente ao ler e meditar as Escrituras, e uma delas é esta: "Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores, antes, tem o seu prazer na Lei do Senhor e na Sua lei, medita de dia e de noite. Pois será como a àrvore planta junto aos ribeiros, a qual dá o seu fruto na estação própria, suas folhas não caem, e tudo quanto fizer, prosperará. Não são assim os ímpios, mas são como a moinha que o vento espalha" (Salmo 1. 1-4)

Todo aquele que "tem o seu prazer na Lei do Senhor e, na sua lei, medita de dia e de noite" (vv.2) está firmemente balizado e corretamente edificado, pois, segundo o Salmo, "será como a árvore plantada junto a ribeiro de águas" (vv.3a). Isso quer dizer que estará como uma árvore fincada num bom lugar, uma árvore corretamente enraizada em lugares onde o nivel de vivência é plenamente excelente, que é junto a ribeiro de águas. Não é maravilhoso ser comparado a uma árvore que constantemente é alimentada pelas águas calmas da Palavra? O Salmo continua dizendo que essa árvore "dá o seu fruto na estação própria" (vv.3b), conotando a ideia de que seu ciclo está perfeitamente organizado. Ela não está desregrada, pelo contrário, tem sua época específica de frutificar. Os santos não são imprevisíveis e levados por emoções. Eles são banhados pelas águas calmas da Palavra. Muitos são os que até dão fruto, mas os dão fora de época (suas ações não interagem com o tempo certo de executá-las), mas os santos dão frutos na estação própria! um momento conversando com um santo é o suficiente para comer do seu fruto e sair alimentado. Ele está encharcado das águas da Palavra!
O Salmo 1.3c diz: "Suas folhas não caem, e tudo quanto fizer, prosperará". Suas folhas não caem, porque estão verdes! quantos galhos secos temos em nossos dias, inclusive dentro das igrejas. Gente sem fruto, ramo sem flor, árvores sem vida. Certamente, suas Bíblias estão guardadas em algum lugar da estante, pois aqueles cujas Bíblias estão despencando e amareladas de tanto ser folheadas, certamente não estão como suas Bíblias, pelo contrário, estão erguidos, com suas folhas reverdecentes! e o melhor é que "tudo quanto fizer, prosperará". Suas sementes têm vida e prosperam. Elas, ao invés de morrer, vingam! Não dão frutos podres ou com sabor não-palatável, mas produzem bons e agradáveis frutos. Seus filhos são contaminados pelas águas frias da Palavra. Eles são excelentes no discipulado, pois formam verdadeiras "mudas do Senhor" que, com o tempo, tornar-se-ão "árvores plantadas junto a ribeiros".

Contudo, o Salmo diz: "Não são assim os ímpios, mas são como a moinha que o vento espalha" (vv.4). Diga-me qual é a vantagem de ser guiado pelos ímpios conselhos, se deter no caminho dos pecadores e se assentar na roda dos que zombam, se o seu fim é a morte, é ser como a moinha que o vento espalha, é ser como a erva que está aqui e logo não estará mais? É vantajoso ter prazer na Lei do Senhor e na Sua lei meditar diuturnamente! ainda que sejamos chamados de antiquados, no final, ão de perceber que éramos sábios, pois os caminhos que seguíamos, de fato, nos conduzia à vida, enquanto o caminho deles os levava para um caminho oposto ao nosso.

Ainda considerando a implicação de que quem tem prazer na Lei do Senhor está bem balizado e corretamente edificado, gostaria de mostrar-lhe Mateus 7, mas esse é um próximo texto.

Deus te abençoe!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço e será um prazer receber seu comentário que depois de aprovado será publicado.